#enfrentaroCOVID – 4. Medos

por José Carlos Pinto da Costa, PhD em Antropologia, investigador no CRIA-NOVA FCSH


Figura 1. Cena retirada do filme “O Cavalo de Turim”, de Béla Tarr e Ágnes Hranitzky

A maior parte dos depoimentos dos participantes na twitenografia sobre como enfrentar a COVID-19 aludem direta ou indiretamente ao medo. No total, foram registadas mais de sete dezenas de eventos em que essas alusões apareciam. O objetivo deste ensaio é apresentar os riscos associados à pandemia da COVID-19 percebidos pelos participantes na twitenografia. Num ponto prévio, como mote, falo sobre a geografia do medo. Em seguida, apresento as perceções dos informantes sobre os riscos associados à pandemia, arrumando-as em quatro categorias: a perceção do medo pela saúde, a perceção do medo da morte, a perceção do medo do abandono e a perceção do medo pelo futuro. Acabo o ensaio com uma breve reflexão sobre as marcas da pandemia e sobre a eventualidade de a perceção de um risco global para a humanidade poder contribuir para a assunção de um ‘momento cosmopolita’.[1]

A geografia do medo

Na conferência de imprensa da Organização Mundial de Saúde (OMS) de 11 de fevereiro sobre o surto do coronavírus, Tedros Ghebreyesus anunciava que o vírus em causa e a doença por ele provocada passariam a ser conhecidos por SARS-CoV-2 e COVID-19, respetivamente. Nomear o vírus e a doença constituiu o passo prévio ao processo de governação global da epidemia. Uma das primeiras linhas a desenvolver nesta governação consistia em desligar-se o vírus da geografia, procurando-se impedir a proliferação de expressões como “vírus da China” e “vírus chinês”. Tão importante como classificar o vírus para o situar nos domínios da vida, pretendia-se com isso combater o medo ao estrangeiro. Sinais de xenofobia e racismo em relação aos chineses desde o estalar do surto eram incontáveis. Alguns meios de comunicação social e governantes funcionaram como agentes de propagação deste medo.

Subjacente aos sinais de xenofobia e de racismo, encontrava-se um medo mais amplo e vago – o medo ao vírus. Por este ser desconhecido e por ter elevada letalidade, os chineses foram responsabilizados por terem permitido que ele se tornasse uma ameaça global e colocasse a humanidade em perigo. O chinês foi satirizado e acusado de abusar do consumo de espécies de animais selvagens. Entre estas, a espécie dos pangolins, que provavelmente serviu de veículo de transmissão do vírus para os humanos, está ameaçada do perigo de extinção e é das mais traficadas ilegalmente. Na geopolítica da COVID-19, os governantes chineses foram acusados de esconder a informação sobre os novos surtos de coronavírus, que aconteceram em dezembro de 2019 e janeiro de 2020, e responderam dizendo que não há evidências de que a epidemia se tenha propagado globalmente por ligação entre o aumento de novos casos e os pangolins vendidos no mercado de Wuhan.

A ligação do vírus ao local de origem do surto revestiu a epidemia que se seguiu com uma narrativa incriminatória alimentada pelo medo. O crime: a infeção, potencialmente letal, das pessoas (e os previsíveis impactos socioeconómicos da propagação do vírus pelo mundo); a arma: o comércio de animais selvagens em wet markets; a munição: o vírus; o culpado: o povo(?) chinês; a poluição/o perigo: a exploração promíscua do vivo; as vítimas: os infetados (em hipótese, toda a humanidade).

As dificuldades em se descrever a estrutura do vírus e em se prever a duração da crise da COVID-19 desafiaram e continuam a desafiar a capacidade da ciência, fazendo aumentar a ansiedade. Associadas às consequências mais ou menos imprevisíveis dos fluxos culturais globais,[2] essas dificuldades indicavam que o vírus poderia causar um número elevado de mortes, durante muito tempo, e poderia chegar rapidamente a qualquer lugar. O coronavírus tornou-se uma ameaça real à vida de todos.

Todas estas novidades vieram perturbar tanto as seguranças individuais como as institucionais. As mortes provocadas pelo vírus e os casos de infeção aumentavam assustadoramente por todo o mundo. Enquanto esperavam por aconselhamento da ciência, os governos tiveram que agir, suspendendo-se a forma contemporânea de governação-sustentada-na-tecnociência.[3] Por sua vez, as populações esperavam com ansiedade por recomendações e aconselhamento. Também esperando, mas por dados e por informações unívocas, a OMS sugeria medidas dúbias, como no caso da necessidade do uso de máscaras. No conjunto, um enorme volume de agentes, ideias e práticas conglomerou-se na expetativa de perceber a ameaça para a poder enfrentar. Emergia um sistema de risco amplo e abrangente,[4] apoiado no imperativo de se estabelecerem ligações entre leigos, clínicos, investigadores, governantes, investidores, etc., e mobilizado pelo desejo comum de contenção, mitigação e aniquilação do vírus. A mobilização de toda esta estrutura alimentou a perceção geral de que, qualquer que fosse a sua geografia, todos estavam, de facto, expostos ao vírus, e que todos tinham a responsabilidade de proteger as suas vidas e as dos outros. Um cenário distópico foi paradoxalmente tornado presente de um momento para o outro.

Na falta de um vislumbre sobre se, e em que altura, a curva epidemiológica poderia começar a achatar, elegeu-se o princípio da precaução como medida universal para lidar com a pandemia. Foi neste contexto que os governos decretaram o estado de emergência, que trouxe o confinamento. A sentimento geral era o de incerteza, como nos era lembrado todos os dias pelos meios de comunicação social, os quais acabavam por funcionar como mecanismos de produção de medo, como desabafaram alguns dos participantes da twitenografia.

