Zoom como dispositivo artístico

por Rita Barreira, doutoranda em Estudos Artísticos- Arte e Mediações (NOVA-FCSH)


O sector da performance portuguesa organizou-se muito rapidamente face à disciplina social do estado de emergência. Os corpos confinados pela COVID-19 provocaram um fenómeno artístico que os situa e reflete com novas condições de produção, em concreto com um espaço digital redimensionado com ou como prática artística. A performance ocupou nos últimos dois meses uma relevância cruzada com o espaço online, com questões levantadas à
nova luz da presença/ausência do público; a localização ou produção de espaço inscrito em coreografia, e, mais ainda, as possibilidades formais dos dispositivos digitais na performance em si. Entre algumas criações que tive oportunidade de assistir em diretos online a partir da minha casa, reservei a primeira de todas para esta série do blogue Confinarias.

[ clique nas imagens para aumentar ]

A quarta edição do Programa Avançado de Criação em Artes Performativas (PACAP) do Forum Dança conta com a curadoria de João dos Santos Martins, que o organizou na esfera ampla da performance com outras artes e epistemologias, de resto bem evidente no seu percurso enquanto artista. A coreógrafa e artista Christine de Smedt foi convidada para orientar um módulo do programa a ter lugar preciso no período marcado pelo confinamento obrigatório. A investigação artística que propôs ao grupo de alunxs baseou-se na entrevista como metodologia para fixar um “corpo de texto” a partir do qual a criação artística se desenvolveria. A distância obrigatória entre os corpos causou uma hesitação a esta proposta que foi resolvida pelo que a artista designa de “situação on-line”. A investigação e a criação artística passou a ocupar a sala de reuniões zoom e, no final, o grupo decidiu mostrar publicamente o que entendo ser uma instalação online, “Open Zoom Live Compo”.

Ao entrar no Zoom à hora marcada, Christine de Smedt e João dos Santos Martins recebem-nos com o PACAP4, Alina Folini, Bianca Zueneli, Isadora Alves Nunes, Isis Andreatta, Laure Fleitz, Leire Aranberri, Julián Pacomio, Marina Dubia, Natália Mendonça, Sara Vieira Marques, Suiá Burger Ferlauto. Vejo 52 espectadores e reconheço algumas caras e nomes, alguns dos quais da Nova Dança Portuguesa- fico curiosa aqui, como estarão a digerir estes modos e formas; também vejo artistas de outras práticas, fotógrafas, escritores e produtores de performance. A tribo está atenta.

Do meu espaço privado, a minha localização Zoom é o canto da casa que pensei o mais público, junta-se como set inicial às restantes 52 imagens de estantes, gatos, sofás, canecas de café ou chá distribuídas pelo écran. Os performers fecham a porta da sala, pedem-nos para participar na arquitectura do palco: desligamos as nossas câmaras-localizações, também o nosso som. Passamos ao Zoom como espaço e design comum; os artistas são users do dispositivo, o funcionalismo reconhecido da plataforma é apropriado pelas
entrevistas enquanto ferramenta de investigação e criação artística. Mimetizam uma conversa online onde o discurso cria a linguagem interna da performance e resignifica o meio com modulações de abstração filosófica, marcações poéticas e deslocações de signos.

Vitaliza-se numa coreografia na qual a voz e a linguagem activa a imagem no espaço da performance, o ecrã anima-se numa composição alternada, ora em blocos de diálogo dinâmico, ora na expansão e permanência individual de cada artista no meu ecrã. A câmara tendencialmente fixa assegura a nossa familiariedade enquanto users, a composição dinâmica lança-nos num détournement do território digital. No desenho mais completo desta caixa, o movimento adquire uma qualidade plástica distinta com recurso aos efeitos do Zoom, texturas, figuras e cores da aplicação tornam-se elementos de composição e experimentação da sua especificidade enquanto sítio.

Esta ideia de instalação digital interessou-me particularmente, manteve-se o tempo directo enquanto um dos traços distintos das artes performativas, ainda que com uma porta aberta para a suspensão em screen-shots à vontade da audiência. No mesmo passo, o Zoom vira meio-forma-espaço das múltiplas subjectividades artísticas em jogo, numa arquitectura dinâmica de composição coreográfica online. Quando desliguei, tive a clara sensação de ter deixado a sala desenhada pela performance e como performance.

Lisboa, 14 de maio 2020.



Citar este post
CRIA (2020, 20 Maio). Zoom como dispositivo artístico. CONFINARIA. Recuperado em 21 de Abril de 2024, de https://doi.org/10.58079/n28y

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search