Pandemia, coronavírus e Dogville[1]

por Jamile Borges da Silva, Professora Adjunta da UFBA/ Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Estudos Étnicos e Africanos da UFBA


EUA, março de 2020. O mundo assiste o Dr. Anthony Fauci, consultor de saúde do presidente dos EUA, Donald Trump, rindo e cobrindo o rosto em resposta às observações de Trump em uma conferência de imprensa sobre a pandemia do COVID-19. A fala do presidente americano é um mix de desinformação, bravata e preconceito que constrange o médico responsável por articular estratégias, medidas e orientações para formulação de politicas públicas para o país.

Img. Dogville (2003) Lars von Trier

Filipinas, abril de 2020. Presidente das Filipinas Rodrigo Duterte, mundialmente conhecido por suas declarações polêmicas e posições radicais-conservadoras, diz em pronunciamento público que mandou atirar para matar quem descumprir regras de isolamento. A declaração aconteceu após confrontos e prisões de moradores de área pobre de Manila, que pediam ao governo ajuda alimentar.

Brasil, maio de 2020. O presidente brasileiro, J.M.Bolsonaro, contraria as orientações da OMS, demite o Ministro da Saúde durante o período de enfrentamento da pandemia, atiça o ódio e a opinião publica contra as medidas de isolamento (lockdown) enquanto promove saídas às ruas sem proteção, sem máscaras, incitando aglomerações e anunciando festejos e passeios na capital do país que aos poucos vai se convertendo no epicentro da epidemia mundial. (vide dados atualizados diariamente em diferentes plataformas de monitoramento e também no portal da OMS).

Desde o anúncio formal dos primeiros casos de COVID-19 no mundo, temos sido assaltados por imagens e notícias que oscilam entre o sensacionalismo, a real preocupação e a disseminação de fake news, tornando o combate ao vírus um exercício hercúleo para todas as pessoas envolvidas nas múltiplas dimensões da pandemia.

Um cenário que envolve questões complexas e multifacetadas. A pandemia é resultado de uma intersecção, um cruzamento entre biologia, tecnologia, cultura, economia, globalização e sociedade. Entretanto, num primeiro momento a dimensão bio/epidemiológica articulada a construtos culturais falou mais alto. Por que ? O fato do coronavírus ter tido seus primeiros casos na cidade de Wuhan, na China, trouxe a baila aquele nosso velho conhecido: racismo, xenofobia e discursos de ordem fascista anti-imigração, promovendo fechamento de fronteiras e xingamentos contra populações asiáticas, na esteira do discurso de que todos ‘eles’ são iguais. Mais uma vez, a velha dicotomia ‘Nós’ e os ‘Outros’ ou parafraseando Stuart Hall  o ‘West’ and ‘Rest’ , isto é, o Ocidente e o resto do mundo.

Kingsley (2020) em recente artigo para Internet nos adverte sobre os paralelos entre a origem do vírus da AIDS e COVID-19. Temos dois vírus altamente infecciosos com um longo e assintomático período de incubação e que rapidamente se disseminou entre populações tradicionalmente vulneráveis, isto é, com menos capacidade de reagir apropriadamente e embasado em pesquisas seguras. Mais ainda, a origem da epidemia, tanto no caso do coronavírus (ao ponto de ser chamado de vírus chinês por algumas lideranças mundiais) quanto da AIDS, reforçou atitudes conservadoras e discriminatórias em relação às pessoas ​​afetadas, resultando em torrentes de ódio e disseminação de mentiras – fake news – reforçando estigmas, estereótipos e preconceitos.

Crises desse tipo – epidemiológicas e virais –  como no caso do surto do ebola no continente africano no início de 2013, tendem a explicitar mecanismos de segregação e desigualdades apelando para a recriação das figuras míticas do mal encarnado ora no imigrante, ora nas populações LGBTQI+ , ora nos povos africanos.

A pandemia é um processo desigual e tem sua própria “geometria do poder” a despeito da compreensão comum de que o cenário epidemiológico funciona para todos da mesma forma. É aqui que a metáfora da obra prima do cinema de Lars Von Trier nos é bastante útil.

Em Dogville[2] o cenário, praticamente inexistente em que se desenrola a trama, resume-se a marcações no chão, como num palco de teatro, emulando o limite das ruas e das casas, sendo possível ver somente elementos para construção da trama: camas, sofás, um sino. Uma boa analogia para nossas cidades convertidas basicamente a três estruturas essenciais: hospitais e camas de campanha, sistemas de alerta da proliferação do contágio e cemitérios.  Enxergar a cidade exige do espectador um exercício de imaginação para além dos riscos no chão, fato que começamos a nos acostumar hoje em dia ao ver o lugar dos diferentes estratos sociais na nova arquitetura das cidades, pelas marcas desenhadas no chão que servem para traçar os limites do contato e garantir a distancia segura do isolamento social.

Sim, talvez seja preciso constatar que O FIM ESTÁ PRÓXIMO! Mas esse não é um alerta como o fazem os neopentecostais em meio aos sons, gritos e carros nas cidades. Nos transformamos nas piores versões de nós mesmos, como nos filmes de Fritz Lang, capazes de desestabilizar as condições ambientais que possibilitaram o surgimento da vida no planeta há milhares de anos

Cientistas em diferentes partes do mundo advertem que já ultrapassamos  os limites do bom senso e tudo o que se avizinha é caos, filmes de zumbi e promessas de dermocosméticos pra enfrentar o crepúsculo do planeta em condições de quase imortalidade e muita toxina botulínica.

Quanto mais evidente se tornam as “verdades inconvenientes” parafraseando o alarmista Al Gore sobre o futuro do planeta e o aquecimento global, proliferam-se versões sobre o fim do mundo e os tecnopessimistas viram a bola da vez. Esse é um mundo em vertigem. Um mundo invadido por mediações tecnológicas, que entrelaçam nossas vidas diárias de maneira abstrata, virtual e complexa. Entendo que a construção de um novo marco civilizatório passa, necessariamente, pela criação de outro modelo bio-tecno-politico-econômico e do reconhecimento do direito à vida com dignidade para todas as pessoas indistintamente.

Ou então, corremos o risco de fechar as cortinas da vida como em Dogville: o resultado que se antevê é a morte de todos e a destruição da vila, restando apenas o cão, o único sobrevivente e a memória daquele inferno a que um dia chamamos casa.

Salvador da Bahia, 11 de junho 2020.


Referência:
KINGSLEY, Liam James. Paying the ultimate price: COVID-19 is teaching us lessons we should have learned from the HIV epidemic. https://africasacountry.com/2020/05/paying-the-ultimate-price

Notas:
[1] Jamile Borges da Silva. Profa. Adjunta da UFBA/ Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Estudos Étnicos e Africanos da UFBA.
[2] DOGVILLE. Produção Dinamarca/ Suécia/ Finlândia/ Alemanha, 2003 Direção: Lars von Trier (Filme)


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.