Pets. Interações com companheiros de confinamento… não-humanos

por

Amélia Frazão-Moreira (CRIA-NOVA FCSH), Alexandre Fernandes, Catarina Fontes, Jessica Fuzeiro, Joana Silva, João Teixeira, Liliana Maria, Maria Taveira, Matilde Valentim, Mónica Costa, Patrícia Reis, Rafael Correia, Rita Grilo, Rúben Ferreira, Valeria Farina, Valter Santos, Vítor Pinto. Docente e estudantes de Etnoecologia. Licenciatura em Antropologia, NOVA FCSH. 2021.


É família. É amor. É cumplicidade.

Estas são expressões que descrevem a relação com os pets, animais “de estimação” ou “de companhia”, e que foram escutadas no decorrer de entrevistas realizadas online pelos estudantes de Etnoecologia, no segundo período de confinamento pandémico (2021). Quinze interlocutores (10 mulheres e 5 homens), com idades entre os 19 e os 56 anos, residentes em diferentes regiões de Portugal, mas também em França, Reino Unido, Brasil e Ucrânia, falaram das vivências com os seus cães, gatos, aves, tartarugas… 

Por curiosidade, em 2017, 55% dos lares em Portugal teriam pelo menos um animal de companhia (dados do estudo de mercado “Track 2 Pets” da empresa GfK), em média 2,3 animais por lar, sendo que cerca 41% do total dos animais eram cães, 22% gatos, 19% pássaros, 11% peixes e 6% outro tipo de animais. É expectável que o número, pelo menos de lares com cães, tenha aumentado com a pandemia.

Neste trabalho, ficámos a conhecer um pouco dessa realidade. Em concreto, 4 cadelas, 4 cães, 1 caturra, 10 gatas, 7 gatos, 1 porquinho-da-Índia e 1 tartaruga: Madalena, Rufi, Matilde, Mia, Mateus, Marineidji, Zezito… Nomes humanos (15 dos nomes dos 28 animais), alguns dos quais de personalidades históricas, como Gandhi, Mozart, Sinatra, ou ficcionais, como Poirot. E finalmente nomes divertidos, entre eles, a cadela Bolacha (Maria), as gatas Pepper e Salt, o cão Mysha (rato em ucraniano), o gato com nome de personagem felino animado, Garfield, e a gata Periwinkle, com nome de fada dum filme da Disney. Ou, no caso do gato Tuga, com um nome que é assumidamente simbólico, pois representa e lembra Portugal à sua dona, a viver em Paris. Ter um nome incorpora simbolicamente um animal não humano na esfera doméstica humana (como sintetiza de DeMello, 2012). Historicamente, na Europa, a tendência para dar nomes humanos aos animais de estimação tornou-se muito pronunciada no século XVIII e essa mudança foi indicativa de uma ligação mais estreita entre o animal de estimação e o proprietário (Thomas, 1991: 66).

Os entrevistados confirmam o que nos diz a literatura; a sua ligação com os pets é tão estreita como com qualquer membro da família. Nas suas próprias palavras, de um jovem que tem uma tartaruga e de uma senhora com vários animais: É sinal de casa, ela (tartaruga) não faz barulho, mas é um sinal de casa quando a vejo (…) é uma amiga ou uma irmãzinha que tenho ali; Os meus gatos e a Dama (cadela) são como família para mim, quase como filhos. Fico muito preocupada que lhes aconteça algo mau. Penso neles todos os dias quando estou longe de casa… 

Dando visibilidade pública às relações emocionais com os seus pets, alguns entrevistados publicam as suas fotos nas redes sociais, embora sem terem propriamente criado páginas específicas em nome deles. Mas é unanime a procura de imagens de outros animais de companhia, cães ou gatos, na internet, fundamentando-a pelo facto de serem engraçadas, inspiradoras ou “fofinhas”. 

