A FALTA QUE A FESTA FAZ [1]

por João Leal, Professor no Departamento de Antropologia da NOVA-FCSH, Investigador no CRIA-NOVA FCSH


Os sucessivos confinamentos associados à covid19 levaram ao cancelamento ou à suspensão temporária de muitas festas. Para fazer face a essa suspensão, muitas festas colocaram-se sob o signo da transição digital: recorrendo às redes sociais para partilha de fotografias e vídeos de festas passadas, promovendo lives ou efetuando transmissões online de segmentos rituais sem público, etc. As festas acompanharam assim, de formas muito diversas e criativas, uma das grandes transformações da economia e da sociedade no “novo regime pandémico”, expressa – por exemplo – na generalização do teletrabalho, no aumento significativo do comércio online ou – no campo das artes – na generalização de espetáculos, performances, concertos, exposições etc., online. Estas tendências já vinham de trás, mas aceleraram-se significativamente no decurso da pandemia. Segundo a revista The Economist, durante o primeiro confinamento (entre março e junho de 2020), a transição digital fez em alguns meses um caminho que em condições normais duraria dez anos a fazer.

No caso da festa, entretanto, o caminho da transição digital foi mais significativo nalguns tipos de festas e menos significativo noutros. Provavelmente foi mais relevante em festas com alguma expressão institucional, com audiências mais significativas e com percursos anteriores de mercantilização e mediatização. Inversamente poderá ter sido menor em festas que ocorrem em espaços sociais marcados por relações face a face e sem inserção muito efetiva – ou tangencial – em circuitos de patrimonialização e mercantilização da cultura. A dimensão religiosa das festas poderá ter sido outro fator importante, sobretudo no caso em que elas decorrem de promessas individuais. A relação entre devotos e deuses é ainda – apesar de tudo – um domínio que pertence mais à esfera pessoal do devoto do que à esfera pública para a qual muitas festas se direcionam.

Interrupção das festas ou fim das festas?

As festas do Espírito Santo que tenho vindo a pesquisar (Leal 1994, 2017) incluem-se neste segundo tipo de festas. Embora realizadas em diferentes contextos – nos Açores (ilha de Santa Maria), em East Providence (EUA) e em São Luís, em particular no terreiro de tambor de mina Ilê Ashé Obá Izô –  foram todas elas festas onde a transição digital foi menos relevante. As festas foram canceladas, mas não foram generalizadamente montadas alternativas digitais. Nos casos – como nos EUA ou em São Luís – em que as festas fazem parte de repertórios de atividades rituais mais alargados que têm lugar ao longo do ano, verificou-se também o cancelamento da maior parte dessas atividades. Nos contactos que fiz o espírito era de inevitabilidade misturada com esperança: “a festa faz falta, mas logo isto vai passar e a festa vai voltar”.

Mas será mesmo que festa vai voltar (senão este ano, pelo menos em 2022)?

A primeira forma de responder a essa pergunta pode ser cética. Por vezes, a interrupção de celebrações periódicas pode determinar o seu fim. Foi isso que aconteceu com muitas festas do Espírito Santo na Califórnia. Aí, durante a II Guerra Mundial, os edifícios de muitas irmandades do Espírito Santo foram requisitadas pelo governo norte-americano para instalar tropas e equipamento, e, uma vez a guerra terminada, muitas festas não foram retomadas e as respetivas irmandades foram dissolvidas (Goulart 2002). Há que dizer que a culpa pela interrupção das festas não resultou apenas do esforço de guerra norte-americano. De facto, já nos anos 1920 e 1930, a tendência dominante entre os emigrantes açorianos e seus descendentes era no sentido da assimilação e isso traduzia-se numa perca gradual da importância das festas. Estas haviam sido centrais para o desenvolvimento de sociabilidades e identidades migrantes, mas a assimilação tinha-as enfraquecido. De qualquer modo, foi a interrupção provocada pela II Guerra Mundial a dar o golpe fatal em dezenas de festas.