O espaço social foi saturado pelo medo, e, este, recorrendo aqui a uma ideia de Brian Massumi, evoluiu de emoção para experiência coletiva.[5] A dimensão da pandemia do medo excedia em muito a dimensão do impacto epidemiológico do SARS-CoV-2. Nestas situações, as pessoas experimentam reações emocionais e comportamentais que podem ser ampliadas em especial porque os efeitos dos mecanismos produtores de medo são vividos e geridos numa situação inédita de confinamento. Os psicólogos informavam que os efeitos poderiam passar do aborrecimento à solidão, à ansiedade, à insónia, ou à raiva, e poderiam evoluir inclusivamente para quadros de paranoia ou até de psicose. O risco era elevado e vários medos emergiram num quadro de incerteza e insegurança.

O medo pela saúde

Partindo das referências feitas pelos participantes da twitenografia, compreendi que as motivações para o medo relacionado com a saúde oscilam entre as preocupações pela própria saúde e as preocupações pela saúde dos outros.

As preocupações com a própria saúde começam com o surgimento de dúvidas sobre o risco de se ser infetado pelo vírus e sobre o que aconteceria nesta eventualidade. Para o João, por exemplo, é preocupante saber “como será a sensação de quem recebe a notícia de que o teste deu positivo e está infetado com a COVID-19”. Ele pergunta-se: “Será atenuante, psicologicamente, saber que não se está no grupo de risco? A quarentena em casa é vigiada de verdade? Qual a sensação de estar completamente sozinho?”. Estas questões emergiram no âmbito das pesquisas que o João fez na Internet sobre o que é “estar doente com COVID-19”.

O perigo de contaminação pelo vírus é um medo comum a todos os informantes. Ao questionar se será atenuante do medo saber-se fora dos grupos de risco, o João recorda que qualquer pessoa pode ser contaminada, como tinha sido informado pela OMS e pela Direção-Geral de Saúde, o que o situa no grupo das pessoas em risco de contaminação, razão da sua inquietação. Este aspeto é frisado nas informações fornecidas por estes dois organismos: “o vírus não tem nacionalidade, idade ou género, por isso todos corremos o risco de contrair a COVID-19. Ainda assim, as pessoas que correm maior risco de doença grave por COVID-19 são os idosos e as pessoas com doenças crónicas (ex.: doenças cardíacas e doenças pulmonares).”

Fazendo parte de um grupo de risco, Helena vive com especial preocupação. Com 38 anos, sofreu um AVC, sem sequelas. Este episódio fez com que ela assumisse a sua “herança genética: pré-cardíaca e hipertensa crónica, medicada para a vida.” A consciência de pertencer a um grupo de risco leva-a a enfrentar “isto com racionalidade, sem alarmismos, embora com um forte sentido de necessidade de proteção e responsabilidade social”, tomando “as devidas precauções que todas as pessoas devem tomar”.

Não são comuns os testemunhos de quem tenha sobrevivido ao vírus. Durante a twitenografia encontrei familiares de apenas dois indivíduos nestas condições. Tendo-os questionado se os sobreviventes estariam dispostos a aceitar participar numa entrevista focada nessa experiência, os familiares de ambos comunicaram que eles não queriam falar sobre o assunto. Na falta de relatos na primeira pessoa no contexto da twitenografia, recorri a depoimentos publicados na Internet para exemplificar aqui alguns dos sentimentos e algumas das emoções que os contaminados experimentam.

Vivendo no Reino Unido, Niharika recorda que, depois de ter feito uma viagem a Espanha, começou a sentir dores de cabeça, febre e dores no corpo, evoluindo depois para tosse, cansaço, dificuldade em respirar e falta de olfato e de paladar. Não tardou a ter que lutar para respirar, sentindo como se a sua garganta estivesse a fechar-se – “um sentimento aterrorizante”, conta.

Num registo sintético encontrado no Twitter, Tom, um profissional de saúde que foi infetado pelo vírus, também caracterizou o essencial do horror que experimentou. Falando no geral, avançou: “qualquer paciente se sente como se fosse morrer. Usa até às mais ínfimas energias para respirar e para mover oxigénio pelo corpo, e não consegue fazê-lo”. Tom sentiu a “iminência da condenação”, acrescentando: “todos os outros órgãos começam a falhar porque os pulmões não conseguem fornecer-lhes oxigénio eficazmente”.

O sentimento de condenação iminente foi sentido por todas as pessoas que foram contaminadas. Karen recorda que a experiência é ainda mais dramática por os pacientes terem que a passar sozinhos, indiretamente respondendo à terceira questão levantada pelo João. Alguns pacientes recuperados referem ter estado numa ‘zona negra’, em que lutavam com todas as suas forças para contrariar os sintomas da doença. Todas as pessoas têm consciência de que esta luta é difícil, e de que só podem sair vitoriosas com a ajuda da medicina.

A eventualidade da contaminação apresenta-se como uma perspetiva aterradora. Não apenas a contaminação dos indivíduos, mas também a dos seus entes queridos. Este é o sentimento de Sara. “A minha preocupação” – diz – “não é se eu fico infetada… Aparentemente, tenho tudo para ficar bem. A minha preocupação é com os meus, ou eu infetar alguém essencialmente se estiver naqueles grupos de risco”. Sara ainda não tinha “recuperado totalmente das últimas perdas” que tinha experimentado na família no ano anterior. Recordando essas perdas, confessava que perder alguém querido devido à COVID-19 seria “demasiado mau”.

