Etnografia dos nossos dias… estranhos (67) – os suspeitos do costume

por Humberto Martins (CRIA-UMinho/UTAD)


Escrevo menos por agora sobre este tempo estranho. O desconfinamento é também um processo estranho. Desconfinamos e desconfiamos. Muitas dúvidas, muitas questões, muitas incertezas, muita desinformação… (legítimas e admissíveis) incoerências e inconsistências que, em bom rigor, se prendem com ignorâncias múltiplas sobre o que já aconteceu, o que está a acontecer e o que estará por vir. Entre o desejo de ouvir o anúncio do fim da pandemia com o selo de garantia dos espertos (especialistas) e o não saber propriamente no que e em quem acreditar resta um campo imenso de sofríveis ambiguidades. Leio noutros lugares várias teorias da conspiração – em particular sobre a propaganda do medo.

©Catarina Martins, 2020

Fala-se na fabricação do medo, em propaganda, controlo de massas, instalação de um novo statu quo com base numa máquina poderosa de controlo das mentes, o maior embuste da história da humanidade, uma mentira (em relação à proporção) da doença que mais não faz do que gerar mecanismos perversos e (quiçá) irreversíveis de vigilância e controlo das pessoas, de todos nós. E nós, qual rebanho amansado, lá vamos ordeiramente seguindo as ordens dos pastores. Será assim? Será que são os ‘suspeitos do costume’ que estão por detrás disto tudo? Será que são os que estão mais ‘próximos de Deus’, uma classe dominante global, um governo invisível, os iluminados vários que controlam a nossa vida a tal ponto? E controlam tudo o resto e todos os outros coabitantes deste planeta (vírus, fungos, bactérias…) que são muito mais do que nós (humanos) e que seguramente estarão perfeitamente nas tintas sobre o facto de sobreviveremos ou não como indivíduos ou espécie? Onde está a verdade? Interessa conhecê-la? Queremos conhecê-la? Para que nos serve conhecê-la?

A frase grafitada num muro de uma rua de Cacilhas estava pintada de fresco (17 de Maio 2020). Pedi a Catarina, minha filha, que a fotografasse. “Eles não são muitos. Quantos é que nós somos?” Quando ‘passei’ por ela automaticamente me lembrei de um livro que li hás uns bons anos, de Viviane Forrester, Horror Econcómico (1997. Lisboa: Terramar), e no qual a autora nos assemelhava (nós massas humanas) a marionetas na mão de poucos ‘manipuladores’ para denunciar o horror não só de um capitalismo selvagem, mas igualmente da nossa subjugação a um pensamento económico. Mesmo em sociedades (alegadamente) mais democráticas, mais informadas, mais ‘educadas’ e ilustradas, as nossas acções livres, as nossas escolhas, o nosso ‘empoderamento’ (como agora se diz) era falacioso, uma ficção que nos mantinha numa patética presunção de que seríamos finalmente livres. Puro engano, as nossas mentes estariam colonizadas por uma ideologia dominante e inescapável, que mais do que ter um impacto directo em discursos e acções imediatas diárias e quotidianas, nos domesticaria para sempre numa inquestionável sensação de podermos fazer o que quiséssemos com o pouco dinheiro que ‘pingaria’ qual chuva escassa dessas nuvens ‘inconcretas’ (porque indiscerníveis) que detinham o real poder (económico). Estará Deus acima deles? Estaremos a ser vítimas de mais um embuste? Tranquilizo-me com as palavras de um velho homem alentejano que vende aos Sábados uns poejos e hortelã da Ribeira no ‘Central’ em Almada. “O que sabe tudo… ainda está para nascer!”

Almada, 21 de maio 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.