NOVAS JANELAS URBANAS?

por Epitacio Nunes de Souza Neto, Doutorado em Psicologia  pela Universidad del Salvador–USAL (Buenos Aires, Argentina), Professor de Psicologia na Faculdade de Integração do Sertão – FIS (Pernambuco, Brasil)


As janelas já não revelam cidades, apenas suas partes. Realidades sufocadas em paredes opressoras, enquadradas por molduras metálicas ou madeira velha, enubladas em vidraças sujas. A convivência contida, tal como as emoções diante de algo invisível e funesto. A suposta superioridade do homem, rotulada de racionalidade, está à prova em pleno século das tecnologias avançadas. Suas debilidades e fraquezas estão expostas em vazados de concreto que se acendem e apagam, revelando nuanças, tons, sutilezas e particularidades das vidas privadas, cotidianos antes sem importância ou valor. Como os semáforos, suas cores e luzes já não indicam movimentos. Estes foram cessados sem aviso prévio. Não se vai ou se vem. Não se corre mais porque não há pressa das cidades. Leia mais

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search