Fé judaica, livre arbítrio e o valor supremo da vida, em tempo de pandemia

 

por Marina Pignatelli (CRIA-ISCTE | ISCSP-ULisboa)


Os judeus foram sempre os “bodes expiatórios”, os culpados de todas as pragas e pandemias. O seu Deus é tido como mero castigador ou recompensador das ações humanas. Mas, para os judeus, Deus criou o mundo, descansou ao 7º dia, mas deu à humanidade o livre arbítrio para completar a criação. Deixou na verdade, na mundividência teleológica judaica, a ideia de que o mundo e a natureza são não só milagres divinos, mas também deixou a incumbência de que os humanos os estudem e aprendam com eles/deles. E que, quaisquer passos que tentemos dar para proteger a vida e a saúde humana do “mal” e da doença, são dados, não por acreditar que só Deus tem o domínio sobre o destino de vida ou a morte, mas porque alinhar com este plano de Deus é um dos pilares da fé judaica. Neste sentido, não só as pandemias, mas também a agencialidade das pessoas nas prevenções e precauções para lhes fazer face, são parte do plano divino judaico.

Bnei Brak, Israel, 1/4/2020). (Tomer Neuberg/Flash90)
Bnei Brak, Israel, 1/4/2020). (Tomer Neuberg/Flash90)

Esta Páscoa será, sem dúvida diferente. Mais intensa para todos, especialmente para os judeus em todo o mundo, habituados que já estão a jejuns, recolhimentos e abstenções várias, em especial nesta altura do seu calendário litúrgico, com a função de promoverem comportamentos de autoexame e contenção. Depois de esgotados todos os esforços humanos, a fé judaica aponta para uma intervenção divina de auxílio. A renovação dessa esperança está representada precisamente na cíclica Páscoa judaica, a Pessach, ou “passagem”.

E essa esperança está igualmente encarnada no significado da vida humana para os judeus. A regra do Pikuash Nefesh referente ao valor supremo da vida e que postula que “salvar uma vida humana é salvar a humanidade inteira”, suplanta com efeito qualquer outra regra que esteja na Torah. Daí assistir-se ao ministro da defesa Naftali Bennett, há dias declarar que iriam “buscar ventiladores aos quatros cantos do mundo de forma inteligente e expedita” e registarem-se diversas forças oficiais israelitas (o serviço de inteligência da Mossad, o ministério da defesa, o ministério da saúde, o gabinete do 1º ministro e as forças da defesa IDF) conjuntas no esforço de aquisição de equipamento de combate à pandemia de Covid-19.

Foto da autora

Esta quase esquizofrénica valorização da vida humana, leva inclusive Israel a contabilizar (entre as vítimas, infetados e curados) nas suas estatísticas, todos os judeus/israelitas que estejam não só no seu território, mas também em “trânsito”, na diáspora. Não só o Deus dos judeus é um Deus étnico, como também as estatísticas que são publicadas por cada estado são étnicas. Em Macedo de Cavaleiros, vale-lhes a Junta de Freguesia. Em Israel, valem aquelas forças conjuntas.

Resta-lhes, como a todas as sociedades, a esperança de que o livre-arbítrio / boas decisões orientem e ajudem a salvar todas as vidas em risco, neste momento de Páscoa/passagem. Resta-nos a fé na ciência-vacina e, para alguns, a fé de que o seu Deus intervenha, no limite da crise, para salvar.

Belém (Lisboa), 2 abril 2020.
    


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.