Teresa também tem preocupações especiais com a saúde dos seus próximos, especialmente do marido. Ela trabalha num local de movimento intenso situado na interface de transações de importações e exportações em que, à data, os diversos funcionários ainda esperavam por instruções de segurança. Entretanto, o constante vaivém dos despachantes das mercadorias, que circulavam entre os vários setores do serviço, aumentava as suas preocupações. O seu marido sofre de doença crónica e estava em casa. Tive a oportunidade de perceber a evolução deste drama durante a realização de uma entrevista que se prolongou por vários dias. Durante a sua participação na hashtag #enfrentaroCOVID, ela desabafou: “carrego [o medo] aos ombros, porque a vida não pode parar, e, nos intervalos, choro. Choro muito sozinha, para não o perturbar mais do que ele está.” E, em reação à minha pergunta sobre se queria falar mais sobre isso, ela acrescentou: “quando me ofereceste ajuda, chorei, porque estava sozinha, mas, foi como se estivesse alguém ao meu lado. Obrigada.” Esta última referência fez-me pensar sobre o estado de vulnerabilidade em que Teresa se encontrava. Sem nos conhecermos, e apenas ‘falando’ pelo Twitter, percebi que a proximidade acontece espontaneamente, porque alguém se dispõe a ‘ouvir’. Por várias vezes senti esta humanização das relações virtuais no Twitter. Em muitas situações me diziam que ‘falar’ pelo Twitter era uma prática essencial para se sair dos mundos das preocupações e para atenuar a ansiedade e o stress.

Em alguns casos, as relações entre os cônjuges foram sujeitas a adaptações para se evitar a exposição de um ou de outro dos elementos do casal. Este medo era mais visível em situações em que um deles sofria de alguma condição crónica. Por exemplo, o pai da Rita deixou de dormir com a mãe por causa da COVID-19. A mudança rompeu com as rotinas. Ela informa que a “mãe não está a conseguir lidar. Mais de cinquenta anos juntos… Não se conforma”. O mesmo aconteceu com os pais do Paulo. Um aspeto a salientar aqui é que, por serem motivadas pela preocupação com o estado de vulnerabilidade dos cônjuges, estas ‘separações’ são entendidas como sendo um ato de amor.

As preocupações com a saúde dos entes queridos eram omnipresentes. Nos casos em que os familiares necessitavam de tratamento ou de controlo em hospitais, a saúde dos profissionais de saúde também constituía uma preocupação. Em reação a uma notícia sobre o facto de a enfermeira-chefe do IPO do Porto ter sido diagnosticada com o novo coronavírus e ter-se mantido ao serviço, Marco manifestava a sua preocupação, porque a sua mãe, doente oncológica, tinha que se deslocar aí poucos dias depois. Ele tinha medo de que a permanência da enfermeira no serviço tivesse contagiado outros profissionais e/ou utentes que pudessem eventualmente ter contacto físico com a mãe. Na ‘conversa’ que, entretanto, se abriu a várias pessoas, todos mostravam um misto de atitude de reprovação pela irresponsabilidade da profissional de saúde e de medo por qualquer um poder ser exposto a este perigo. Afinal, as instituições de saúde deveriam constituir-se como o último bastião contra o vírus, e, os seus profissionais, como os nobres defensores dos oprimidos pela doença. Seria inaceitável perder a confiança nos profissionais de saúde, que são os garantes últimos da segurança contra a COVID-19.

O medo da morte

A noite já chega.
Outrora não era relevante
Era mais um dia findo
E após esse, um dia lindo
Existiria, numa normal constante
E sem o pesado semblante
Neste receio, de num instante
Não ser o dia a findar
Mas o início de um mau estar
Que rasgue a normalidade
E com banal vulgaridade
Destrua, com grande pesar,
Uma vida a desabrochar,
De forma abrupta, fulminante
A alegria contagiante
De uma criatura, que por facilidade
Achou que a eternidade
Era de fácil acesso.
Erro grosseiro, mau presságio
Maldito este contágio
Que nos lembra do retrocesso
E que a noite já chega
E que outrora não era preocupante
Porque haveria outra hipótese
Um Novo dia, novamente
O poder ser displicente
Com o tempo a montante
Mas o dia já foi, o tempo voa
E agora essa pessoa
Anseia pelo fim e amaldiçoa
O dia que deu por certo e não o foi
E assim a noite chega
Entre lamúrias e choros,
Noites em branco, vozes em pranto
Outros em canto, todos em coro
Menos um dia desta agonia
Será que amanhã é o meu dia? 

Bruno (Porto, 2 de abril de 2020)

O medo da morte devida à COVID-19 generalizou-se. Imagens de enterros em massa e ilustrativas das condições excecionais em que os funerais aconteciam – como, por exemplo, com os familiares dos defuntos a serem substituídos por agentes anónimos vestidos com fatos de proteção – trazia à memória cenas do rescaldo da explosão do reator nuclear de Chernobil. Nunca a noção de cidadania biológica teve um sentido tão amplo.[6] “Em Bérgamo, os funerais sucedem-se a cada 30 minutos, uma viagem do hospital até ao crematório. Sem a presença dos familiares, que são interditos”, lamentava o Mário. “Custa imaginar esta cena, visualizar isto”, concordava Bruno.

O medo da morte é seguramente tão antigo como a própria vida. Afinal, sobreviver significa evitar a morte. Com a sua capacidade de racionalização e projeção a curto, médio e longo prazo, os humanos têm perfeita noção de que a morte por ‘causas naturais’ acontece apenas quando o tempo máximo de vida se esgotou. Quando a morte acontece antes deste esgotamento, as suas causas são ‘não naturais’. Com a COVID-19, a impressão sentida por cada um do esgotamento não natural da vida tornou-se presente. Numa espécie de cálculo de probabilidades, as pessoas não idosas e que não padecem de doenças crónicas, ou seja, as pessoas que não se incluem nos grupos de risco definidos pela OMS, sentiam que a sua vida não estaria em perigo na eventualidade de contraírem o vírus. Contudo, desde cedo se percebeu que as crianças e os jovens também poderiam morrer de COVID-19. Neste particular, o caso do Brasil, por exemplo, é especialmente preocupante. Na penúltima semana de maio, 31% das mortes por COVID-19 no país registaram-se em indivíduos com menos de 60 anos de idade. O número de infetados nas classes etárias 20-29 anos e 30-39 é bastante elevado, em contraste com o que é comum observar nos países europeus. A maior resistência à adoção do confinamento compulsivo está entre as razões para a obtenção destes números.

