MAPA MENTAL DO NOVO CORONAVÍRUS

por Geissy Reis, mestranda em Antropologia pela Universidade Federal da Paraíba (Brasil)


Desde o contexto do nordeste brasileiro, trago em papel, com a utilização de lápis e giz de cera, processos históricos, não exclusivos deste país, mas aqui também situados (no Brasil), que somados à pandemia pelo coronavírus, compõe parte do dramático quadro em que estamos vivendo hoje. Busquei expor o concatenamento de ideias a partir do marco coronavírus; quando penso na pandemia há uma relação de causas e consequências? Se sim, quais? Há instituições e/ou processos pré-existentes que fazem confluir mais e mais rapidamente a disseminação do coronavírus? Quais? De que modo as chamadas “políticas da morte” se aglutinam à este cenário de calamidade pública, e continuam a levar à morte grupos humanos, identidades, memórias, cosmovisões e indivíduos sociais?

(clique nas imagens para ampliar)

É consensual na Antropologia da Saúde, do Corpo e da Doença, no Brasil, que o saber biomédico não exima os demais campos de saberes de suas reflexões e contribuições científicas, ou não deveria, justo porque a tríade: corpo, saúde e doença situa-se no campo da vida, indexada esta que está às condições socioeconômico-culturais da existência. Deste modo, me pus a pensar e a transcrever pensamentos, em torno da pandemia, deste esta perspectiva; o cenário de adoecimento e morte pelo coronavírus, é também o cenário da a) desigualdade sociocultural, b) da precarização dos serviços públicos, nomeadamente a educação e a saúde, c) da violência de gênero, d) do racismo, e) da violência a povos e comunidades nomeados tradicionais, entre eles, quilombolas e indígenas, entre outros.

Os aqui citados marcadores sociais da diferença (e também os não mencionados), imprimem marcas distintivas em sujeitos sociais e grupos humanos, e continuam atuais neste estado pandêmico.

João Pessoa (Paraíba, Brasil), 7 de abril de 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.