VIRÓCULOS

por Luís Cunha (CRIA-UMinho)

Virócular é o que se chama ao exercício de ver o vírus com binóculos. As almas cândidas acharão que com binóculos não se vê o vírus, mas isso é apenas porque as almas cândidas veem o mundo com candura. Que não o veja assim o etnógrafo. Reduzido à sua varanda debruçada sobre o mundo não deve dispensar os binóculos, pois se é certo que com eles não vê o vírus, ajudam a perceber o mais aterrador da crise pandémica. Leia mais

DÁ-LA-DOU

foto do autor

por Daniel Maciel (CRIA-NOVA FCSH)


A reclusão na terra-mãe é também um retorno dos sentidos às paisagens, cheiros e barulhos. À familiaridade dos nossos espaços, à pertença recíproca. Porque eu sou daqui, e este lugar é meu. E é esta mescla de estímulos a que chamo casa, aqui, no coração do Minho, atravessado pelas múltiplas hibridizações entre o velho rural e o novo urbano. Hortas e pesticidas; muros de pedra e painéis de fibra óptica; o cheiro a estrume que o vento traz, e o constante zumbir das fábricas. Leia mais

Fé judaica, livre arbítrio e o valor supremo da vida, em tempo de pandemia

Bnei Brak, Israel, 1/4/2020). (Tomer Neuberg/Flash90)

 

por Marina Pignatelli (CRIA-ISCTE | ISCSP-ULisboa)


Os judeus foram sempre os “bodes expiatórios”, os culpados de todas as pragas e pandemias. O seu Deus é tido como mero castigador ou recompensador das ações humanas. Mas, para os judeus, Deus criou o mundo, descansou ao 7º dia, mas deu à humanidade o livre arbítrio para completar a criação. Deixou na verdade, na mundividência teleológica judaica, a ideia de que o mundo e a natureza são não só milagres divinos, mas também deixou a incumbência de que os humanos os estudem e aprendam com eles/deles. E que, quaisquer passos que tentemos dar para proteger a vida e a saúde humana do “mal” e da doença, são dados, não por acreditar que só Deus tem o domínio sobre o destino de vida ou a morte, mas porque alinhar com este plano de Deus é um dos pilares da fé judaica. Neste sentido, não só as pandemias, mas também a agencialidade das pessoas nas prevenções e precauções para lhes fazer face, são parte do plano divino judaico. Leia mais

ETNOGRAFIAS DOS NOSSOS DIAS… ESTRANHOS (1)

por Humberto Martins (CRIA-UMinho | UTAD)


Acabo de receber um email de uma colega… “Amor em tempo de coronavírus!”, glosando o título da obra de García Márquez. Conta-me ao longe o que é a sua nova realidade familiar. Amor, desespero, impaciência (e o seu reverso)… filhos, tarefas domésticas, aulas (à distância de um clique?!) Este é o primeiro dia do resto das nossas vidas! Subitamente, ou talvez não, a realidade parece que nos submerge num pesadelo. É isso que me diz Elsa, minha companheira, logo pela manhã. “Não achas que tudo isto é um pesadelo?” Ela habituada à micro e nanoescala das bactérias e fungos lá no Ricardo Jorge, no Instituto Nacional de Saúde, onde investiga há anos cianobactérias (aqueles microrganismos verdes que muito concentrados nas águas dos rios parecem algas). Nem sei bem o que dizer. Leia mais

ÁUDIO-CONFINAMENTOS: sons mundanos, canções e pandemia

por Filipe Reis (CRIA-ISCTE)


No início do meu confinamento, publiquei na minha página de Facebook um pequeno texto que tinha como epígrafe uma frase retirada do livro The Tuning of the World de Murray Shafer: “as fábricas mataram as canções”. O motivo para a evocação dessa frase estava nas imagens que então corriam o mundo, via televisão e redes sociais, de vizinhos de bairro em Itália (inicialmente em Nápoles e depois em outras cidades) assomando às suas varandas para cantar coletivamente. Leia mais

PRISÃO E PANDEMIA: o verdadeiro distanciamento social

por Afonso Bento, doutorando em Antropologia (CRIA-ISCTE)


Por estes dias, somos constantemente exortados a manter um “distanciamento social” – um termo equívoco que parece significar distanciamento físico – e a cumprir uma cidadania ativa através da autorreclusão. Sabemos, no entanto, que essa reclusão é relativa e imposta apenas pelo bom senso. Quando precisamos, saímos. Já a reclusão absoluta continua em vigor para cerca de 13 mil pessoas em Portugal e as suas privações e sofrimentos aumentam em devida proporção com as nossas. Leia mais

O VÍRUS DAS METÁFORAS

por Luís Cunha (CRIA-UMinho)


Situações como a que vivemos são propícias a manejos de linguagem, exageros expressivos, abuso de metáforas e retumbantes proclamações. Saídos de tempos desavindos com a virtude do comum, vemos por estes dias o enaltecimento da comunhão, da solidariedade e da partilha. Perante o inaudito vazio da Praça de São Pedro, o Papa encontrou uma formulação metafórica forte, apesar de banal: «Estamos todos no mesmo barco», disse. A metáfora seria mais convincente se explicasse que o barco é uma espécie de Titanic, em que uns acedem à mesa do comandante e outros viajam no porão de carga. Dir-se-á que se afundar, afundamos todos, mas essa igualdade na tragédia não consola nem apaga a desigualdade dos dias comuns. Leia mais

CONFINARIA | APRESENTAÇÃO

 

CONFINARIA – Etnografias em Tempos de Pandemia é uma proposta de Comunicação de Ciência do CRIA que consiste num blogue coletivo onde se partilham reflexões e experiências sobre os tempos vividos em contexto de pandemia causada pelo COVID-19 e que servirão para memória futura e apreciação retrospetiva destes tempos excecionais. Leia mais