A VIDA APÓS PANDEMIA DA COVID-19

por Mariane Dornelas de Araújo de Silva,  aluna do curso de Psicologia, UNISÃOMIGUEL


Medo, insegurança, ansiedade, luto, essas palavras resumem a atual situação caótica de nosso cotidiano. O isolamento social diante da pandemia da COVID-19 tem impactado significativamente tanto o estado físico quanto o emocional e subjetivo do homem moderno. Momento de crise imprevisível no qual o distanciamento social tem provocado sofrimento psíquico, alterado nossas rotinas, interferido em nossas emoções. As incertezas do amanhã aumentam nosso descontrole emocional diante de uma doença tão grave, nos levando muitas vezes a negar nossa própria condição ou existência. Parece que vivenciamos uma paralização do presente, o esvaziamento do futuro e até mesmo o estranhamento de si.

Leia mais

AUTORREFLEXÃO E AUTOCONHECIMENTO EM TEMPOS DE PANDEMIA

por Fernanda da Silva Sena, aluna do curso de Psicologia, UNISÃOMIGUEL


A COVID-19 se alastra de forma pandêmica e se revela como um dos maiores desafios da atualidade. Ameaça tudo o que amamos, veneramos e que dá significado a nossas vidas. O isolamento social não apenas nos obriga ao distanciamento físico, mas especialmente ao afastamento dos amigos, parentes próximos, dos espaços de socialização e lazer. Impõe-nos ainda longo tempo de solidão, forçando-nos a um processo de autorreflexão. Leia mais

#enfrentaroCOVID – 4. Medos

por José Carlos Pinto da Costa, PhD em Antropologia, investigador no CRIA-NOVA FCSH


Figura 1. Cena retirada do filme “O Cavalo de Turim”, de Béla Tarr e Ágnes Hranitzky

A maior parte dos depoimentos dos participantes na twitenografia sobre como enfrentar a COVID-19 aludem direta ou indiretamente ao medo. No total, foram registadas mais de sete dezenas de eventos em que essas alusões apareciam. O objetivo deste ensaio é apresentar os riscos associados à pandemia da COVID-19 percebidos pelos participantes na twitenografia. Num ponto prévio, como mote, falo sobre a geografia do medo. Em seguida, apresento as perceções dos informantes sobre os riscos associados à pandemia, arrumando-as em quatro categorias: a perceção do medo pela saúde, a perceção do medo da morte, a perceção do medo do abandono e a perceção do medo pelo futuro. Acabo o ensaio com uma breve reflexão sobre as marcas da pandemia e sobre a eventualidade de a perceção de um risco global para a humanidade poder contribuir para a assunção de um ‘momento cosmopolita’.[1]

Leia mais

A partilha da dor em tempos de pandemia

por Monalisa Espíndola, mestranda em Antropologia (NOVA FCSH)


Província de Hubei, Wuhan, China. Em meados de dezembro a notícia da existência de um novo e perigoso vírus soava-me tão distante quanto a localização geográfica da origem do primeiro epicentro. No inverno português, a passar frio mesmo dentro do apartamento (afinal vim do litoral do nordeste brasileiro, onde um sopro fresco parece um ar-condicionado no máximo), com saudades de casa, da família, finalmente pude receber alguns familiares para cearmos juntos no Natal e no Ano Novo. Passei algumas semanas bastante dodói, e tive a sorte de ser cuidada pela minha mãe. Foram dias de nirvana ao lado daquela senhora engraçada que me pariu. Sei que para alguns ser mandado à “puta que te pariu” é de grandessíssima ofensa. Eu estava morta de felicidade, e sempre que posso retorno ao seu colo. Pois é, mas confraternizar e poder estar no colo de quem amamos, assumiria uma outra configuração nos meses a seguir. Leia mais

REINVENTANDO O FAZER. AFINAL, COMO ENXERGAR A VIDA PÓS PANDEMIA?