Mas, a COVID-19 mata mesmo quem não foi infetado pelo SARS-CoV-2. Algumas mortes são efeitos colaterais da sobrecarga dos serviços e da concentração dos recursos no combate à COVID-19. Os ‘subalternos’ sofrem com especial gravidade os efeitos destas sobrecarga e concentração.[7]

O medo do abandono

A COVID-19 veio tornar (mais) visíveis os desequilíbrios estruturais dentro das sociedades e entre as sociedades. As disparidades observadas na dotação dos serviços com equipamentos para atacar a pandemia, como ventiladores, a sobrecarga dos sistemas de saúde e a falta de práticas de testagem de alcance universal, bem como os problemas de falta de informação ou de dificuldade de acesso a vias alternativas para participar em atividades de compensação, como a falta de computadores ou de serviço de Internet sentida por uma parte de alunos e até de professores durante o confinamento, não são fenómenos novos. Não são produtos de um ‘novo normal’. Estes desequilíbrios sempre estiveram presentes, mais discretos nas sociedades mais desenvolvidas e mais visíveis nas menos desenvolvidas. Por força das restrições orçamentais impostas na sequência da crise do subprime, de 2007, nomeadamente no setor da saúde, e da deslocalização das empresas para países com mão-de-obra mais barata, ou simplesmente por descura, os desequilíbrios e as desigualdades no acesso aos recursos tonaram-se (mais) persistentes. Fenómenos de exclusão social tornaram-se mais visíveis e problemáticos com a pandemia. É precisamente este aspeto que a Alta-Comissária para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, frisa, quando afirma que “a COVID-19 expõe o que deveria ter sido óbvio – que o acesso desigual aos cuidados de saúde… e a discriminação generalizada tornam as nossas sociedades menos estáveis, seguras e prósperas”.

Na governação dos serviços de saúde portugueses, uma das consequências das restrições orçamentais é o baixo rácio de camas em unidades de cuidados intensivos (UCIs). Esta realidade leva a que cerca de 15% dos internados com COVID-19 estejam em enfermaria geral e apenas 5% em UCIs. As UCIs estão especialmente preparadas para tratar os doentes com COVID-19, e possuem valências que a enfermaria geral não possui. Acredita-se que o baixo rácio de camas em UCI (6,4/100 mil habitantes) é um dos fatores que contribui para que a taxa de letalidade da COVID-19 em Portugal, de 2,8%, corresponda ao dobro da taxa estimada global.

Outra consequência do baixo rácio de camas em UCI é o facto de os pacientes internados em enfermaria geral estarem a ocupar camas destinadas a pacientes com outras doenças. A necessidade de gerir o (des)equilíbrio entre as necessidades dos serviços e as necessidades das populações leva a que os pacientes provenientes dos lares de terceira idade ou de unidades de cuidados continuados integrados (UCCIs) tenham que voltar à proveniência depois de tratados da COVID-19 no hospital. Os gestores das UCCIs insurgem-se contra este retorno, queixando-se que os serviços que gerem não possuem as valências necessárias para proceder à reintegração dos pacientes no plano de cuidados comum. Este dilema motivou um desabafo a Rita: “pobres dos idosos, vão morrer que nem tordos. Dá arrepios”.

Os idosos foram o grupo mais vulnerável em tempos de COVID-19. A letalidade do vírus em idades superiores a oitenta anos é cinco vezes superior à letalidade média global.

Os participantes da twitenografia questionavam-se sobre as razões deste facto. Jorge vive numa zona residencial onde há “um aglomerado de milhares de pessoas/famílias. Uma zona maioritariamente pobre”. No regresso de uma ida às compras, a sua companheira mostrou-se admirada por ver tantas pessoas no supermercado “para ir buscar, por exemplo, apenas um saco de arroz”. São “o tal grupo de risco, pois vê-se que têm mais de 60 anos”, acrescenta. Jorge nota um aspeto importante: estes hábitos de pequenas compras indicam a sobreposição de duas condições de vulnerabilidade: a idade avançada e a pobreza. “Nem todos podemos ir uma vez por semana às compras e gastar 40 ou 50 euros”, continua. “Infelizmente é a realidade. Em pior, ainda, estas pessoas, certamente reformados com valores baixos de reformas, empatam o dinheiro necessário para o dia a dia. Juro-vos que me apertou o coração. Aqueles que mais deveriam estar protegidos são aqueles a quem o Estado e a sociedade mais obriga a expor-se. Isto já antes existia, mas, a vida que levávamos, nem sempre nos obrigava a ver estas situações”. “Às vezes [os idosos] não têm quem lhe faça as compras. Não puderam armazenar porque têm reformas pequenas”, concorda Andreia.

Em contraponto, Maria retorquia: “eu conheço sobretudo velhotas da minha zona com algum dinheiro, mas muito pouco juízo”. “Não é fácil”, acrescentava a Francisca. Diogo concordava com a Maria. Segundo ele, “a dificuldade em aceitar a mudança e adaptar-se a novas realidades é uma característica do idoso”. Esta viragem no discurso fez surgir uma visão alternativa à do Jorge e da Andreia. Criticava-se os comportamentos dos idosos. Maria dizia que estes têm dificuldade em mudar os comportamentos, agindo da mesma forma que agiam antes da pandemia. Ela refere que os idosos andavam muito na rua e iam às compras como se não houvesse a COVID-19. Concordando, alguns participantes mostravam-se receosos da eventualidade de os idosos “que não se sabiam comportar” poderem fazer aumentar o risco de contágio. “Vi uma imagem, de um grupo nos copos, no Bairro Alto. Era só velhos. As imagens deste fim-de-semana [na marginal da Póvoa de Varzim e na marginal] de Carcavelos… Era só velhos! Gostava de não ver a minha classe etária ‘posta em causa’ dessa maneira. Declaração de interesse: nasci em 1944”, escrevia o Jacinto.

Entretanto, chegavam notícias de Espanha de idosos infetados a serem recebidos com pedras e explosivos quando eram transferidos de um lar para outro. “Que desumanidade!…”, lamentava Liliana. “Até me arrepiei quando vi isto”, acrescentava Paula. “E é aqui ao lado! Não é no Irão ou na Ucrânia”, constatava Marília. “Porra… Já começou…”, disse o Jaime.

