Sem liberdade de “ir e vir” mas de permanecer

por Adriana Dutra, Antenora Siqueira, Caterine Reginensi, Dines Rangel, Flavia Alvarenga, Franciele Alvarenga, Pollyana Pimentel


TEXTO INTRODUTIVO

Este texto tem origem a partir da realização de duas oficinas de planejamento de um Photovoice. O método deveria ser experimentado com jovens atingidos pelas enchentes, no município de Campos dos Goytacazes/RJ, mas a pandemia do coronavírus obrigou-nos à uma mudança de rumo, levando a uma reflexão coletiva sobre a vida em tempos de distanciamento social. As oficinas aconteceram via Skype, no mês de abril. A quarentena no estado do Rio de Janeiro teve início em março. Assim, de uma apresentação teórica à uma parte prática se elaborou a pergunta: como se organiza nosso cotidiano em tempo de coronavírus? As sete participantes foram convidadas a produzirem imagens que refletissem esse momento singular que estamos experimentando. As imagens produzidas foram compartilhadas juntamente com um texto que lhe desse sentido, revelando vozes.

Cada uma, à sua maneira, elencou um espaço, um hábito, uma experiência. Observou-se que o isolamento social trouxe também oportunidades e descobertas, uma nova relação com o tempo, com as pessoas próximas e distantes, bem como consigo mesmo, de forma singular.

A CASA: O CORPO, A VARANDA, REINVENTANDO OS ESPAÇO DA VIDA

[ clique duas vezes nas imagens para aumentar e aceder aos textos ]


A CASA E NOVAS ESPERANÇAS

[ clique duas vezes nas imagens para aumentar e aceder aos textos ]


Campos dos Goytacazes (Rio de Janeiro), 6 de maio 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.