por Ranielly Dornelas de Araújo Paula, estudante de Psicologia (Centro Universitário UNISÃOMIGUEL, Pernambuco/Brasil)


Dormimos em um mundo e acordamos em outro completamente diferente do habitual. De repente abraços e beijos se tornaram armas e distanciar se tornou ato de amor.  A Disney não tem mais o mesmo encanto, magia, beleza, a muralha da China não é mais fortaleza e nosso Cristo redentor clama por todas as pessoas que foram e estão sendo reduzidas a números de óbitos todos os dias, sem nem se quer ter a oportunidade de uma despedida!  São pessoas que, assim como nós, leitores desse texto, eram o amor da vida de outras pessoas, tinham sonhos e objetivos que com certeza não se resumiriam a ser mais um no leito de uma unidade hospitalar. Leia mais

A casa e a rua em tempos de pandemia de COVID-19

por Igor Gonçalves Pereira (Graduando em História, ESR-UFF), Aline Ferreira de Azevedo Cruz (Arquiteta e Urbanista), Diogo da Cruz Ferreira (Doutor em Políticas Sociais PPGPS/UENF), Larissa dos Santos Silva (Graduanda em Administração Pública, UENF/CCH), Débora Monteiro de Souza Sales (Graduanda em Administração Pública, UENF/CCH), Teresa Peixoto Faria (Professora/Pesquisadora, UENF/CCH/LEEA)


Apresentação

Com a campanha #Fiqueemcasa, a casa adquire centralidade e atenção pública no contexto da pandemia  COVID-19. Geralmente, a casa é vista apenas como o invólucro arquitetônico, do lugar do descanso e da vida doméstica, a moradia, para além dessas definições, torna-se o palco em que os homens voltam-se para o íntimo e se projetam para o espaço público (BREVIGLIERI, 2002).

Leia mais

Mariquita Iemanjá

por Lucas Barreto de Souza, antropólogo/ pesquisador, pós-graduando em antropologia (PPGA/UFBA)


Largo da Mariquita, o “olho do furacão”. O apelido é um pouco exagerado, mas há uma espécie de gargalo em um ponto no qual afluem automóveis por três sentido distintos, o que em horário de pico, congestiona consideravelmente o trânsito. Isto além da conhecida noite do bairro boêmio. Justo nesse largo morei do segundo ao sétimo ano de vida. A pizzaria vapt-vupt, delivery de pizza, como sugere o nome, à esquerda; à direita, a Rio móveis; abaixo, a farmácia Santana e o bar de Ernesto, o português. Acima, só o céu, mas bem longe porque o prédio era bem baixinho. O destaque sonoro era a tampa de esgoto da embasa (a empresa fornecedora de água), solta, a se balançar e estrondar a noite inteira, invariavelmente, todas as noites – bastava passar veículo por sobre. Leia mais

Verbete pandémico

por Francisco Freire, PhD em Antropologia (NOVA FCSH), investigador do CRIA-NOVA FCSH, PI do projeto ERC CAPSHARA


Contra a espectativa de alguns agoirentos animais, avançamos, sem rebuço (como nos diz o estado), para uma primavera de mera calamidade. As liberdades e garantias estão de volta! A constituição, apoiada pela distribuição de máscaras e viseiras, volta a reger os destinos de uma turba animada com a possibilidade de voltar ao posto de trabalho e de rapidamente se despir em calientes areais. Leia mais

O pandemónio da ciência: ruídos e silêncios

por Vasco Gil Calado, PhD em Antropologia (ISCTE) e investigador no SICAD


Não há dúvida que vivemos tempos de afirmação da ciência em geral e das biociências em particular. Tanto quanto me lembro, nunca como agora lhes foi dada tanta importância e jamais os avanços tecnológicos foram vistos como absolutamente cruciais, incluindo, para alguns, como o garante da sobrevivência da espécie, sob ameaça de um vírus desconhecido. Ler mais

Desconfinamento: reabertura das “lojas chinesas”

por Henrique Chaves (CICS.NOVA-FCSH)


No dia 18 de maio, a lojinha que vende um bocadinho de tudo, vulgarmente chamada de “loja chinesa”, que fica aqui pertinho da minha casa, reabriu. Precisava de passar por lá para ver uma série de coisinhas, aquelas que em conjunto e ao pé de casa só encontramos nestas lojas.

