Que patrimônio é este? Patrimônio para quem?

por Emiliano Dantas, doutorando em Antropologia, (CRIA, ISCTE), pesquisador por e com imagens.


A historiografia diz que os portugueses criaram uma civilização em um pequeno arquipélago deserto, batizando-o de São Tomé e Príncipe. Tudo teria começado no final do século XV.

A partir do século XVI, a monocultura açucareira foi consolidada com o uso da mão de obra escrava e a sistematização do estupro das mulheres negras para gerar uma população que povoaria a ilha. Esse processo gerou o crescimento colonial pelas fazendas que estruturariam o modelo socioeconômico colonial português. A proposta de civilização era a justificativa para extirpar a chamada monstruosidade e animalidade dos seres da floresta. Então, nas fazendas foram edificadas construções para produção da cana-de-açúcar, casas para os patrões e funcionários e senzalas para os escravos. No século XIX, as antigas fazendas passaram a ser empresas coloniais que plantavam cacau e café, chamadas de roças, famosas por serem vistas como sinônimo de progresso e desenvolvimento, a preponderância da civilização sobre os selvagens e a floresta.

De um lado, o discurso lusotropicalista pregou a roça como um patrimônio cultural da lusofonia no mundo. Por outro lado, o discurso pós-moderno considerou a floresta como patrimônio natural, aquele que já existia sem ação das pessoas e precisava ser preservado para a manutenção da humanidade. Separados e classificados, temos a cultura e a natureza divididas e definidas a partir da visão eurocêntrica do mundo. No entanto, ambas dimensões patrimoniais podem assumir diferentes sentidos, atrelados aos usos e ferramentas despertadas pelas pessoas que interagem com elas e nelas. Por exemplo, o dito patrimônio cultural, a roça, foi um lugar de dor e sofrimento para as pessoas escravizadas, ao passo que o mato, como destino de fuga, poderia assumir contornos de liberdade e cura.

“Aqui é uma floresta, representa o mato”
(Água Izé 11/07/2019)

“Essa mulher é curandeira, pra curar, pra tirar casca. Ela tá arranjando remédio no mato.”
(Água Izé 14/08/2019).

 O mato, ao longo dos séculos, foi o lugar da resistência ao trabalho escravo nas roças. Espaço de morar, desenvolver remédios e relacionar-se com a vida não humana. Ao mesmo tempo, a roça trazia as relações de poder, a riqueza, o conforto para os ricos, além de outros valores ocidentais que criavam uma visão negativa, primitiva e selvagem do mato. Nota-se, portanto, uma visão binária, intimamente ligada à ferida colonial, ainda aberta, carregada de toda influência da dominação portuguesa e européia, que fazia sangrar o seu oposto. Ao passo que, a partir de uma proposta mais fluída de visão sobre o mundo e o conhecimento, o mato e a roça, bem como as ditas civilizações e selvagens, humanos e animais, natureza e cultura, não são opostos, são partes co-dependentes, que se misturavam e coexistiam.

foto do autor

O mapa em aquarela foi pensado como uma espécie de tapete, de trama, em que a história surgiu dos encontros entre o mato, as pessoas e tudo que envolve a ilha. Assim, todas as ações humanas envolveram o mato, num movimento de transformação com mão dupla. Tudo aconteceu e acontece como forças que emergem em interações. Em São Tomé, mesmo que o discurso ocidental queira separar tudo, roça e mato nunca se separaram. Atualmente, com a passagem do que era empresa colonial, a roça, para comunidade, é que o mato e a roça se misturaram de vez.

As fotografias que apresento abaixo foram fruto da minha experiência nas roças e no mato. Elas tentam mostrar as interações da vida orgânica com a vida social, as fronteiras vivas que se misturam, os mistérios que não se consegue explicar a partir de uma análise ocidentalizada. As/os curandeiras/os e suas folhas, a floresta, a relação entre mar e feiticeiro. Pelas fotografias, pretendo questionar que patrimônio é esse? Das divisões de um mundo ou de suas interações, há patrimônio para quem? Ou para quê?

[ clique nas imagens para aumentar ]


ver mais fotografias em: www.emilianodantas.com


 

 

Este ensaio visual foi criado e produzido no âmbito do convite dirigido ao CRIA para participação no Dia Internacional do Monumentos e Sítios (DIMS), celebrado anualmente no dia 18 de abril. 

Dia Internacional dos Monumentos e Sítios (DIMS) foi criado pelo Conselho Internacional dos Monumentos e Sítios (ICOMOS) a 18 de Abril de 1982, e aprovado pela UNESCO no ano seguinte, com o objetivo de sensibilizar os cidadãos para a diversidade e vulnerabilidade do património, bem como para a necessidade da sua proteção e valorização. Celebrando o património nacional, comemoramos também a solidariedade internacional em torno do conhecimento, da salvaguarda e da valorização do património em todo o mundo.

Em 2021, o tema proposto para o DIMS pelo ICOMOS Internacional é PASSADOS COMPLEXOS: FUTUROS DIVERSOS.

Conheça a programação e atividades do DIMS AQUI.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.