Trocas em tempos de pandemia

por Micol Brazzabeni, PhD (Università di Firenze, Itália), investigadora sénior (CRIA-ISCTE)


Os dias seguem-se aparentemente iguais em tempos de “confinamento”.

As rotinas proporcionam alguma forma insólita de resistência.

Dentro da rotina, outras rotinas improvisam-se. Um colega e amigo desafia-me a fotografar, sem tema específico, todos os dias. Todos os dias, uma rotina para resistir, pensei eu. Uma “ideia para adiar o fim do mundo” (Krenak, 2019).

Leia mais

As certezas humanas em quarentena

por Rijarda Aristóteles, doutoranda em História na Universidade Autónoma de Lisboa (UAL)


E o mundo parou. Em algum momento, entre Dezembro de 2019 e Fevereiro de 2020, foi iniciado um tipo de mudança forçada, na qual a humanidade, compulsoriamente se viu diante do maior desafio da contemporaneidade. A globalização rápida e inexorável de uma pandemia, que não permitiu a nenhuma nação preparar-se mesmo com todos os recursos financeiros disponíveis, coloca-nos todos numa democrática situação de incertezas. Leia mais

Fé e esperança em tempos de Pandemia: breves apontamentos sobre oração, Semana Santa e Páscoa numa localidade de Montalegre

por Cristiano Pereira, doutorando em Antropologia: Políticas e Imagens da Cultura e Museologia (ISCTE-IUL, NOVA FCHS, CRIA)


Nestes últimos dias, através dos noticiários, foi possível observar que, para muitos, a fé e Deus parecem mais fortes do que o vírus. Para outros, a fé é agora mais importante e necessária do que em momentos anteriores, continuando a ser vivida intensamente, mesmo no respeito das normas de confinamento e do estado de emergência, nem que para isso se procurem novas estratégias, novas formas de alimentar esta relação íntima e coletiva com Deus. Leia mais

APARTAMENTXS VENTUR (#2) – uma desenhonovela

por Marco Fagundes Vasconcelos (desenhos), Filipe Ferraz (textos), Mariana Camacho (design)


O artista plástico Marco Fagundes Vasconcelos começou a publicar diariamente estes desenhos no facebook quando iniciou o seu período de confinamento. Filipe Ferraz apropriou-se das obras e acrescentou os textos. Quando enviou a sua versão ao artista, ele não demonstrou grande entusiasmo. Mas não se opõe à publicação. A atitude pode ser considerada de elevada cordialidade.


[ hoje publicamos a 2ª prancha. Veja a 1ª aqui ]

Leia mais

DERIVA COTIDIANA | Vida de Apartamento

por Rafael F. A. Bezzon, doutorando em Ciências Sociais  da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Brasil


O antropólogo francês Michel Agier defende em um de seus livros (Encontros Etnográficos – contexto, interação, comparação, 2015), e concordo com ele, que “Não existe etnólogo sem uma partida, sem sair de casa e ir olhar o mundo […]”. Em tempos de circulação controlada de pessoas, coisas e mercadorias, esse movimento de pesquisa, orientado por princípios como o de “Olhar, Ouvir e Escrever” – para lembrar os ensinamentos do antropólogo Roberto Cardoso de Oliveira -, se mostra um tanto quanto complicado. Leia mais

PARIS NÃO É UMA FESTA*

por Fabiela Bigossi, doutorada em Antropologia Social, investigadora no Observatório Regional de Saúde de Île-de-France (Paris, França)


O isolamento social, medida privilegiada pela maioria dos países no combate à epidemia da COVID-19, reconfigurou a sociabilidade quotidiana. As tecnologias de informação e comunicação presentes na vida de grande parte da população mundial tomaram fôlego como a forma mais segura de continuarmos em contato. Para as gerações e classes que «nasceram conectadas» ao mundo virtual, a sociabilidade vivida através das redes sociais não é novidade. Importante salientar que o aumento das possibilidades de se conectar a sua rede de amigos, familiares e profissionais não contempla todas as pessoas. Seja pela falta de acesso a aparelhos e redes de conexão ou por não dominar o uso das tais tecnologias de comunicação e de informação. Leia mais

ATIVISMO CONFINADO

por Dora Rebelo, doutoranda em Antropologia (CRIA-ISCTE)


 

Migrar do agir interventivo da psicologia humanitária para um modo de estar mais reflexivo, no doutoramento em antropologia; até foi estimulante, no início. Mas, ao navegar complexidades estruturais, pessoais e sociais colocadas pelo projeto de investigação, pelas minhas próprias expetativas e pela estrutura académica, tão mais rígida do que aparentava ser, esbardalhei-me (utilizamos pouco este verbo transitivo e pronominal) um pouco. Leia mais

A QUARENTENA DA FÉ

por Rita Andrade, doutoranda em Antropologia pelo ISCTE e NOVA FCSH


No dia 14 de março foi anunciado o fecho de uma pequena igreja evangélica na periferia de Lisboa, devido à pandemia. Dias antes do encerramento do país, os migrantes brasileiros assistiam com preocupação ao fim dos cultos. Fim esse já anunciado e previsto.

