PRISÃO E PANDEMIA: o verdadeiro distanciamento social

por Afonso Bento, doutorando em Antropologia (CRIA-ISCTE)


Por estes dias, somos constantemente exortados a manter um “distanciamento social” – um termo equívoco que parece significar distanciamento físico – e a cumprir uma cidadania ativa através da autorreclusão. Sabemos, no entanto, que essa reclusão é relativa e imposta apenas pelo bom senso. Quando precisamos, saímos. Já a reclusão absoluta continua em vigor para cerca de 13 mil pessoas em Portugal e as suas privações e sofrimentos aumentam em devida proporção com as nossas. Leia mais

O VÍRUS DAS METÁFORAS

por Luís Cunha (CRIA-UMinho)


Situações como a que vivemos são propícias a manejos de linguagem, exageros expressivos, abuso de metáforas e retumbantes proclamações. Saídos de tempos desavindos com a virtude do comum, vemos por estes dias o enaltecimento da comunhão, da solidariedade e da partilha. Perante o inaudito vazio da Praça de São Pedro, o Papa encontrou uma formulação metafórica forte, apesar de banal: «Estamos todos no mesmo barco», disse. A metáfora seria mais convincente se explicasse que o barco é uma espécie de Titanic, em que uns acedem à mesa do comandante e outros viajam no porão de carga. Dir-se-á que se afundar, afundamos todos, mas essa igualdade na tragédia não consola nem apaga a desigualdade dos dias comuns. Leia mais

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search