Como Recomeçar?

por Jaciara Fabiane Fernandes Cavalcanti, estudante de Psicologia (Centro Universitário UNISÃOMIGUEL, Pernambuco/Brasil)


Em tempos tão sombrios e de incertezas vemos sonhos se dissipar como fumaça no ar. Nomes são transformados em números, os números da morte. E ela se aproxima cada vez mais veloz e feroz vocifera outro novo e mórbido resultado – o risco da extinção humana. Ficamos a nos perguntar quem será o próximo, quem perderá a batalha? Seguimos em isolamento social por algo invisível, assistindo passivamente o aumento de óbitos em decorrência do Covid-19. A ansiedade aumenta e atormenta, por não sabermos como será o fim, por desconhecer a próxima parada, a estação final de um trem desgovernado, chamado destino. Assim cada um segue fazendo seus pedidos, suas preces e orações, para que os seus não se tornam alvos, ou caso sejam, que pelo menos, consigam vencer a guerra nos frontes hospitalares e ambulatoriais. Todavia, sabemos que para muitos a vitória será impossível. A morte chegará de forma avassaladora, negando-lhes o direito a honrosa despedida. Seus túmulos não terão flores, seus corpos não serão velados e não haverá saudação. O beijo de despedida será simbólico, guardado apenas nas memórias de quem permanecer por mais tempo.

foto de Anna Shvets

 

 

 

 

 

 

 

A pandemia do Covid-19 não nos roubou apenas o direito de ir e vir. Subtraiu muito mais, pois que nos arrancou a paz e o sossego. Aos sobreviventes restará o grande desafio: definir como e por onde recomeçar! Como recuperar a certeza e a esperança em dias melhores? Se é que eles virão. Como conviver com a dor do adeus não dito, dos muitos choros engolidos, da saudade travada na garganta, que destroça e atormenta a alma e oprime o coração? Como reunir os cacos, sobras de famílias sem chão e sem teto? Perguntas soltas, para as quais ainda não se tem respostas. Por isso seguimos tentando encontrá-las como forma de aliviar um pouco a dor no peito. Caminhamos agora mascarados dias após dias, desejantes ansiosos da normalidade, se é que esta existe ou já existiu algum dia. Tentaremos nos reconstruir ao final, e será, provavelmente, como sair de um pesadelo, assustados e com medo, temerosos sobre os novos horizontes.

Creio que será preciso reedificar nossas vidas, projetos, sonhos, talvez a partir da certeza inequívoca que fomos igualados em condições e contextos. Estamos todos expostos aos mesmos riscos e vulnerabilidades que fragilizam independente de diferenças socioeconômicas, étnica/raciais, sexo ou gênero. A pandemia quebrou as fronteiras geográficas, mudou a geopolítica. Somos agora um todo, impotente e ameaçado em nível mundial, globalizado. Não sabemos ainda como recomeçar, assim como não sabemos o quando, o por onde, de qual forma ou do que disporemos. Vivemos uma época de hipóteses, de possibilidades, potencialidade e vontades que gostaríamos que se tornassem reais.

Porém, o concreto, neste momento, não mais nos pertence. Então nos sobram apenas desejos, pois que tudo é inesperado, incerto, pueril demais para produzir as certezas necessárias. Orbitamos o tempo das indagações, das dúvidas e da instabilidade. Ansiamos por respostas científicas e governamentais. Alguns, por milagres até, outros por veredictos mais brandos e menos funestos. É momento de silêncio sufocado, de pânico disfarçado, de assombros. E tempo de estar consigo mesmo. E de fazer, refazer e repetir e repartir perguntas que não cessam. Como será quando tudo isso passar? O que nos restará? Malditas são as perguntas que não silenciam as mentes. Abomináveis são as soluções que não apresentam. Gritamos por respostas que não sabemos quando e se as teremos. Então, por hora prefiro apenas acreditar que tudo isso terá fim, e que em breve dias melhores virão. E sim, seremos muito mais fortes. Refloresceremos fortalecidos em expectativas e potencialidades enquanto espécie; e, mais eruditos e [re]humanizados, capazes de aprender com os próprios erros.

Quando a vida retomar o seu curso, estaremos sim, preparados para uma nova jornada. Somos Sapiens, somos resistência, seres adaptáveis e capazes de ressignificar vidas e mundos. Voltaremos a nos abraçar, reaprenderemos o valor de um aperto de mãos, de um abraço acolhedor, do exercício da empatia. Veremos novamente o sol nascer; sentiremos o cheiro de mar; reaprenderemos a olhar as estrelas; e, por fim, redescobriremos nosso lugar neste espaço que chamamos mundo. O nosso mundo!

Recife, 17 de maio de 2020.



Citar este post
marianabc (2020, 26 Maio). Como Recomeçar? CONFINARIA. Recuperado em 27 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/n292

13 comentários em “Como Recomeçar?”

  1. Aos que ficarem, resta a incerteza do recomeço.

    Parabéns pelo excelente texto!

  2. De fato um texto que trás uma carga de toda a sensibilidade que vem de dentro de você, além de reflexivo é totalmente compreensível. Obrigado pela contribuição minha amiga, sucesso!!

  3. Parabéns por essa produção textual Fabi, vê-se claramente na exposição dessas palavras o quão sensível és, a sensibilidade e a empatia são subjetividades inerentes à profissão do psicólogo. Continue assim querida!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search