Este “já começou” sugere que o evento ocorrido em Espanha vinha confirmar algo que se esperava que começasse a acontecer em qualquer lado. A cada passo era comum deparar-me com a ideia partilhada por muitas pessoas de que algo de mau estava para acontecer, que estava a ser cozinhado em lume brando, o que me fez lembrar da sociedade de risco, de Ulrich Beck, uma sociedade que se ocupa em grande parte em gerir os perigos e os riscos provocados pela modernização na expetativa de se evitar o pior.[8] Uma sublevação, ou o estalar de violência descontrolada… Ou um rastilho que acendia e poderia fazer detonar uma bomba… Uma possibilidade não tão improvável como possa parecer à primeira vista. Por exemplo, o recente deflagrar da violência nos Estados Unidos da América em resposta à morte pela polícia do afro-americano George Floyd pode ter adquirido a dimensão que adquiriu não apenas devido ao avolumar dos sentimentos de intolerância ao racismo mas também devido ao stress provocado pelo confinamento prolongado. Eventos como este podem funcionar como válvulas de escape para tensões contidas.

O isolamento da população idosa é outro exemplo de um problema social persistente que se torna mais visível com a COVID-19. Sara diz que “a solidão dos idosos vai-se manter. Talvez agora até seja aplacada, porque são um grupo de risco e há uma maior atenção com eles, mas, vão continuar sós, mesmos depois de isto passar”. Para Marília, “a COVID-19 isolou ainda mais os idosos”.

O mesmo acontece com a problemática dos sem-abrigo, com a dos prisioneiros, com a das populações em situação de pobreza, com a dos que perderam o emprego (que são usualmente os que tinham salários mais baixos), com a das vítimas de abuso, de maus-tratos e de violência doméstica e com a das pessoas com tendências suicidas. Para atacar o agravamento destes problemas, inúmeras ações de solidariedade emergiram e foi feito um apelo para promover a solidariedade a nível global.

A gestão do aumento da visibilidade dos problemas do isolamento, da desigualdade e da exclusão social acrescentaram preocupações importantes aos planos de governação da pandemia, os quais se focaram essencialmente na gestão dos efeitos da propagação do vírus. O apoio domiciliário em saúde manteve-se atento às necessidades das pessoas idosas que vivem sozinhas. Marinha e Exército envolveram-se na distribuição de refeições aos sem-abrigo. Foi decretada a amnistia a prisioneiros condenados por pequenos crimes. A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) desdobrou-se em iniciativas de informação dirigidas aos diferentes públicos-alvo mais diretamente expostos à ampliação dos seus problemas devido à COVID-19.

O medo pelo futuro

Os economistas concordam que “tanto a economia como a saúde pública estão de alguma forma fora de controlo num contexto de pandemia”.[9] Todos os participantes na twitenografia estavam preocupados com o modo como se iria gerir a relação dilemática health-wealth. Alguns cartoons mostravam a imagem da economia e da saúde, ambas necessitadas de cuidados, mas que apenas era possível assistir a uma delas. Devido ao lockdown imposto pelo decreto do estado de emergência, em particular a imposição do confinamento na residência, que implicou a paragem de algumas atividades económicas, enquanto se tratava a saúde da população a economia definhava.

Optando por uma via anti-lockdown, países como a Suécia mantiveram a economia a funcionar em pleno, apelando à responsabilidade das pessoas para que mantivessem práticas de higiene social como o distanciamento e a etiqueta respiratória.

Tendo em conta que, num ambiente não controlado, o SARS-CoV-2 possui um potencial de letalidade muito elevado e que a COVID-19 é uma doença potencialmente fatal, o risco de vida é o que mais preocupa os agentes envolvidos na gestão da pandemia. Por esta razão, o número de óbitos foi selecionado desde o início como o principal indicador para avaliar e comparar a eficácia das medidas implementadas para gerir a pandemia. No caso sueco, que optou por não impor o confinamento, a taxa de mortalidade em idosos, por exemplo, tem-se situado em 90% dos casos diagnosticados. Numa comparação simples, os números dos principais indicadores usados para a medição da eficácia das medidas mostram que, com uma população muito semelhante em número em ambos os países, a 30 de maio, a Suécia registava 37113 casos confirmados, 4971 casos recuperados e 4395 óbitos por COVID-19, enquanto Portugal registava 32202 casos confirmados, 19186 casos recuperados e 1396 óbitos. Um dos países mais avançados do mundo e a segunda economia mais forte no que compete à inovação, incluindo a inovação biomédica,[10] a Suécia apresenta mais quase 5000 pessoas infetadas, menos 14215 de casos recuperados e mais cerca de 3000 óbitos comparativamente ao nosso país. Se excluirmos o parâmetro do desenvolvimento tecnológico das respetivas economias da equação – a Suécia, como se disse, é a segunda economia mais inovadora do mundo, enquanto Portugal se situa no 32º lugar na mesma escala – a explicação da diferença entre os números da COVID-19 registados nos dois países poderá decorrer do facto de os respetivos governos terem optado por diferentes estratégias para governar a pandemia. A favor desta consideração estão dois factos: um é o de que o suposto maior avanço sueco na biomedicina não se reflete em melhores resultados nos itens diretamente ligados aos resultados dos cuidados biomédicos, isto é, na recuperação dos doentes e no salvamento de vidas, do que os que foram obtidos em Portugal; o outro é o de, no país com um território muito mais vasto (Suécia), o que se reflete numa densidade populacional muito mais baixa (20  hab/Km2, contra 115,3 hab /Km2 em Portugal), terem sido registados muitos mais casos de pessoas infetadas, sabendo-se que a elevada concentração populacional é um dos fatores do risco do aumento dos casos de contágio. Sabemos que a interpretação dos números não deve ser tão simples. Porém, independentemente dos argumentos apresentados, os números mostram uma diferença significativa em todos os itens, trazendo incontornavelmente para o centro da questão a diferença das estratégias de governação da crise.

