Desconfinamento: reabertura das “lojas chinesas”

por Henrique Chaves (CICS.NOVA-FCSH)


No dia 18 de maio, a lojinha que vende um bocadinho de tudo, vulgarmente chamada de “loja chinesa”, que fica aqui pertinho da minha casa, reabriu. Precisava de passar por lá para ver uma série de coisinhas, aquelas que em conjunto e ao pé de casa só encontramos nestas lojas.

img: Shutterstock

Ao chegar à loja, com uma máscara social no rosto, pedi para entrar, autorização que me foi dada por um rapaz de origem chinesa que estava logo ao balcão, talvez o proprietário. Como as coisas que precisava de comprar eram diversas, ainda demorei algum tempo dentro da loja. Ir às compras com calma parece ser uma das coisas que ficaram “proibidas”, ainda assim fui vendo tudo com calma enquanto tentava perceber cada coisa que queria comprar, para compreender melhor a sua utilidade e forma de funcionamento.

Enquanto deambulava pelos corredores da loja foi-me impossível deixar de reparar nas pessoas que estavam ali naquele momento, desde os funcionários aos clientes.

Ouvia-se, volta e meia, alguém pedindo autorização para entrar. Várias destas pessoas conheciam o rapaz que estava ao balcão ou a funcionária da loja, uma mulher negra. Várias vezes, quando os clientes tinham dúvidas e iam falar com o funcionário do balcão, ele chamava a funcionária para os ajudar a encontrar aquilo que queriam. Outras vezes, quando entravam algumas pessoas, notava-se logo que eram antigos clientes da loja, falavam em jeito de piada “foram boas estas férias, ah?”, sentia-se o momento de reencontro. Ao longe, se ouvia risos tímidos do funcionário ao balcão. Outros clientes entravam perguntando por luvas de plástico. Pelos corredores das lojas, uma mãe dizia à sua filha “não toque nas coisas, não toque nas coisas”. Noutro momento, a funcionária em conversa com uma cliente pergunta “também já voltou ao trabalho?”, a cliente “eu estive sempre a trabalhar…”, ouve-se outro cliente “eu ainda não sei quando vou voltar, sabe, né? nestas áreas do desporto é muito difícil saber”.

Enquanto procurava cada uma das necessidades que me levava à loja, aproveitava para passear pela loja vendo com detalhe as coisas que vendia: é sempre bom saber a oferta local. Neste passeio de corredor em corredor, cada vez que me defrontava com outros clientes desviávamo-nos logo de imediato, não há espaço e momento para encontros. Uma sensação confusa, entre não haver espaço para encontros e os reencontros entre clientes e funcionários da loja que ali aconteciam.

Peguei em tudo o que precisava, dobradiças, fecho com trinco, balde… e vou pagar, a conta dá 20,20€. Começo a tirar o dinheiro da carteira, uma nota de 20€ e vou mexer nas moedas, o funcionário ao balcão diz: 20€, e está certo.

Esta loja, como muitas lojas semelhantes, fechou as portas quando foi decretado o primeiro Estado de Emergência. Na altura, já se lia um forte discurso xenófobo culpabilizando o povo chinês, e os seus migrantes radicados em Portugal, pela COVID-19. Lia-se também que uma das associações representativas dos comerciantes chineses estava instruindo os seus associados a decretarem férias para não correrem muitos riscos de serem atacados pessoalmente. Neste dia, elas começaram a abrir portas, e esta loja como muitas outras se mostrou, como sempre, um espaço muito acolhedor e necessário.

Lisboa, 26 de maio 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.