Diríamos que as relações com os pets seguem um processo de antropomorfização ou humanização. Animais são como “pessoas”, reconhecidos pelas suas personalidades e particularidades individuais e pela sua agência (e.g. Fox, 2006). As respostas dos entrevistados ilustram como um animal de estimação normalmente é amado como uma criatura individual, distinta de noção de espécie ou de qualquer outra categoria, pois “a pet is a pet first, an animal second” (Fudge, 2002: 32). Isto enfim pode-nos remeter para discussões teóricas em torno dos conceitos e das fronteiras entre “pessoa”, “animal”… e acerca das razões da necessidade, afinal ancestral, de os humanos terem animais de estimação. Fiquemos aqui pela perspetiva de Haraway (2003: 35-6): as relações de amor, a busca permanente do conhecimento do outro íntimo e os inevitáveis erros cómicos e trágicos nessa demanda, merecem respeito, quer o outro seja animal ou humano (ou mesmo inanimado, na posição da autora).

As rotinas e interações dos entrevistados com os seus animais de companhia passam pelas práticas de cuidado, ligadas à alimentação e saúde, pelos passeios e pelas brincadeiras. As casas não têm zonas que lhes sejam interditas, com raras exceções em que os quartos são interditos a cães ou gatos. A alimentação dos pets é, em quase todos os lares (para 27 dos 28 entrevistados), realizada à base de rações adequadas aos tipos e às situações específicas dos animais (idade ou problemas de saúde) e pontuada por alguns “mimos” ou petiscos menos saudáveis, por exemplo, assinalando dias especiais. Em muitas das brincadeiras estão presentes brinquedos comprados propositadamente. Fica patente das descrições escutadas, a importância da grande indústria e comércio de produtos dirigidos aos animais de companhia (estima-se que, em 2019, os portugueses gastaram cerca de 500 milhões de euros por ano só em alimentação para cães e gatos; dados da Associação Portuguesa de Comerciantes de Produtos para Animais de Companhia). As despesas com os membros não humanos dos agregados domésticos, realizadas sobretudo na compra de alimentação e nas consultas de veterinário, rondam cerca de 5% dos rendimentos dos entrevistados, podendo chegar aos 10 ou 20% em algumas das casas (no estudo GfK, em 2017, a média era de 12% dos rendimentos dos agregados familiares).

E no confinamento? Para aqueles que ficaram a trabalhar em casa a interação com os seus pets intensificou-se, tornou-se mais permanente. Para todos, a presença dos animais ajudou a ultrapassar esta fase difícil, como foi relatado: (a cadela) foi uma enorme companhia e uma fonte de alegria, alguém para brincar e aliviar momentos mais tristes e tensos; (o cão) foi um grande apoio para a saúde mental e benéfico para ambos; a sua (da gata) presença ajuda muito a me sentir mais animada, tamanha é a fofura e inocência da gatinha… Os animais fizeram companhia e evitaram a solidão. Já que “pets, it is clear, do things. They can influence our behavior, affect our emotions, and even impact our health” (DeMello, 2012: 159).

31 de maio 2021 

DeMello, M. (2012) “The pet animal” in Animals and society: An introduction to human-animal studies, New York: Columbia University Press, 146-169.

Fox, R. (2006) “Animal behaviours, post-human lives: Everyday negotiations of the animal–human divide in pet-keeping”, Social & Cultural Geography, 7(4), 525-537.

Fudge, E. (2002) Animal, London: Reaktion.

Haraway, D. (2003) The companion species manifesto: Dogs, people, and significant otherness, Chicago: Prickly Paradigm Press.

Thomas, K. (1991) Man and the natural world: Changing attitudes in England 1500-1800, London: Penguin.

Fotografia da capa: DR

Homegardens – quintais, hortas, jardins, canteiros, vasos… Plantas companheiras no confinamento

por Amélia Frazão-Moreira, Aida Lopes, Alexandra Alinho Barroso, Alexandre Balreira, Alexandre Real, Ana Sofia Pedrosa, Anastasiya Vereha, Andreia Santos, Catarina Ferraz, Cátia Sousa, Clara Vieira, Constança Quaresma, Daniela Gomes, Gadea Claver Barrios, Gonçalo Tomé, Inês Aldeano, Inês Caeiro, Inés La Iglesia Mirones, Inês Osório, Inês Santos, Inés Saiz Álvarez, Joana Farinha, Joana Gusmão, Maria do Rosário Barbosa, Rafaela Nogueira, Raquel Moleiro, Rita Correia, Sara Baptista, Tânia Rodrigues , docente e estudantes de Etnoecologia (licenciatura em Antropologia, NOVA FCSH)


Podem estar num quintal, num jardim, numa varanda, numa sala ou cozinha… São as plantas das nossas mães, avós, ou lá de casa… povoam o espaço a que estamos confinados. Mas será que as conhecemos? Já pensámos porque estão ali?