A opção pelo lockdown, como no caso português, provoca elevados e até imprevisíveis custos económicos. O desconhecimento das consequências desta opção era o que mais assustava os participantes na twitenografia. Ao decidir cuidar prioritariamente da saúde, o nosso governo arriscou a economia. Receios da emergência de um cenário apocalíptico foram amiúde declarados. “É o nosso futuro em jogo”, diz Helena, perguntando: “Como vamos viver? Que provações nos esperam?”. “Só penso nos filmes que já vi e que se assemelham tanto ao que estamos a viver… Mas, era tudo ficção… bolas!”, acrescentava a Joana, continuando: “…na realidade, estamos dentro do pior pesadelo. É mais um filme sem realizador conhecido e nós nem nos apercebemos do nosso papel enquanto figurantes”. E “tampouco do guião. Estamos completamente às escuras”, rematou a Helena. David Stokes encontrou um realizador provável para este filme (ver Figura 2).

Figura 2. Now the world makes more sense (imagem de David Stokes)

A escuridão temida por Helena ilustra o sentimento de impotência face ao desconhecido, tal e qual como na cena d’O Cavalo de Turim apresentada no início deste ensaio. Na opinião da Margarida, “as pessoas sabem que não vai ficar tudo bem… Não vale a pena escrever artigos paternalistas. Não é preciso ler Dante para saber que o abandono da esperança é a última casa antes de entrar no inferno”. A escuridão caiu sobre as pessoas. Para a Sara, o maior medo explica-se pelo facto de a crise do coronavírus ter espoletado “muitos fatores disruptivos ao mesmo tempo para assimilar de uma só vez”. E, acrescenta, o maior problema é “não sabermos quando [esses fatores] terminam e como terminam”. O desconhecido fazia progredir o medo, provocando ansiedade e pânico contido. Este medo, continua Sara, “tem várias dimensões. Desde preocupações com o mercado de trabalho, a condições dos trabalhadores da saúde, a preocupações com os meus. A todos reajo de forma diferente”.

A associação dos fatores disruptivos amplia a perceção do medo e do risco. Sara refere-se a esta ideia quando diz que a mudança radical das rotinas faz emergir “o medo de não saber quando voltar às rotinas anteriores… Se tivesse receio de uma crise económica gigante, mas estivesse a sair de casa e a ir trabalhar normalmente, ou sair para apanhar sol, talvez me distraísse mais. Tinha o mesmo medo, mas de forma menos intensa.”

As preocupações são muitas. Alice desabafa: “não tarda muito a estar psicologicamente esgotada. E, não, não é por estar em isolamento – é precisamente pelo contrário. Demasiadas preocupações todos os dias”, acrescentando um emoji exprimindo tristeza.

Na União Europeia, o choque da crise do coronavírus na economia foi inicialmente amortecido pela Iniciativa de Investimento de Resposta à Crise do Coronavírus, num pacote financeiro de 37 000 milhões de euros, com vista a libertar liquidez para as PME e para o setor dos cuidados de saúde. No dia 27 de maio, a Comissão Europeia propôs a criação de um fundo de recuperação de 750 mil milhões de euros, a acrescentar à medida anterior. Com esta medida, que já foi simbolicamente referida como o Plano Marshall europeu, procura-se impulsionar um momento Europeu focado na reparação para a próxima geração. A resposta da União Europeia à crise provocada pela suspensão da atividade económica forçada pelo confinamento compulsivo vem trazer esperança aos governos e às populações. A ansiedade vivida na expetativa de se saber quais iriam ser os impactos socioeconómicos da pandemia era manifesta nos participantes da twitenografia, particularmente, naqueles que se viram envolvidos nas medidas de lay off, tanto pelo lado dos trabalhadores como pelo dos pequenos empresários.

Medidas do mesmo tipo das definidas no Decreto-Lei n.º 10-J/2020, de 26 de março, para “proteção dos clientes bancários em resultado do atual contexto de emergência de saúde pública, no âmbito do cumprimento das obrigações decorrentes de contratos de crédito” não se estenderam a outras obrigações mensais, como o pagamento da mensalidade nas residências estudantis. Para Eva, isto “não é normal… As propinas, ainda vá que não vá, mas a residência?! Mas, lá se teve que pagar…” “Com a pandemia, há certas coisas que dá muito jeito olhar para o lado e assobiar”, solidariza-se Ana. “Estamos no início [26 de março]. Deixa passar mais um mês e vai valer tudo para arrancar os olhos uns aos outros”, acrescenta.

A falta de estipulação de medidas para suspender o pagamento de despesas como as que preocupam Eva é apenas uma das faces dos medos que as pessoas têm acerca do futuro. À oneração incompreensível, em tempos de utilização nula dos serviços ou bens, acrescenta-se a diminuição e até a supressão de rendimentos. O medo dos despedimentos era generalizado.

Para gerir este medo, a 26 de março, o governo decretou a proteção dos postos de trabalho, mas, este diploma deixava de fora do direito à manutenção do emprego em situação de crise empresarial alguns dos empregados, que viviam na iminência de perderem o emprego. Este vazio legal seria corrigido, e, as empresas que beneficiassem de apoios públicos no contexto da crise da COVID-19, o chamado lay off simplificado, passariam a ficar impedidas de despedir qualquer trabalhador. Porém, estas medidas apenas se aplicaram aos postos de trabalho em empresas que cumprissem os critérios para declararem a situação de crise empresarial, conforme definidos no Artigo 3º do Decreto-Lei n.º 10-G/2020.

Precisamos de um momento cosmopolita?

Tiago não tem dúvidas, “o coronavírus vai mexer com toda a gente, infetados e não infetados. Todos ficaremos marcados por estes acontecimentos/dias/palavras/etc. Nenhum de nós escapará e será uma marca para toda a vida”. “Vai acontecer uma mudança de paradigma”, acrescenta Maria, continuando, “o que está a acontecer no mundo é uma revolução total que irá desembocar numa sociedade muito diferente. Nada será como dantes”. João espera “sinceramente que o mundo mude para (muito) melhor, com este flagelo e aviso”.