Leia mais

Um parágrafo no confinamento com crianças

por Ricardo Falcão, doutorado em Estudos Africanos pelo ISCTE, investigador do Centro de Estudos Internacionais (CEI-ISCTE)


A minha filha mais velha, nove anos, leu recentemente “O Principezinho”, um pequeno tesouro que continua a passar de mão em mão. O livro foi oferecido por uma colega da mãe, que gentilmente lhe escreveu uma dedicatória, no seu último aniversário, já este ano, mas antes do COVID-19. A leitura completa precisou de alguma motivação “extra”, dada por um pai chato e de um período de corte de privilégios televisivos. Leu por não saber já o que fazer em relação à resposta negativa à pergunta: “Pai, já posso ver televisão?”. “Não, enquanto te mantiveres nesse automatismo de querer acabar tudo depressa, comer a correr, fazer os trabalhos sem prestar atenção, apenas para te ires embrutecer inativa à frente de um ecrã, não. Tu não estás proibida de ver televisão, nós vamos é mudar esse automatismo, acabar com ele, depois podes ver televisão”, disse-lhe o pai muito convencido do que estava a dizer. Leia mais

Sabe aquela sensação de quase perto?

por Normando José Queiroz Viana, Professor adjunto da Faculdade de Psicologia – FAPSI,  Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará – UNIFESSPA


Sabe aquela sensação de “quase perto”? Pronto. Esta é a nova experiência emocional que este tempo de pandemia tem me apresentado. Há poucos dias recebi a notícia que o pai de amigas muito queridas, que deixei em Recife, minha cidade natal, faleceu. Ao que tudo indica não se sabe ao certo, pois o resultado do exame saíra em alguns dias, devido às implicações do COVID-19.

Leia mais

NA FILA DO SUPERMERCADO

por Luís Cunha (CRIA-UMinho)


Neste nosso quotidiano alterado, uma ida ao supermercado ganhou, subitamente, um novo significado. Pretexto para deixar, por momentos, a clausura a que a pandemia nos obriga, é também uma oportunidade para espreitar os estados de alma, sobretudo aqueles de que os noticiários não dão conta. Entre a fila para entrar e a espera na caixa, passando pela demora da peixaria, há tempo para registar inconfidências e desabafos. Não garanto que a transcrição seja absolutamente exata, mas foi isto que ouvi. Leia mais

JANELAS

por Elisabete Fragoso, licenciada em Antropologia pela NOVA-FCSH | produtora e gestora cultural


O confinamento é um convite à observação, ao reparo no detalhe de coisas até então vedadas mesmo a quem habitualmente está mais atento, talvez por nunca se terem mostrado motivo de reflexão. Passámos a olhar de forma diferente os espaços habitados. A casa passa a confiar-nos uma observação mais atenta do mundo que habitamos dentro das nossas próprias narrativas. Observo os hábitos dos vizinhos dos prédios que circundam o largo onde resido. No terceiro andar de um dos edifícios na parte sul do largo, uma rapariga que se exercita no terceiro andar. Nesse mesmo prédio, pontualmente, uma mulher no quinto andar, ri e fala alto. No prédio ao lado desse, um par de pessoas faz exercícios no terraço. No edifício em frente do meu, existe uma varanda com um par de cadeiras, onde de tempos a tempos, um rapaz fuma um cigarro ou dois deles bebem um copo. No terraço desse mesmo prédio, uma dupla salta à corda e faz exercícios em sequência. No meu prédio, os vizinhos abaixo do meu andar, fazem barulho daquilo que julgo ser o exercício regular. Uns dias, algumas destas coisas são simultâneas, mas na maioria dos dias são desfasadas. Leia mais

Por que os homens protagonizam os índices de mortalidade da COVID-19?

por Naiara Maria Santana, doutoranda em Antropologia na Universidade Federal da Bahia | Gira – Grupo de Estudos Feministas


Intuo que uma velha dicotomia, em certa medida ultrapassada, mas ainda com alguma validade para pensar a espacialização das relações de gênero, possa nos dar pistas. Falo da dicotomia entre espaço público e doméstico, afinal, por mais existam exceções, há, em geral, uma dinâmica de territorialização dos gêneros em que as mulheres estão mais circunscritas aos espaços domésticos e os homens aos espaços públicos. Considerando isto, o “fique em casa” tem impactos diferentes entre mulheres e homens.

Leia mais

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search