A FALTA QUE A FESTA FAZ [1]

por João Leal, Professor no Departamento de Antropologia da NOVA-FCSH, Investigador no CRIA-NOVA FCSH


Os sucessivos confinamentos associados à covid19 levaram ao cancelamento ou à suspensão temporária de muitas festas. Para fazer face a essa suspensão, muitas festas colocaram-se sob o signo da transição digital: recorrendo às redes sociais para partilha de fotografias e vídeos de festas passadas, promovendo lives ou efetuando transmissões online de segmentos rituais sem público, etc. As festas acompanharam assim, de formas muito diversas e criativas, uma das grandes transformações da economia e da sociedade no “novo regime pandémico”, expressa – por exemplo – na generalização do teletrabalho, no aumento significativo do comércio online ou – no campo das artes – na generalização de espetáculos, performances, concertos, exposições etc., online. Estas tendências já vinham de trás, mas aceleraram-se significativamente no decurso da pandemia. Segundo a revista The Economist, durante o primeiro confinamento (entre março e junho de 2020), a transição digital fez em alguns meses um caminho que em condições normais duraria dez anos a fazer. Leia mais