A perspetivação de futuros possíveis é uma das marcas da pandemia. Mas, há muitas mais.

No dia 27 de março, o Papa Francisco aparecia sozinho a abençoar a cidade e o mundo (Bênção Urbi et Orbi) na Praça de S. Pedro. As imagens correram mundo, e causaram consternação e temor. O silêncio e o vazio do espaço mostravam o homem na sua incapacidade, exposto. Cristina comentava: “Poderia dizer que tudo isto é castigo de Deus pela nossa imensa soberba. E que então, Ele chegou e pôs-nos em casa de castigo ou a agonizar no hospital. Poderia dizer isto e muito mais, mas poderia estar a dizer uma grande estupidez. Oração pela Humanidade. Mas, qual Humanidade?”.

Como estes comentários mostram, uma das marcas da COVID-19 é a exposição do humano ao próprio humano, através da experiência coletiva do medo, que alimenta a reflexividade tendencialmente universal, cosmopolita. Pináculos da civilização, as cidades foram por algum tempo tomadas pelo não humano, pelo vírus, em primeiro lugar, e por animais de diferentes espécies, que, como entrados numa dimensão paralela, espantavam-se com tanto espaço vertical, exposto e calado, com tanta permissividade. A consciência da permanência de um entrelaçamento alhures rompido pelo zeitgeist da modernidade surgiu. A humanidade confronta-se agora com os mundos que ela própria criou, e percebe que, na eventualidade de uma replicação da experiência da pandemia da COVID-19 em maior número e com maior diversidade, as suas construções poderão ser rapidamente absorvidas pelo tempo.

Figura 3. Dinossauros na cidade (por Insónias em carvão)

Outras marcas sugerem o repensamento de algumas das criações modernas. Uma das produções mais características da modernidade – a sociedade lúdica – sofreu um forte abalo. O turismo de massas viu-se de um momento para o outro absorvido pelo vazio das ruas e dos lugares e monumentos mais visitados. Festas e festivais foram cancelados. Eventos desportivos com forte poder de atração e de excitação foram cancelados ou interrompidos. Outra dessas produções, em grande medida responsável pela aceleração da história, as viagens, foram igualmente canceladas. Comboios ficaram nas estações e aviões ficaram em terra. Aeroportos internacionais de referência central, como o de Orly, em Paris, foram fechados pela primeira vez na sua história. Significativamente dependente das viagens, lugares de exposição, de circulação e de performance de controvérsias científicas, como as conferências e os congressos, foram igualmente cancelados e/ou radicalmente reformatados. Etc. Apareceram numerosos sinais do fim do mundo como o conhecemos e da emergência de um novo normal.

O vírus convocou a humanidade para a realização de uma reflexão sobre as suas próprias produções. No início deste ensaio, é mostrado como a invasão da polis pelo vírus é, de facto, a invasão do espaço humano pelos produtos das práticas humanas. Foi o humano que convidou o vírus a entrar na polis. E foi o humano que o disseminou por todo o mundo. Hoje, a Terra do vírus é redonda. A humanidade conheceu epidemias virais semelhantes no passado, como a gripe espanhola, a SIDA e o ébola. Estas três epidemias virais aconteceram e foram potenciadas pelas práticas da modernidade. Mas, a pandemia do SARS-CoV-2 tem algo novo: espalhou-se mais ampla e rapidamente e causou fortes impactos no quotidiano e na economia que poderão levar anos a enfrentar e a resolver. E este é um efeito claro da aceleração da história, que caracteriza o período mais recente da modernidade. Por causa disto, a pandemia provocada pelo SARS-CoV-2 poderá motivar a reflexão cosmopolita, mais do que as anteriores.

Na minha opinião, a pandemia da COVID-19 é um exemplo claro dos perigos da sociedade de risco, de que fala Ulrich Beck. Eventualmente, a pandemia da COVID-19 poderá ser um exemplo maior de como um ‘objeto de risco’ pode provocar a emergência de um ‘momento cosmopolita’, para usar dois conceitos centrais da sociologia do risco de Ulrich Beck.[11] Enquanto objeto de risco, a pandemia da COVID-19 expande-se por todas as dimensões do risco, progredindo desde o estado de alerta, movido pela preocupação e pelo medo pelo desconhecido, passando pelo risco de doença e desenvolvendo-se ao perigo de morte, que atormenta virtualmente todos os indivíduos em todas as condições.[12]

A convocatória feita pelo vírus à humanidade pode constituir uma oportunidade para se abrir uma via para a exploração daquilo que não se sabe. A pandemia da COVID-19 mostra que o conhecimento do passado, a experiência, não é suficiente para se antecipar catástrofes futuras, como as palavras do Primeiro-Ministro António Costa citadas anteriormente sugerem. A pandemia da COVID-19 mostra-nos que os modelos de governação antecipatória, cujos desenvolvimento e implementação os estados ansiosamente subsidiam promovendo quase obsessivamente políticas de segurança e de controlo, não são eficazes. Esta promoção deriva não apenas da inquietação em relação ao futuro, mas, sobretudo, da incapacidade para se evitar antecipadamente os efeitos da modernização, cujas diversas contingências impelem para a manufatura de incertezas, como refere Beck.[13] Num movimento circular, os estados mostram-se incompetentes para gerirem os riscos produzidos pelas suas próprias políticas, exagerando e extrapolando por não-conhecimento das implicações totais das suas políticas, à semelhança do que se passa com o desenvolvimento tecnológico, cujos impactos ora são desconhecidos ora demasiado complexos para poderem ser geridos, como o famoso paradoxo de Collingridge traduz.

