Antropologia de máscara

por Bruno Urbano, Licenciado em Antropologia (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Antropologia Aplicada (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (Universidade Católica de Lisboa)


A máscara é uma apresentação. Seja esta apenas do rosto ou de todo o corpo, a máscara é  um ato de expressão antes da elocução. As máscaras ocultam mas na mesma ação em que omitem simultaneamente revelam, porque simbolizam. Ao dissociar o indivíduo de uma personalidade e impondo uma identidade, mais do que a cara, a máscara é um agente social.

Photo by Agto Nugroho on Unsplash

Um dos seus atributos é a capacidade de transformação. A modificação produzida pode camuflar o mascarado, disfarçar as suas imperfeições, conceder-lhe qualidades que não possui.

As possibilidades plásticas, de metamorfose da individualidade, apenas são comparáveis às evidenciadas pela articulação da linguagem discursiva. Por isso mesmo não devemos  permitir que sejam reduzidas exclusivamente a facetas estéticas, sendo a sua análise resumida a apreciações estritamente materiais ou físicas.

Estas potencialidades múltiplas revestem-na de propriedades que podem ter tanto de exóticas ou misteriosas como de comuns ou universais. Sobretudo pelas suas virtudes icónicas em sistemas de significação, a máscara é um elemento permanente em todas as sociedades humanas.

Num período de reconfiguração de estruturas simbólicas, a máscara, que na sua dimensão material era uma componente esporádica e periférica, assumiu na sociedade contemporânea uma centralidade quotidiana, emergindo eminentemente como uma tecnologia de proteção, literal e metafórica, de quem a enverga ou daqueles com quem este interage.

Esta facilidade de inversão simétrica é exemplo de um modo de pensamento mítico, feito de correlações interdependentes, de opostos binários sujeitos a intercedências de mutualização em que os espaços de mediação são um elemento de comunhão que é concomitantemente uma barreira de separação e um acessório de exclusão.

A pluralidade nunca é promotora de uma compreensão única. As máscaras podem ser explicadas pelo que fazem, as capacidades que culturalmente lhes reconhecemos e as que lhes rejeitamos, aquelas que, suscitando-nos leituras ambíguas por não termos uma descodificação estipulada, vemos apenas como dispositivos de encobrimento e sobre as quais projetamos o nosso entendimento e interpretações.

A própria prática da antropologia não é contrária ao conceito da máscara como método de pesquisa. O posicionamento extrínseco do ato antropológico encara frequentemente a dissimulação, a encenação e, consequentemente, o conceito de máscara como uma estratégia de produção de conhecimento, ferramenta eventualmente necessária à integração em contextos dinâmicos de investigação. Uma ação participante implica sempre um momento primeiro de assunção de uma nova corporalidade cultural.

A duplicidade dos significados e a multiplicidade de representações atribuíveis à ideia de máscara, nos discursos da antropologia, contribuem para a exposição da metanarrativa de uma disciplina reflexiva onde, intrinsecamente, sujeito e objeto são impossíveis dissociar. Como uma máscara que é assumida enquanto corpo mas que, inevitavelmente, o requer para que ela mesma possa ser animada.

Monte Real, 6 de junho 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.