Algo disso poderá vira acontecer agora em São Luís (Maranhão). Provavelmente a maioria das festas regressará, mas outras – em menor número – talvez não. Mas, tal como no caso da Califórnia, não será a interrupção por si só que determinará o eventual fim dessas festas. De facto, em particular a partir de 1990, São Luís assistiu a um crescimento exponencial do número de festas do Espírito Santo – ou festas do Divino – em terreiros de tambor de mina. Estas, em 2014, eram cerca de 70, quando em 1990 não iam além de 39. Vários fatores contribuíram para esse crescimento. Entre eles um teve grande importância: a inscrição das festas no regime patrimonial – ou como diria Laurajane Smith (2006) no ​“Authorized Heritage Discourse (AHD)” – prevalecente no Maranhão. Tal traduziu-se, entre outros aspetos, na montagem de um sistema estadual de apoios financeiros às festas. Este começou por apoiar festas mais conhecidas – em Alcântara, na Casa das Minas e na Casa de Nagô (os dois mais célebres terreiros de tambor de mina de São Luís) – mas depois tornou-se tendencialmente universal. A seguir à derrota política da dinastia Sarney ocorrida nas eleições estaduais de 2014, esse sistema de apoios foi posto em causa e, em resultado, já então se falava em São Luís da eventual diminuição do número de festas do Divino. Pode ser que, em certos casos, o cancelamento das festas em 2020 possa apressar essa tendência, sobretudo se se mantiverem os constrangimentos epidémicos que levaram ao seu cancelamento no ano passado (como tudo indica que se manterão, dada a gravidade da situação sanitária atualmente existente no Brasil). Não serão muitas as festas que serão descontinuadas, mas serão provavelmente algumas.

Nestes dois casos – e este ponto deve ser enfatizado – não é tanto a interrupção das festas que determina ou eventualmente determinará o seu fim, mas é a sua interrupção que, em cima de tendências pré-existentes, pode facilitar esse desfecho.

De resto, em Portugal, temos experiências relativamente bem documentadas de cenários similares de “fim de festa”. Nos anos 1960 e 1970 desenvolveu-se um forte surto migratório das áreas rurais do país – para a França, a Alemanha ou o Luxemburgo – e isso determinou o fim ou a interrupção duradoura de algumas festas. Foi o que aconteceu com as festas associadas ao ciclo dos doze dias no norte de Portugal, em particular com a festas dos Rapazes. Estas últimas foram particularmente atingidas, porque os seus protagonistas – os rapazes – faziam parte de num dos grupos de idade que mais emigrava. É certo que muitas dessas festas foram depois revitalizadas, mas isso não impediu a sua não realização durante muitos anos.

Noutros casos, entretanto, o cancelamento de festas em 2020 – eventualmente em 2021 – poderá não ter consequências de maior. É este o caso de Santa Maria (Açores). As festas encontram-se aí dependentes de promessas individuais. Não havendo essas promessas não há festa. Na freguesia onde realizei trabalho de campo (Santa Bárbara) não há memória que, desde os anos 1960 e até metade dos anos 1990, alguma vez isso tenha acontecido. Os anos 1960 e 1970 foram as décadas de apogeu da emigração açoriana para os EUA e o Canadá e as festas eram permanentemente alimentadas pelas promessas dos emigrantes, muitas delas relacionadas com a emigração: “se eu for para a América e que tenha sorte, prometo um Império”. Mas, com o tempo, essas promessas de emigrantes tornaram-se escassas. E a partir de 1995 – primeiro ano em que pela primeira vez não houve festas do Espírito Santo em Santa Bárbara – foram vários os anos em que isso voltou a acontecer. A festa perdeu aí o seu carácter periódico e passou a ser intermitente. Assim, em 2020, enquanto noutras freguesias de Santa Maria as várias festas previstas foram canceladas, em Santa Bárbara não chegou a haver cancelamento da festa, porque não havia à partida festa.

Neste caso, uma vez que a intermitência se tornou uma característica definidora da festa, a interrupção pandémica não terá provavelmente efeitos de maior. Voltará a haver festas quando houver promessas.

A festa continua

Mas apesar da sua interrupção em 2020 – e eventualmente em 2021 – a grande maioria das festas, passada ou acalmada a pandemia, irá continuar (ou assim se espera).

Os motivos para esperança encontram-se desde logo no modo como o confinamento de algumas festas – nomeadamente das festas que tenho vindo a referir – foi um confinamento parcial.