Na obrigatoriedade de se tomar decisões com base em mais ou menos não-conhecimento, “a fronteira entre a racionalidade e a histeria fica embaçada”.[14] Porém, como lembra Beck, em situações de catástrofe, os custos da omissão de decisões políticas são mais elevados do que os custos da reação exagerada. Um raciocínio deste tipo deve ter estado na base da aprovação pela Assembleia da República da proposta do decreto presidencial para a implementação do estado de emergência em Portugal, por exemplo.

A peculiaridade desta aprovação no contexto da pandemia da COVID-19 é a de que ela apareceu como resposta típica dos governantes de diversos países para gerir o risco.[15] É nestes termos que podemos falar da assunção de um ‘momento cosmopolita’ no sentido beckiano. Não é apenas a vida das populações nacionais que está em risco – é a vida da humanidade. Subjacente à reprodução dos mesmos modos de decisão em vários países, há a consciência de que é necessário obter consensos internacionais, sobrepondo-se o ideal da comunidade humana ao realismo político potencialmente anárquico de cada estado. O momento cosmopolita reveste a incerteza e o risco de um sentimento de esperança e de oportunidade. Nele, abrem-se “os olhos para as responsabilidades incontroláveis, para algo que nos acontece, mas que ao mesmo tempo nos estimula para abraçar novos começos que transcendam fronteiras”.[16] São raros os momentos como este, que fazem da cooperação internacional a melhor via para se enfrentar o risco e o medo, e que aparecem como oportunidades para a criação de políticas inclusivas, que florestem todos os desertos cívicos. Mesmo considerando as exceções, com a crise da COVID-19 os países uniram-se na partilha de um caminho comum que está a dar os seus frutos.

Como alguém dizia no Twitter, “a pandemia da COVID-19 é uma crise global que precisa de uma resposta internacional… Nenhum país ficará livre do vírus enquanto não ficarem todos”. A pandemia da COVID-19 mostra que a união é o verdadeiro antídoto para o medo ao vírus. Um tema importante sobre o qual falarei no próximo ensaio.

Lisboa, 4 de junho 2020.


[1] Vide Beck, U. Risk Society’s ‘Cosmopolitan Moment’. Leitura apresentada na Universidade de Harvard em 12 de novembro de 2008.
[2] As modalidades pelas quais os ‘fluxos culturais globais’ circulam pelo mundo foram apresentadas e teorizadas por Arjun Appadurai (vide Modernity at large: cultural dimensions of globalization. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1996).
[3] Numa entrevista dada pelo Primeiro-Ministro António Costa no dia 8 de maio de 2020, à pergunta de Júlio Magalhães sobre qual teria sido a decisão mais difícil que o governante tinha tomado no âmbito da crise da COVID-19 (ver a partir dos 55:35), ele respondeu: “A decisão mais difícil foi a primeira, [porque] foi o momento em que percebi que não iríamos conseguir ter nunca a informação científica e o conselho científico suficientemente sólido para amparar as nossas decisões, e, portanto, havia aqui uma dimensão de risco imenso que tínhamos que assumir. Nós não podíamos pedir aos cientistas aquilo que os cientistas não estavam em condições de nos dar… E, portanto, [tivemos] que… tomar decisões com um grau de incerteza grande.”  Para a definição de ‘governação-sustentada-na-tecnociência’, vide Costa, J. ‘O que estamos a fazer?’ Ensaio sobre a economia política da promessa do novo imaginário biomédico. Trabalhos de Antropologia e Etnologia, 2020, 60, 13-57, p. 15.
[4] Para a noção de ‘sistema de risco’, vide Aronowitz. R. “Epilogue: The Risk System”, in Risky Medicine: Our quest to cure fear and uncertainty. Chicago and London: The University of Chicago Press, 2015, pp. 201-221.
[5] Massumi, B. ‘Preface’, in Brian Massumi (Ed.) The politics of everyday fear. Minneapolis and London: University of Minnesota Press, 1993, pp. vii-x.
[6] Para a noção de cidadania biológica, vide Petryna, A. Life Exposed: Biological Citizens After Chernobyl. Princeton: Princeton University Press, 2002.
[7] Aqui, faço alusão aos subalternos como aqueles que não possuem voz, como diria Gayatri Spivak (vide ‘Can the Subaltern Speak?’ in Cary Nelson and Lawrence Grossberg (Eds.) Marxism and the Interpretation of Culture. London: Macmillan, 1988, pp. 271-313).
[8] Vide Beck, U. Risk Society: Towards a New Modernity. Londres: SAGE, 1992.
[9] Lin, Z. & Meissner, C. Health vs. Wealth? Public health policies and the economy during
COVID-19. NBER Working Paper Series, Working Paper 27099, 2020. Disponível em: http://www.nber.org/papers/w27099.
[10] Vide Dutta, S.; Lanvin, B. & Wunsch-Vincent, S. (Eds.) O Índice Global de Inovação 2019: Criar Vidas Sadias – O Futuro da Inovação Médica. Ithaca, Fontainebleau e Genebra: Universidade Cornell, INSEAD e Organização Mundial da Propriedade Industrial, 2019.
[11] Vide Boholm, A. Risk perception and social anthropology: Critique of cultural theory. Ethnos: Journal of Anthropology, 1996, 61:1-2, 64-84; Beck, U. Risk Society’s ‘Cosmopolitan Moment’. Leitura apresentada na Universidade de Harvard em 12 de novembro de 2008.
[12] Para uma síntese das dimensões das consequências do risco tanto para a tomada de decisões como para a definição dos níveis de risco, vide Fischhoff, B.; Watson, S. & Hope, C. Defining Risk. Policy Sciences, 1984, 17, 123-139.
[13] Beck, U. Risk Society’s ‘Cosmopolitan Moment’…
[14] Beck, U. Risk Society’s ‘Cosmopolitan Moment’…, p. 5.
[15] A Suécia, que usei como exemplo de país não alinhado com o lockdown, acaba de reconhecer que deveria ter imposto medidas mais severas para gerir a pandemia da COVID-19.
[16] Beck, U. Risk Society’s ‘Cosmopolitan Moment’…, p. 8.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.