Fenómeno total

por Bruno Urbano, licenciado em Antropologia (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Antropologia Aplicada (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (Universidade Católica de Lisboa)


Em “Ensaio sobre a dádiva”, Marcel Mauss define que “fenómenos sociais «totais», como propomos chamar-lhes, exprimem-se ao mesmo tempo e de uma só vez todas as espécies, de instituições: religiosas, jurídicas e morais — e estas políticas e familiares ao mesmo tempo; económicas — e estas supõem formas particulares da produção e do consumo, ou antes, da prestação e da distribuição; sem contar os fenómenos estéticos a que estes factos vão dar e os fenómenos morfológicos que manifestam estas instituições.” (Mauss, 1950: 55) Leia mais

CONFINARIA – novas impressões de um Tempo permanentemente (in)certo

Passado um ano do início de um ‘novo’ normal, seguimos mais ou menos confinados sem saber muito bem o que nos espera. Entre aberturas, fechamentos, reaberturas e refechamentos, não ficámos, de facto, todos bem. Muitos já pereceram, muitos sofrem e sofreram. Nunca vivemos todos o mesmo, não sentimos ou somos afectados de forma igual. A diversidade que caracteriza a condição humana também ou, sobretudo, na vulnerabilidade e nos riscos é mais evidente. Não voltámos efectivamente a um tempo ‘regular’ ou seguro, independentemente do ponto de partida de cada um. Mas a vida segue, entre dor, morte, sofrimento, perdas, realizações, adiamentos, criatividades, soluções mais ou menos imaginativas.

Leia mais

Estado de emergência e estado de calma(idade)

por Magda Ferreira


A minha história, igual a tantas outras, trouxe-me ao ser par* (e nunca mais ímpar), por ser marginal e divergente.

No presente recente, no seu ciclo secular, a Mãe Natureza trouxe um novo e forte vírus, que parou o mundo. Eu observei o que penso que todos sentiram, o nunca pode acontecer sem aviso. E a todos traz algo para melhorarmos, para recuperarmos o nosso ritmo natural, sentindo-nos tão vulneráveis ao mesmo tempo.

Somos o que pensamos? Apenas ser. Nunca me senti tão marginal e ao mesmo tempo tão livre, pois como utilizadora de drogas, éramos os únicos na rua, quebrando todas as recomendações e imposições. Leia mais

O “império” do corpo e dos sentidos: um desafio para pensar usuários da PrEP no Brasil em tempos de COVID-19

por Vladimir Bezerra, Psicólogo clínico, Doutorando em Saúde Coletiva pelo Instituto Fernandes Figueira, Fundação Oswaldo Cruz (IFF-Fiocruz) – Rio de Janeiro, Brasil


A prática clínica em psicologia tem se deparado nos últimos dois anos com alguns casos circunscritos na relação entre os sujeitos, seus corpos, e a profilaxia pré-exposição (PrEP). De modo geral, há certa predominância nas narrativas de uma experiência corporal mais intensa a partir da utilização da PrEP, fator positivo para seus usuários. Leia mais