De facto, em muitos casos, foram implementadas alternativas rituais “metonímicas” à festa, em que a parte – alguns segmentos rituais – substituíram o todo – a festa no seu conjunto. Assim, em East Providence não houve festa, mas houve uma distribuição de sopas do Espírito Santo em regime de takeaway (o mesmo regime que muitos restaurantes implementaram e continuam a implementar durante a pandemia). No caso das festas do Divino de São Luís, em vez da festa completa, tiveram lugar ladainhas em louvor do Espírito Santo, mas sem toques de caixa, até porque as caixeiras – mulheres negras que têm a seu cargo a direção e o acompanhamento musical das festas e que têm idades maioritariamente acima dos 70 anos – eram um “grupo de risco”.

Nestes casos, a implementação de alternativas rituais “metonímicas” foi uma forma de afirmar que a festa, embora momentaneamente cancelada, continuava viva e iria voltar. Foi – á sua maneira – uma forma de afirmar “a falta que a festa fez (e faz)”, ou – se quisermos – uma forma de resistência à falta da festa. Mesmo sem festa, assinalamos a sua ausência.

A falta da festa

Que a festa faz falta e que as pessoas resistiram à sua falta é um facto que encontra outras expressões. Mas, para falar delas proponho que nos desloquemos das festas que os antropólogos costumam estudar – festas com algum grau de formalização pública e com audiências largas (como aquelas que tenho vindo a referir) – para outras modalidades de festa – mais restritas e informais.

Portugal foi um país que reconhecidamente fez uma boa gestão do primeiro confinamento (entre março e junho de 2020), apresentando números muito baixos, a nível europeu, de infeções e mortes associadas à covid19. Mas tornou-se, a partir de fevereiro deste ano (2021) o país europeu com números mais altos – absurdamente mais altos – de infeções e mortes com covid19. Durante dias, à porta das urgências do maior hospital público do país havia filas de ambulâncias que lá permaneciam durante dezenas de horas com doentes dentro, porque os serviços – embora no seu rendimento máximo – não conseguiam responder à pressão. Perante o quase colapso dos hospitais públicos, os hospitais privados tiveram que ser “requisitados” e outros países europeus – como a Alemanha – enviaram equipas para ajudar os médios e enfermeiros portugueses. Em março os números baixaram significativamente, mas o confinamento – embora com medidas de abrandamento gradual – continua e vai continuar, pelo menos até à Páscoa.

Perante esta situação, havia que encontrar razões e responsáveis. Eram vários os candidatos: a onda de frio que assolou o país em janeiro e na metade inicial de fevereiro; o relaxamento das medidas de proteção individuais que se seguiu ao anúncio da vacina. Mas um consenso rapidamente emergiu.

O governo tinha endurecido em novembro de 2020 as medidas de um semi-confinamento, mas não decretou medidas suplementares para o período do natal e do ano novo. Contrariamente a muitos países europeus, que endureceram as medidas de confinamento nesse período do ano, em Portugal triunfou uma opção mais moderada. Embora o governo e o presidente tivessem aconselhado a redução das deslocações intermunicípios e a presença de um número diminuto de pessoas nas celebrações do natal e do ano novo, não foram implementadas medidas duras ou proibições. Muitas pessoas cumpriram os conselhos do governo. Mas outras – é impossível dar números – não cumpriram. Há de qualquer forma muitos relatos de almoços e jantares de natal e celebrações de ano novo que juntaram dezenas de pessoas sem proteção e sem distanciamento social. Segundo muitos comentadores, foram esses muitos almoços e jantares de natal e as celebrações de ano novo que atuaram como superspreaders da covid19. De regresso do natal, as pessoas traziam não apenas as prendas que lhes haviam sido oferecidas, mas também o vírus.

O governo e o presidente resolveram facilitar, provavelmente porque acreditavam em duas premissas: a) na importância que para as pessoas tinham o natal e o ano novo; b) na maturidade dos portugueses para seguirem os seus conselhos. Se a primeira premissa era verdadeira, a segunda não era. De facto, o que a situação posterior mostrou é que as celebrações do natal e do ano novo eram de tal maneira importantes para um número considerável de pessoas, que estas deixaram de lado a maturidade que era esperada delas.

