A MINHA CIDADE

por Helena Camacho (texto), professora do 1º ciclo do ensino básico, Madeira


Ontem fui matar saudades da parte mais baixa da minha cidade.
Há quarenta e um dias que não ia cheirar o mar.
E lá fui pela rua João de Deus. Tudo deserto. A Francisco Franco, esta morta. No Campo da Barca, virei em direção ao mercado. Dirigi-me para a Rua de Santa Maria e acelerei o passo em direção à Barreirinha. A calçada de calhau rolado dá outra textura ao andar. Tinha saudades! Leia mais

Etnografia dos nossos dias… estranhos (67) – os suspeitos do costume

por Humberto Martins (CRIA-UMinho/UTAD)


Escrevo menos por agora sobre este tempo estranho. O desconfinamento é também um processo estranho. Desconfinamos e desconfiamos. Muitas dúvidas, muitas questões, muitas incertezas, muita desinformação… (legítimas e admissíveis) incoerências e inconsistências que, em bom rigor, se prendem com ignorâncias múltiplas sobre o que já aconteceu, o que está a acontecer e o que estará por vir. Entre o desejo de ouvir o anúncio do fim da pandemia com o selo de garantia dos espertos (especialistas) e o não saber propriamente no que e em quem acreditar resta um campo imenso de sofríveis ambiguidades. Leio noutros lugares várias teorias da conspiração – em particular sobre a propaganda do medo. Continuar a ler “Etnografia dos nossos dias… estranhos (67) – os suspeitos do costume”

Os infetados

por Marta Maia, investigadora pós-doc (CRIA-ISCTE)


Desde há meses, que me parecem anos, tal não estou eu perdida no tempo que se esvaziou da sua normalidade (normalidade, doce normalidade…), o dia-a-dia é pautado por discursos confusos, notícias angustiantes e imagens assustadoras. “Ninguém escapará ao contágio!” E como escapar ao contágio do pavor e da ansiedade? “Portugueses despedem-se desanimados”. Estaremos mesmo desanimados? “Lisboa é uma “sombra”. Será? A mim parece-me ainda mais bonita sem o ruído das multidões de turistas vagarosos e cidadãos apressados. Leia mais

Como Recomeçar?

por Jaciara Fabiane Fernandes Cavalcanti, estudante de Psicologia (Centro Universitário UNISÃOMIGUEL, Pernambuco/Brasil)


Em tempos tão sombrios e de incertezas vemos sonhos se dissipar como fumaça no ar. Nomes são transformados em números, os números da morte. E ela se aproxima cada vez mais veloz e feroz vocifera outro novo e mórbido resultado – o risco da extinção humana. Ficamos a nos perguntar quem será o próximo, quem perderá a batalha? Seguimos em isolamento social por algo invisível, assistindo passivamente o aumento de óbitos em decorrência do Covid-19. A ansiedade aumenta e atormenta, por não sabermos como será o fim, por desconhecer a próxima parada, a estação final de um trem desgovernado, chamado destino. Continuar a ler “Como Recomeçar?”

COVID-19: A Resposta de Natureza?

por Anderson Luis dos Santos, estudante de Psicologia (Centro Universitário UNISÃOMIGUEL, Pernambuco/Brasil)


Ao refletir sobre os benefícios causados pelo isolamento social no que diz respeito ao meio ambiente, percebo que foi declarado liberdade à natureza. O fato torna-se notório quando consideramos notícias como: “O Himalaia fica visível para Índia após quarentena contra o coronavírus derrubar poluição” (Folha de São Paulo, 09.04.2020); ou ainda, “Coronavírus: milhões de tartarugas bebê aproveitam confinamento humano para chegar ao mar” (BBC News Brasil, 14.05.2020). Ou seja, a natureza parece reagir de forma positiva à redução dos impactos ambientais promovidos pelo capitalismo e egocentrismo humano. Tais acontecimentos somente se tornaram possíveis graças ao pouco fluxo de pessoas nas ruas e espaços públicos, e da consequente diminuição da poluição. Continuar a ler “COVID-19: A Resposta de Natureza?”

Zoom como dispositivo artístico

por Rita Barreira, doutoranda em Estudos Artísticos- Arte e Mediações (NOVA-FCSH)


O sector da performance portuguesa organizou-se muito rapidamente face à disciplina social do estado de emergência. Os corpos confinados pela COVID-19 provocaram um fenómeno artístico que os situa e reflete com novas condições de produção, em concreto com um espaço digital redimensionado com ou como prática artística. A performance ocupou nos últimos dois meses uma relevância cruzada com o espaço online, com questões levantadas à
nova luz da presença/ausência do público; a localização ou produção de espaço inscrito em coreografia, e, mais ainda, as possibilidades formais dos dispositivos digitais na performance em si. Entre algumas criações que tive oportunidade de assistir em diretos online a partir da minha casa, reservei a primeira de todas para esta série do blogue Confinarias. Leia mais

