Margaret Mead e James Baldwin

por Rita Cachado, PhD em Antropologia, investigadora do CIES-ISCTE


Li Racismo ao Vivo dias antes do início da declaração da OMS sobre a pandemia COVID, um tempo alargado onde o racismo viria a estar na ordem do dia em todo o mundo a partir de finais de maio. Mais do que spoiler, partilho sensações.

O livro é a transcrição de conversas entre Margaret Mead e James Baldwin, em 1973[1]. Margaret Mead viria também a ser lembrada na pandemia, no discurso de Tolentino Mendonça no dia de Portugal, por uma sua tirada sobre o que definia o humano – que tinham achado um fémur sarado, revelando que o cuidado distinguia o humano dos restantes animais. A prestação de Mead nas conversas do livro referido é, contudo, algo constrangedora para antropólogos que lêem este livro hoje.

Leia mais

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search