Mariquita Iemanjá

por Lucas Barreto de Souza, antropólogo/ pesquisador, pós-graduando em antropologia (PPGA/UFBA)


Largo da Mariquita, o “olho do furacão”. O apelido é um pouco exagerado, mas há uma espécie de gargalo em um ponto no qual afluem automóveis por três sentido distintos, o que em horário de pico, congestiona consideravelmente o trânsito. Isto além da conhecida noite do bairro boêmio. Justo nesse largo morei do segundo ao sétimo ano de vida. A pizzaria vapt-vupt, delivery de pizza, como sugere o nome, à esquerda; à direita, a Rio móveis; abaixo, a farmácia Santana e o bar de Ernesto, o português. Acima, só o céu, mas bem longe porque o prédio era bem baixinho. O destaque sonoro era a tampa de esgoto da embasa (a empresa fornecedora de água), solta, a se balançar e estrondar a noite inteira, invariavelmente, todas as noites – bastava passar veículo por sobre.

foto do autor

Ali, vi o mercado do peixe atravessar a rua e, da janela, um show de Gilberto Gil – na inauguração ou em festa de ano novo. O mercado do peixe atravessou a rua. Hoje, Vila Caramuru, depois de passar por outra reconfiguração: a primeira transformou um mercado de peixe [literalmente] em um complexo de bares e restaurantes populares, relegando a uma cabana à beira mar o comércio do pescado naquela praia, na colônia de pesca; a segunda, que totalmente mudada, revitalizada, transformando numa pequena passarela elitizada o espaço outrora de caráter mais simples, popularesco e com os custos menos onerosos, porém nem sempre com a mesma qualidade de serviço.

Na primeira passagem, a estátua foi posta em um dos dois retângulos gramados em frente ao Bahia park hotel; na segunda, a Iemanjá, feita pelo artista Tatti Moreno foi colocada mais perto do mar, em frente à colônia de pescadores.

Na infância, eu alçava vôo em sonho quase toda noite. Numa dessas, aterrissei ao lombo da estátua, sentei-me e avistei uma estrela no verso do espelho. Uma dúvida se instalou: haveria mesmo uma estrela na parte de trás do espelho da sereia? Será que a estrela no espelho só existe no sonho? Ao acordar, fui conferir. Lá estava. Lá está. No mês de abril, em meio a uma pandemia e às medidas preventivas com vistas a restringir a maior propagação do corona vírus, o largo encontrava-se absolutamente deserto, quando por ali passei a pedalar a minha bicicleta rosa. Fotografei e rememorei à luz de uma etno-história urbana da memória do bairro boêmio litorâneo.

Salvador, 15 de abril 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.