TODOS SOMOS HERÓIS

por Sintilla Abreu Bastos Cartaxo, Mestranda em Sociologia Política na UENF (Universidade Estadual Norte Fluminense)


Em tempos de pandemia quase todos os dias a salva de palma tem sido destinada aos profissionais de saúde. Atuo na área de saúde e fiquei feliz demais, o peito cheio de orgulho, enfim a sociedade reconhece nosso valor. Leia mais

A lição da Antropologia

por Bruno Urbano, Licenciado em Antropologia (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Antropologia Aplicada (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (Universidade Católica de Lisboa)


A utilização do singular no título deste texto parecerá redutor. Seria uma subtração querer condensar o conhecimento de toda uma disciplina académica, a história e o progresso intelectual que nela se concretizam numa única expressão. Uma teoria unificadora, que sintetizasse uma área do conhecimento, estaria em oposição com uma área do saber que é caracterizada pela contextualidade das suas investigações, que a tornam ainda mais plural e diversa. Mas será precisamente nesta diversidade e pluralidade que se encontraria a tese possível: A lição da antropologia é o relativismo do humano. Leia mais

Companhia Nacional de Bailado

por Maria José Fazenda, professora coordenadora na Escola Superior de Dança do Instituto Politécnico de Lisboa, investigadora integrada no CRIA-ISCTE.


Ao longo de um mês, do início de fevereiro ao início de março de 2020, foram remontadas nos estúdios do Teatro Camões, residência da Companhia Nacional de Bailado (CNB), duas importantes obras do património da dança teatral contemporânea, A Mesa Verde [Der grüne Tisch] (1932), do alemão Kurt Jooss, e Chronicle (1936), da norte-americana Martha Graham, sob a minuciosa condução de Jeanette Vondersaar e de Elizabeth Auclair, respetivamente. Criadas entreguerras, e ainda que estilisticamente diferentes, ambas as criações registam os efeitos do contexto histórico em que são produzidas — a devastação e o êxodo causados pela guerra, as trágicas consequências sociais da longa depressão económica, do desemprego e a ascensão das ideologias fascistas na Europa —, como dele participam emocional, criativa e criticamente. Leia mais

AS SOMBRAS DOS MEUS ALUNOS

por Carlos Nuno, Escola Superior de Comunicação Social / IPL


Esta experiência – para mim inédita – de tele-aulas questionou algumas ideias feitas que tinha sobre os meus alunos, pelo menos acerca da sua relação íntima com um mundo recheado de imagens e de auto-exposições em que me habituara a situá-los. Leia mais

POR ONDE CAMINHAR?

por Eliberth Pinheiro dos Santos, estudante de Psicologia – Centro Universitário São Miguel (UNISÃOMIGUEL), Recife (Pernambuco, Brasil)


Ultimamente nossa maior dúvida consiste em saber por onde caminhar quando tudo o que buscamos se torna tão distante de nosso alcance, quando nossos esforços não são correspondidos devido à situação tão preocupante que vivemos. Leia mais

Fugir à “peste”

por Cecília Menduni Luís, doutoranda em Antropologia (CRIA-ISCTE)


Da minha janela, meço o tempo, olhando para as árvores e observando como se cobriram de folhagem desde que estou em casa. Viemos todos, aceitando tacitamente as instruções que nos deram e sentindo-nos impelidos a viver com a normalidade possível o distanciamento social. Leia mais

Uma etnografia virtual com os Suruí-Aikewara em tempo de pandemia

por Donizete Rodrigues, Professor Auxiliar da Universidade da Beira Interior e Investigador do CRIA-NOVA FCSH


Com a ajuda financeira da FCT (Portugal) e da CAPES (Brasil) comecei a desenvolver o projeto “Estudo antropológico e sociológico de identidades e expressões religiosas na Amazônia”. Seguindo a metodologia clássica antropológica (observação-participante), entre 2017 e 2019, fiz etnografia com os Suruí-Aikewara, etnia que vive no Médio Tocantins, Estado do Pará, Brasil, nomeadamente nas aldeias Sororó (sede), Itahy e Yetá. Leia mais

UM OLHAR DO/PARA O QUILOMBO 

por Antonio Jeovane da Silva Ferreira, mestrando pelo Programa Associado de Pós-Graduação em Antropologia – Unilab/Universidade Federal do Ceará


Na tentativa de burlar as sensações estarrecedoras causadas pela pandemia do novo coronavírus e de certa forma criar meu próprio sentimento de normalidade frente aos já 41 dias de distanciamento social, decidi organizar em meu pequeno quarto um espaço para estudos – uma cadeira de madeira e uma mesinha emprestada pelo vizinho. Leia mais

Desenhando um pouco de lucidez

por Giulia Cavallo, PhD em Antropologia, investigadora no CRIA-ISCTE


Sou italiana, mas moro fora do meu país de origem há 15 anos. Toda a minha vida de adulta. Há alguns anos comecei a esquecer os nomes das ruas da minha cidade natal, Turim. Da política italiana, entendo cada vez menos. Leia mais