#enfrentaroCOVID – 5. Esperança

por José Carlos Pinto da Costa, PhD em Antropologia, investigador no CRIA-NOVA FCSH


Terminei o ensaio anterior dizendo que a pandemia da COVID-19 desafia a humanidade a explorar o que não se sabe, uma vez que a experiência passada não produziu conhecimento suficiente para se desenvolver protocolos totais, completos, para lidar com a novidade radical da propagação do SARS-CoV-2.

foto do autor

Em resposta a esta insuficiência epistemológica, os políticos tomaram decisões crendo na justeza das suas justificações para agir e as pessoas em geral exploraram formas de expressão alternativas às convencionais para interpretarem e representarem a novidade. Para lidarem com o desconhecido, num primeiro momento, os decisores optaram pela governação por tentativa, deixando para depois a governação por definição de metas.[1] A projeção do futuro foi mobilizada pelo desejo, e não pela experiência.

Ernst Bloch analisou melhor do que ninguém a dialética entre a experiência e o desejo, a qual, para este filósofo, é alimentada pelo princípio da esperança.[2] Pelos depoimentos apresentados no ensaio anterior, foi sugerido que o medo evoluiu de uma emoção para uma experiência coletiva. Enquanto experiência, as manifestações, expressões e representações do medo foram produzidas por analepse – foram procuradas na memória, foi-lhes conferida uma forma funcional. Mas, dado que tanto os actantes como os atores envolvidos na narrativa da pandemia da COVID-19 são em grande parte desconhecidos, a memória não forneceu base suficiente para os espetadores articularem um enredo que permitisse fixar e manipular a sua ação, como fazem quando conhecem uma história do princípio ao fim.

O desconhecido invocou a imaginação. Para Sartre, a imaginação é um plano de existência que, juntamente com o plano físico constitui a realidade, ou seja, a imaginação é tão concreta para a existência como o físico.[3] Mas, em alternativa a este, a imaginação é da ordem da exuberância expressiva, não da ordem da forma funcional.[4] Enquanto qualidade humana universal, ela explora as concretizações da história, excedendo-a; rege-se pelo desejo e pela esperança, desafiando o sofrimento experienciado; aponta à utopia, ao ainda-não-consciente, ao espanto mais profundo.[5] A imaginação aponta, por isso, ao impolítico, que Roberto Esposito situa no lugar onde são geradas perspetivas genuinamente radicais às quais as categorias políticas não conseguem dar voz.[6] Nas palavras de Bloch, “o mundo no focus imaginarius, na mais escondida, inteligível parte da nossa subjetividade, aparece como esperança para o futuro”.[7]

No contexto da crise da COVID-19, a esperança para o futuro que esse foco no imaginário exprime significa não soçobrar – significa vencer o medo. O desejo do momento cosmopolita ao qual aludi no final do ensaio anterior é um exemplo deste ato desafiador que a imaginação apresenta à experiência. Nele ensaia-se o confronto da narratividade política comum pelas perspetivas radicais necessariamente plurais, as quais poderão nascer na ‘communitas’, da mesma forma que se ensaia o confronto do desespero e do medo pelo princípio da esperança.

Neste ensaio apresento algumas expressões de força da esperança manifestadas pelos participantes na twitenografia. Bastar-me-ei a respeitar a sua magnífica suficiência, emprestando-lhes apenas as minhas mãos para as fazer circular, evitando o vício da análise. Isto, porque, a esperança não pode ser balizada nem domesticada – ela ilumina como o sol no céu límpido.

***

União

Criticando o discurso pejado de metáforas de guerra usado e abusado pela narrativa da governação da pandemia, Emily Yates-Doerr dizia que a atenção dos governantes da crise da COVID-19 deveria focar-se no cuidado. Tendo na ideia a recusa pela criação de um imaginário de violência, Emily estava a tocar num ponto central que concorda com a ideia de Beck segundo a qual a emergência de crises globais deve ser vista como uma oportunidade para a construção de um momento cosmopolita.[8] Esse ponto central é a recusa da narratividade da divisão e da separação, predominante na história das relações entre os países, e a aceitação da espontaneidade da união. Tal mudança foi várias vezes imaginada mas nunca foi concretizada.

Por várias vezes testemunhei a exuberância expressiva desta utopia durante a twitenografia. Um dos exemplos mais significativo foi o da comunhão de vontades traduzida na pintura ‘#GroupArt em tempos de COVID’, sobre a qual falei anteriormente. Outros exemplos caíram no Twitter via Facebook, como o do cântico pela esperança, desempenhado pelo Coro dos Antigos Orfeonistas da Universidade de Coimbra. Há inúmeros exemplos do sentimento de união, como é o caso das cantigas à varanda.

