ALTOS E BAIXOS

por Cristiana Vale Pires, investigadora no CRIA-ISCTE e no CEDH – Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica do Porto


“Altos e baixos” respondem-me todos/as à pergunta “como estás?”. “Hoje é sexta-feira santa” relembro-me durante mais uma reunião em Skype num dia igual a todos os outros. A Primavera entra-me pela janela. Os ramos das árvores que ainda estavam despidos a 13 de Março agitam-se agora de pequenos brotos e de folhas verdes e viçosas. Os trabalhadores da Câmara Municipal do Porto aparam a relva e cortam os malmequeres que pintam o jardim à beira de minha casa. Era mesmo necessário? Os dias estão maiores. Os dias de chuva alternam-se com os dias de sol, mas o tempo está mais quente. O chilrear dos pássaros sobressai a todos os sons. Poucos são os sons urbanos. O silêncio é tranquilizador e perturbador. A ruas vazias transmitem acalmia e ansiedade. A estranheza nos olhos das pessoas com que me cruzo já não me é estranha. “Devo passar para o outro lado da rua?”. Nunca gostei de ir às compras, agora é o meu pequeno guilty pleasure. Sair de casa, conduzir, ver pessoas são agora atos de liberdade (ou de resistência?). Nunca cozinhei tanto na vida. A máquina de lavar a loiça não para. Aumentei o meu consumo de tabaco, álcool, chocolate… e da salada que me chega em cabazes à porta. O consumo de café abrandou.

Rascunho do caderno de ilustrações de Cristiana Vale Pires

Hoje, quase um mês depois do início do isolamento social as notificações do telemóvel abrandaram. As piadas, a partilha de notícias, os desabafos já não me distraem de forma ininterrupta. E eu já não tenho tanta necessidade de entrar nesse frenesim ansioso que parece reivindicar o direito ao contacto social. Os temas começam também a variar. Lentamente procura-se retomar o antes, mesmo sabendo que muito do anterior é e será obsoleto. O mundo mudou. Não dá para voltar atrás.

Começamos todas/os a pensar no mundo pós-corona. Quando retomaremos as nossas vidas? Que implicações terá? Todos/as sabemos que o mundo não vai para melhor. O otimismo das mensagens “vai ficar tudo bem” parece ser uma estratégia de coping e uma simulação de espírito comunitário.

Da sala, oiço a minha vizinha dar uma aula de ginástica em videochamada. Oiço também a música de outra janela aberta para deixar entrar o ar deste dia de primavera.

A Páscoa será em casa. No Porto. Sem família. Sem lareira. Uma novidade nestes meus 36 anos de existência. Não há folar transmontano. Não há bolos económicos. Não sei cozinhar cabrito. Mas tenho uma aula para preparar e trabalho para me entreter. A Páscoa será um dia igual a todos estes dias sempre iguais. Brincar e cuidar do meu filho, cozinhar e arrumar, ser produtiva em teletrabalho, tentar ser criativa para estimular o lado esquerdo do cérebro, como sabiamente me diz uma querida amiga.

Altos e baixos. São assim estes novos dias. É assim este novo modus vivendi.

2020 foi suspenso por tempo indeterminado. As calças de ganga continuam guardadas. Por agora são as de fato de treino que me servem o propósito destes novos dias… Ainda não uso máscara nem luvas (resisto-lhes?).

Porto, 11 de Abril de 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.