Leia mais

A MINHA CIDADE

por Helena Camacho (texto), professora do 1º ciclo do ensino básico, Madeira


Ontem fui matar saudades da parte mais baixa da minha cidade.
Há quarenta e um dias que não ia cheirar o mar.
E lá fui pela rua João de Deus. Tudo deserto. A Francisco Franco, esta morta. No Campo da Barca, virei em direção ao mercado. Dirigi-me para a Rua de Santa Maria e acelerei o passo em direção à Barreirinha. A calçada de calhau rolado dá outra textura ao andar. Tinha saudades! Leia mais

#enfrentaroCOVID – 3. Communitas

por José Carlos Pinto da Costa, PhD em Antropologia, investigador no CRIA-NOVA FCSH


Não será decerto descabido olhar para o período de confinamento como sendo uma passagem entre a vida normal e a vida pós-normal, ou entre o velho normal e o novo normal. Neste percurso, as fases dos ritos de passagem descritas por Arnold Van Gennep – separação, liminaridade e reagregação[1] – e esquematizadas no diagrama mostrado acima são facilmente discerníveis. Por exemplo, alguns profissionais das atividades tidas por não fundamentais para debelar a pandemia da COVID-19 ou para manter os serviços essenciais a funcionar foram desinvestidos do seu estatuto de agentes economicamente úteis e impelidos a projetar a sua vida em função das repercussões incertas do lay off, tendo, em muitos casos, que recorrer a medidas de apoio e de segurança social. Neste exemplo, o desinvestimento de estatuto separa estes profissionais dos profissionais de plena participação (o seu anterior estatuto), colocando-os num plano de liminaridade durante o qual são incitados a explorar as possibilidades de readquirirem a participação plena e eventualmente serem reagregados (incorporação num novo estatuto).

Leia mais

O “império” do corpo e dos sentidos: um desafio para pensar usuários da PrEP no Brasil em tempos de COVID-19

por Vladimir Bezerra, Psicólogo clínico, Doutorando em Saúde Coletiva pelo Instituto Fernandes Figueira, Fundação Oswaldo Cruz (IFF-Fiocruz) – Rio de Janeiro, Brasil


A prática clínica em psicologia tem se deparado nos últimos dois anos com alguns casos circunscritos na relação entre os sujeitos, seus corpos, e a profilaxia pré-exposição (PrEP). De modo geral, há certa predominância nas narrativas de uma experiência corporal mais intensa a partir da utilização da PrEP, fator positivo para seus usuários. Leia mais

Etnografia dos nossos dias… estranhos (67) – os suspeitos do costume

por Humberto Martins (CRIA-UMinho/UTAD)


Escrevo menos por agora sobre este tempo estranho. O desconfinamento é também um processo estranho. Desconfinamos e desconfiamos. Muitas dúvidas, muitas questões, muitas incertezas, muita desinformação… (legítimas e admissíveis) incoerências e inconsistências que, em bom rigor, se prendem com ignorâncias múltiplas sobre o que já aconteceu, o que está a acontecer e o que estará por vir. Entre o desejo de ouvir o anúncio do fim da pandemia com o selo de garantia dos espertos (especialistas) e o não saber propriamente no que e em quem acreditar resta um campo imenso de sofríveis ambiguidades. Leio noutros lugares várias teorias da conspiração – em particular sobre a propaganda do medo. Continuar a ler “Etnografia dos nossos dias… estranhos (67) – os suspeitos do costume”