O sentimento de que todos estavam convocados a unir-se no combate à COVID alimentava a esperança de derrotar a doença. “Todos temos que fazer a nossa parte para combatermos o vírus”, alguém dizia. “A pandemia da COVID-19 é uma crise global que precisa de uma resposta internacional”, lia-se.

Mas, a união não se mostrava apenas por intenção ou por partilha de práticas de construção e de partilha de representações. Vários participantes na twitenografia realçaram a aproximação à família como uma das vias para viver o sentimento de união.

Família

“Os meus pais têm 77 e 69 anos. Nos últimos três dias tenho falado em média uma hora ao telemóvel com eles. Nunca estive tanto tempo ao telemóvel conversando com eles. Engraçado como o medo de os perder se torna tão real que assusta e nos faz ultrapassar tudo. A vida passa demasiado depressa”, desabafa Nuno.

Houve casos em que o sentido de união provocou a separação momentânea dos filhos. Todos temos memória de situações destas no caso especial dos profissionais de saúde. Alguns não iam a casa, outros iam, mas os seus filhos tinham-se mudado para a casa dos avós. Lúcia vive uma destas situações. Os seus dois filhos foram para casa dos avós, para “os proteger aos quatro”. “Se não o fizesse, os meus sogros (doentes de risco) não teriam a responsabilidade ou mesmo a noção do perigo. O meu filho mais velho é asmático”, conclui Lúcia. Nestes casos, a separação serve para garantir a união da família mais tarde.

Josefa substitui a presença física no aniversário da mãe pela videochamada. “Vou fazer um bolo para cantar os parabéns”, acrescenta.

Amor

O amor é o sentimento comum a todos os casos relatados até aqui. Podemos considerar o apelo ao cuidado e a expressão do sentimento de pertença e de comunhão manifestados como sendo expressões de amor.

De vez em quando havia notícia da revelação de um amor maior, como no caso de Suzanne Hoylaerts, a idosa belga que morreu no dia 21 de março vítima de COVID-19 na sequência da sua recusa em ser ajudada por ventilador para deixar o equipamento livre para alguém jovem. Ou a história da idosa que telefonou para o vizinho para ele recolher um pacote que lhe tinha deixado à porta cheio de máscaras que ela, sofrendo de artrose nas mãos, tinha confecionado. Outros ainda, como Michael Stipe, o vocalista da extinta banda R.E.M., presenteavam as pessoas com belos hinos ao amor, que partilhavam a mensagem de que não havia tempo melhor para amar do que o agora. Há inúmeros exemplo como este.

No plano do amor mais íntimo, o envio de abraços virtuais e de saudações era constante. O flirting e o dating online, e até o envio de drones com mensagens, apareciam como alternativas aos encontros amorosos. As pessoas sem companheiro queixavam-se de não poderem sentir o calor do corpo de outrem e debatiam entre si com bom humor sobre como é que poderiam aguentar sem sexo.

Humor

Haverá no mundo meio mais poderoso para opor-se às adversidades da vida e do destino! O inimigo mais poderoso fica horrorizado diante desta máscara satírica e a própria desgraça recua diante de mim, se me atrevo a ridicularizá-la!

Bonawentura, in Rondas Noturnas, citado por Bakhtin[9]

O riso tem um efeito purgativo, dizia Bergson.[10] O humor satiriza e ridiculariza a própria desgraça, diz o guarda-noturno, na citação de Mikhail Bakhtin. O humor é um produto da exuberância expressiva que critica a mecanicidade da vida. É, por isso, natural que ele apareça como uma das vias maiores de expressividade durante o confinamento. Do cartoon às rábulas de satirização dos pequenos momentos da vida diária, as manifestações humorísticas durante o confinamento foram inúmeras. Em alguns casos, como no do cartoon, foram criados bancos de imagens divulgados em museus virtuais.

Um cão com uma máscara feita com uma fatia de pão-de-forma mostra como as rotinas no confinamento se tornaram inventivas e chama a nossa atenção para a presença dos animais de companhia. Os cães estão no centro de algumas das cenas mais representativas do confinamento. A ‘exploração’ da necessidade de os levar à rua transformou-se numa dívida de gratidão, por serem os cães a, de um momento para o outro, possuírem o poder de legalmente poderem desconfinar os seus amigos humanos. Há imensa matéria para estudar e refletir nesta mutação de papéis. Um casal aparecia a passear na rua e o elemento masculino rapidamente se inclinava para a frente e começava a caminhar na horizontal ao ouvir a sirene de um carro de polícia. Montagens de cães a beber num bar e a desabafar por terem de ir tantas vezes à rua ‘levarem ‘os seus donos. Enfim, a exploração humorística desta por vezes negligenciada relação entre os cães e os seus amigos foi enorme durante o confinamento.