Na unidade curricular de Etnoecologia, os trabalhos práticos foram substituídos pela realização de uma descrição, do registo, de um homegarden que estivesse acessível. Alguns relataram o seu próprio homegarden (quiçá, nalgum modismo não virão a falar da invenção da “auto-etnobotânica”!). Procurou-se saber que plantas aí se encontravam e as razões, memórias e emoções dos seus proprietários. Continuar a ler “Homegardens – quintais, hortas, jardins, canteiros, vasos… Plantas companheiras no confinamento”

Como Recomeçar?

por Jaciara Fabiane Fernandes Cavalcanti, estudante de Psicologia (Centro Universitário UNISÃOMIGUEL, Pernambuco/Brasil)


Em tempos tão sombrios e de incertezas vemos sonhos se dissipar como fumaça no ar. Nomes são transformados em números, os números da morte. E ela se aproxima cada vez mais veloz e feroz vocifera outro novo e mórbido resultado – o risco da extinção humana. Ficamos a nos perguntar quem será o próximo, quem perderá a batalha? Seguimos em isolamento social por algo invisível, assistindo passivamente o aumento de óbitos em decorrência do Covid-19. A ansiedade aumenta e atormenta, por não sabermos como será o fim, por desconhecer a próxima parada, a estação final de um trem desgovernado, chamado destino. Continuar a ler “Como Recomeçar?”

COVID-19: A Resposta de Natureza?

por Anderson Luis dos Santos, estudante de Psicologia (Centro Universitário UNISÃOMIGUEL, Pernambuco/Brasil)


Ao refletir sobre os benefícios causados pelo isolamento social no que diz respeito ao meio ambiente, percebo que foi declarado liberdade à natureza. O fato torna-se notório quando consideramos notícias como: “O Himalaia fica visível para Índia após quarentena contra o coronavírus derrubar poluição” (Folha de São Paulo, 09.04.2020); ou ainda, “Coronavírus: milhões de tartarugas bebê aproveitam confinamento humano para chegar ao mar” (BBC News Brasil, 14.05.2020). Ou seja, a natureza parece reagir de forma positiva à redução dos impactos ambientais promovidos pelo capitalismo e egocentrismo humano. Tais acontecimentos somente se tornaram possíveis graças ao pouco fluxo de pessoas nas ruas e espaços públicos, e da consequente diminuição da poluição. Continuar a ler “COVID-19: A Resposta de Natureza?”

PRISÃO E PANDEMIA: o verdadeiro distanciamento social

por Afonso Bento, doutorando em Antropologia (CRIA-ISCTE)


Por estes dias, somos constantemente exortados a manter um “distanciamento social” – um termo equívoco que parece significar distanciamento físico – e a cumprir uma cidadania ativa através da autorreclusão. Sabemos, no entanto, que essa reclusão é relativa e imposta apenas pelo bom senso. Quando precisamos, saímos. Já a reclusão absoluta continua em vigor para cerca de 13 mil pessoas em Portugal e as suas privações e sofrimentos aumentam em devida proporção com as nossas. Leia mais

O VÍRUS DAS METÁFORAS

por Luís Cunha (CRIA-UMinho)


Situações como a que vivemos são propícias a manejos de linguagem, exageros expressivos, abuso de metáforas e retumbantes proclamações. Saídos de tempos desavindos com a virtude do comum, vemos por estes dias o enaltecimento da comunhão, da solidariedade e da partilha. Perante o inaudito vazio da Praça de São Pedro, o Papa encontrou uma formulação metafórica forte, apesar de banal: «Estamos todos no mesmo barco», disse. A metáfora seria mais convincente se explicasse que o barco é uma espécie de Titanic, em que uns acedem à mesa do comandante e outros viajam no porão de carga. Dir-se-á que se afundar, afundamos todos, mas essa igualdade na tragédia não consola nem apaga a desigualdade dos dias comuns. Leia mais

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search