ESQUINA

por Aline Lopes Rochedo, doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGAS/UFRGS)


Ao redor da meia-noite, ouço a vassoura do gari. Sei quando passa skate, quando é um carrinho de papeleiro, se o porteiro está de partida, a hora que a farmácia teve as portas abertas. Pelo apito dos agentes de trânsito ou pelas buzinas, sei até que faltou energia elétrica. Leia mais

Os meus vizinhos são humanos como eu e cantam sempre às 22h

por Nuno Lopes, licenciado em Sociologia (Universidade do Minho)

Nunca tinha reparado muito bem na vista da minha janela. Não tem nada de especial para ver, são só algumas torres residenciais e uma via rápida (sobre)movimentada que me afeta os sentidos da pior maneira possível. Acordo e deito-me com o barulho dos carros que passam e, em tentativas frustradas de me abstrair, já tentei imaginar os constantes “vvvrrsshhhh” como se fosse o barulho das ondas do mar a bater no areal. Não resulta. Isto é, de certo, um esquema armado pelo meu senhorio, com o apoio do Automóvel Clube de Portugal, que não troca a porra das velhas janelas por umas insonorizadas com a finalidade de me expulsarem daqui e arrendar este T1 ao preço de uma vivenda. Enfim, só pelas 23h é que consigo ouvir outros barulhos, como o vizinho de cima a tratar de satisfazer as necessidades básicas ou o vizinho do lado a falar e a bater com garrafas. Na minha cabeça ele está sempre a falar sentado num banco da cozinha, enquanto emborca uma cerveja. Leia mais