Também as relações conjugais eram satirizadas. Ora aquele dava uma pistola à esposa em resposta ao seu pedido para lhe chegar o secador do cabelo com este a tapar a visão da mulher, ora aquela oferecia os ‘serviços sexuais’ do aspirador ao marido por ter que manter a distância de segurança.

A lavagem repetida das mãos era uma prática nova que também aparecia ridicularizada. Imagens alteradas com a pele das mãos esfolada ou o caso do candidato a emprego que tinha um hiato no seu currículo em 2020 porque tinha estado ocupado a lavar as mãos…

A mesma coisa se observava como crítica à corrida ao papel higiénico. Este aparecia representado como a arma secreta que viria derrotar o vírus. Passou a aparecer em vitrines de museus, empilhado em cofres de bancos, guardado em bunkers, etc. Havia quem, sendo pobre, tinha que usar meios alternativos, como folhas de couve. Dealers passavam rolos de papel higiénico a clientes que paravam de carro, e apresentavam outros ‘produtos’ igualmente valiosos e procurados, como gel desinfetante.

Animais celebravam em autênticas raves porque os humanos estavam confinados. No Padrão dos Descobrimentos, o Infante D. Henrique barafustava porque os restantes navegadores não respeitavam as distâncias de segurança entre eles.

Na quadra pascal, a Última Ceia teve que ser realizada por videoconferência, e, no dia de Páscoa, por os rituais e as tradições comuns terem sido proibidas, Jesus Cristo dançava alegremente, livre do martírio.

As previsões do tempo não tinham interesse. As previsões do horóscopo eram iguais para todos os signos do zodíaco: “vai passar tempo em sua casa”, diziam.

Como arma contra o medo, todos estes modos de exuberância expressiva tinham algo em comum. Eles alimentavam a esperança. A mensagem era clara: com união, com a família, com amor e com humor não há medo ao vírus que nos vença!

Lisboa, 6 de junho 2020.


[1] A governação por tentativa é a forma de governar típica dos modelos de governação-sustentada-na-tecnociência. Consiste na tomada de decisões num ambiente de rápida mudança, imposta pela ânsia pela inovação, no qual são geridas as relações entre os diversos agentes e públicos da inovação. Órfãos do conhecimento científico para sustentar as políticas de gestão dos impactos da COVID-19, os governos viram-se obrigados a agir, sem, contudo, se libertarem deste modo de governação, o qual tem sido adotado no desenho da chamada economia política da promessa. Para uma familiarização com o conceito, vide Kuhlmann, S.; Stegmaier, P. & Konrad, C. “The tentative governance of emerging science and technology: A conceptual introduction”, Research Policy, 48(5), pp. 1091-1097, 2019. Para a articulação da governação por tentativa com a economia política da promessa no imaginário biomédico, vide Costa, J. “’O que Estamos a Fazer?’ Ensaio Sobre a Economia Política da Promessa do Novo Imaginário Biomédico”, Trabalhos de Antropologia e Etnologia, 60, pp. 13-57, 2020.
[2] Vide Bloch, E. The Principle of Hope. Cambridge, MA: The MIT Press (3 vols.), 1995.
[3] Vide Sarte, J.-P. A imaginação. Oeiras: Difel, 1988.
[4] Para explorar a diferença e a interpenetração entre forma funcional e exuberância expressiva, vide Bloch, E. The Spirit of Utopia. Stanford: Stanford University Press, 2000, pp. 13 e segs.
[5] Cf. Bloch, E. The Spirit of Utopia, p. 191-203.
[6] Esposito, R. Categories of the Impolitical. Nova Iorque: Fordham University Press, 2015.
[7] The Spirit of Utopia, p. 176.
[8] Vide Beck, U. Risk Society’s ‘Cosmopolitan Moment’. Leitura apresentada na Universidade de Harvard em 12 de novembro de 2008.
[9] Vide Bakhtin, M. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: O contexto de François Rabelais. São Paulo: HUCITEC, 1987, pp. 33-34.
[10] Vide Bergson, H. Le Rire. Paris: Presses Universitaires de France, 1978[1940].


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.