Margaret Mead e James Baldwin

por Rita Cachado, PhD em Antropologia, investigadora do CIES-ISCTE


Li Racismo ao Vivo dias antes do início da declaração da OMS sobre a pandemia COVID, um tempo alargado onde o racismo viria a estar na ordem do dia em todo o mundo a partir de finais de maio. Mais do que spoiler, partilho sensações.

O livro é a transcrição de conversas entre Margaret Mead e James Baldwin, em 1973[1]. Margaret Mead viria também a ser lembrada na pandemia, no discurso de Tolentino Mendonça no dia de Portugal, por uma sua tirada sobre o que definia o humano – que tinham achado um fémur sarado, revelando que o cuidado distinguia o humano dos restantes animais. A prestação de Mead nas conversas do livro referido é, contudo, algo constrangedora para antropólogos que lêem este livro hoje.

 

 

 

 

 

 

 

Capa do livro. Imagem da Livraria da Lapa, encontrado a (30.06.2020)

Vemos no livro um conjunto de conversas a decorrer e ambos aprendem um com o outro. Mas quem se posiciona como tendo algo a ensinar é Mead, que relata um conjunto de situações etnográficas para explicar a questão do encontro entre populações.

A forma de Mead argumentar soa muitas vezes como uma tentativa de mostrar superioridade, e Baldwin, por sua vez, revela uma atitude de gentileza:

“BALDWIN: “…não sei.

MEAD: mas estou-lhe a dizer que era.”

(Mead e Baldwin 1973: 141)

É este o tom: ela defende que sabe, ele mostra humildade. A inscrição destas conversas faz o que as entrevistas pouco editadas fazem, retêm um tom mais à vontade por parte de duas pessoas que estão habituadas a registar por escrito. Por isso é que temos sensações como a de que o branco não se posiciona como tal, evita essa descrição e o debate que daí importaria ter.

Correndo o risco de ser injusta com a antropóloga face ao escritor, importa dizer que Mead mudou a sua postura com o que aprendeu, uma qualidade esperada na antropologia. Diz ela sobre o sofisma da integração:

“tive de passar de partidária exclusivamente da integração para o significado do poder negro.” (Mead 1973: 19)

E logo Baldwin, a seguir,

“(…) a enorme quantidade de energia, por exemplo, a que nós chamamos (…) o «movimento do poder negro», é uma reacção absoluta, uma reacção de fúria autêntica, porque está agora a crescer uma geração – já está crescida – que não é igual à minha. Esta geração sabe. Já viu com os seus próprios olhos e ouviu com os seus ouvidos: a natureza das mentiras que os brancos disseram aos negros durante gerações inteiras.” (Baldwin 1973: 20).

Este livro obriga uma pessoa branca a reconhecer-se em Mead, num certo evitamento da questão central apesar da abertura, e ambos, negros e brancos, a reconhcerem-se no poder que o conhecimento ocidental branco tem ainda nas nossas consciências. Deixo uma última citação, de Baldwin, com ecos diretos nos dias atuais:

“(…) Os chuis não me vão perguntar o nome antes de puxarem o gatilho. Faço parte desta sociedade e estou exactamente na mesma situação que qualquer outra pessoa – qualquer outra pessoa negra – dentro dela. Se eu não sei isso, então é porque ando a enganar-me (…) sou responsável não pelo que aconteceu, mas pelo que pode acontecer.” (Baldwin 1973: 82).

Encontrei este livro na biblioteca do ISCTE, com a cota EA.AGR7 MEA*Rac . Cheguei a Baldwin através de Mamadou Ba .

Montijo, 19 de junho 2020.


Referência
[1] Mead, Margaret & James Baldwin. 1973. O Racismo ao Vivo. Lisboa, Dom Quixote


Um comentário em “Margaret Mead e James Baldwin”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.