Isto é: em última instância, a responsabilidade pelo que aconteceu é a falta que a festa fazia às pessoas. Edmund Leach (1977 [1961]) tem um artigo antigo sobre o natal e o ano novo no ocidente europeu que demonstra a complementaridade sociológica entre as duas festas, entendidas como ocasiões de reiteração e de celebração de laços sociais marcados ora pela proximidade – no caso do natal – ora pela amplitude social – no caso do ano novo. Esse estar com outros – próximos ou distantes – é uma característica geral da festa.  Tem sido essa proximidade física e festiva com próximos e distantes que o confinamento cancelou. E foi contra esse cancelamento que muitos portugueses reagiram, ignorando os conselhos para contenção dados pelas autoridades.

De resto, o que se passou no natal e no ano novo tinha já precedentes no primeiro confinamento. Nesse período, surgiam frequentemente notícias de ajuntamentos festivos informais que tinham que ser dispersos pela polícia: centenas de jovens que se juntavam à noite via whatsapp em parques de estacionamento perto da praia, raves clandestinas anunciadas nas redes sociais, jantares de aniversário juntando centenas de pessoas em coletividades, etc. Mas por cada um desses eventos que foi noticiado, dezenas de outros passaram despercebidos.

Conclusão

Isto é, o cancelamento de muitas festas com maior exposição pública – de que as festas do Espírito Santo são apenas um exemplo – foi acompanhado em muitos casos pela multiplicação – mesmo contras as regras do confinamento ou do simples bom senso – de festas e ajuntamentos festivos mais informais.

Embora aparentemente contraditórios, os dois fenómenos podem ser vistos em conjunto. Falam os dois da “festa que a falta faz”. Ou porque a festa não se fez mesmo e todos sentiram a falta dela, ou porque a festa se fez – mesmo contra as normas de distanciamento social – como forma de contrariar a falta que ela fez.

Em qualquer dos casos o que ambas as tendências mostram – como se fosse preciso mostrá–lo – é aquilo que os antropólogos dizem há muito tempo: que a festa não é um mero ornamento decorativo da vida social, mas um aspeto decisivo do modo como são configuradas e vividas as relações entre pessoas e grupos e – no caso das festas religiosas – as relações entre pessoas e grupos e as divindades. Sendo festa, a festa é por isso o assunto mais sério do mundo.

No seu célebre ensaio sobre as variações sazonais entre os esquimós (1983 [1904/05)], Marcel Mauss contrasta dois períodos do ano marcados por orientações sociológicas distintas: enquanto no verão predominam a dispersão e a atomização social, no inverno triunfam a concentração social e as vivências em grupo. A festa seria um dos instrumentos centrais para essa concentração social invernal. A conclusão do ensaio de Mauss – a lei sociológica mais geral que dele retira – é que a vida social oscila entre esses dois polos opostos. Com a pandemia, é como se a vida social tivesse suspendido essa oscilação. O confinamento tende de facto a restringir as sociabilidades e os relacionamentos ao polo da atomização e da dispersão. A “falta que a festa faz” é a falta desse outro polo – desconfinado – que organiza as sociabilidades e os relacionamentos.

Referências

Goulart, Tony (ed.), 2002, The Holy Ghost Festas. A Historic Perspective of the Portuguese in California, San Jose CA, Portuguese Chamber of Commerce.

Leach, Edmund, 1977 (1961), “Two Essays Concerning the Symbolic Représentation of Time”, Rethinking Anthropology, Londres, The Athlone Press, 124-136.

Leal, João, 1994, As Festas do Espírito Santo nos Açores, Um Estudo de Antropologia Social, Lisboa, Publicações Dom Quixote.

Leal, João, 2017, O Culto do Divino. Migrações e Transformações, Lisboa, Edições 70.

Mauss, Marcel, 1983 (1904/05), “Essai sur les Variations Saisonnières des Sociétés Eskimos. Étude de Morphologie Sociale”, Sociologie et Anthropologie, Paris, P.U.F., 389-477.

Smith, Laurajane, 2006, Uses of Heritage. Oxon & New York, Routledge.

[1] Este artigo foi inicialmente apresentado como comunicação ao seminário online “Notícias de um ano de pandemia” organizado pelo Observatório Antropológico: Festas na Pandemia (Brasil) coordenado por Hugo Menezes (UFPE), Joana Corrêa (IFNMG), Maria Laura Cavalcanti (UFRJ), Renata de Sá Gonçalves (UFF) e Ricardo José Barbieri (UERJ). Agradeço a Maria Laura Cavalcanti o convite para “comunicar” e a todos os participantes no seminário os comentários e sugestões.

Lisboa, 23 de março de 2021.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.