A NOVA ÉTICA DO SEXO EM TEMPOS DE PANDEMIA

por Victor Hugo de Souza Barreto, Pós-Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal Fluminense (PPGA/UFF)


Você furaria a quarentena para fazer sexo?

foto do autor

A pergunta pode parecer ser boba, mas vem tomando contornos de dilemas éticos no atual contexto da pandemia mundial da Covid-19. Afinal, nessa questão simples e direta se costuram valores como responsabilidade, comprometimento social, individualismo e cuidado.

Um interessante território de análise sobre essa questão são as conversas realizadas em aplicativos de celular. O uso dessas plataformas para encontros já é uma constante na dinâmica das relações afetivas contemporâneas independente de gênero ou sexualidade. Apesar do público usuário se concentrar numa população jovem urbana das classes médias, qualquer visita a um desses aplicativos, mesmo fora dos grandes centros urbanos, mostra que a diversidade de usuários desses serviços é grande, seja em termos de idade e poder aquisitivo quanto de raça/etnia e local de moradia.

A pandemia não diminuiu o uso dos aplicativos. Pelo contrário, o intensificou em um movimento perceptível de digitalização das relações. Notícias dão conta de um aumento de práticas como o sexting, envio de nudes e sextapes, dates virtuais e mesmo a possibilidade de continuidade da prostituição através da troca de conteúdos sexuais ou pornográficos em plataformas pagas[1].

Contudo, o contato apenas virtual não é suficiente para todos. Realizo uma pesquisa de pós-doutoramento em Antropologia sobre práticas sexuais homoeróticas tidas como “de risco” e muitos de meus interlocutores relatam a continuidade das tentativas de encontro mesmo na pandemia:

Na primeira semana de quarentena no Rio de Janeiro me chamaram no Grindr (app de engate para homens) para uma suruba. Eu disse que não poderia, que estávamos numa situação de isolamento, ainda mais que eu moro com a minha avó de 71 anos. Sabe o que eles falaram? Que eles faziam PrEP e que, por isso, não teria problema”.

A Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) é um método de prevenção à infecção pelo HIV. A PrEP consiste na tomada diária de um comprimido que impede que o vírus causador da aids infecte o organismo. O remédio não previne de outras ISTs e não há evidências de proteção sobre o coronavírus. 

Isso parece até meme! Onde está a cabeça de alguém que pensa que PrEP previne coronavírus? Bom, se as pessoas acreditam até em presidente que sugere tomar desinfetante para combater a Covid-19 né…”

Da mesma forma, algumas conversas apontam a justificativa da “imunização” no pós contaminação.

“‘Tô imunizado é o novo tomo PrEP. Hoje mesmo recebi uma mensagem no Grindr de um cara me chamando para ir na casa dele para transar. Quando respondi que não dava por causa da quarentena ele disse: Olha, eu to imunizado. Já tive o corona no mês passado e tô bem. Perguntei se ele já tinha feito o teste para saber se tinha certeza disso. Respondeu que não, que não encontrou testes disponíveis, que só teve os sintomas, mas que sabe que teve. É muito irresponsável, sabe? E ainda nem se sabe se as pessoas ficam realmente imunes após terem tido essa doença. O cara não se preocupa de passar algo pra mim ou de pegar de novo…”

Os relatos são inúmeros e apontam as diferentes negociações, justificativas e, consequentemente, moralidades envolvidas quando o assunto é sexo em tempos de isolamento. Muitos interlocutores, inclusive, fazem questão de expor em redes sociais aqueles que querem burlar a quarentena com a postagem de prints de conversas. O que posta normalmente se coloca numa posição moral superior, principalmente quando responde com uma mensagem que se costumou chamar de “lacradora”.

Tal prática não é exclusiva das relações homoeróticas e também se vê presente nas trocas heterossexuais. Os relatos de plataformas como o Tinder falam principalmente das tentativas e insistência de homens para que mulheres aceitem sair da quarentena para transar[2]. Como me relata uma amiga:

Olha, sendo bem prática, usar o Tinder agora é uma ótima pra saber qual é a da pessoa. Já identifica o boy lixo sem gastar nem o dinheiro da passagem!

A atitude servindo como uma espécie de recorte ético, de categoria eliminatória para o estabelecimento das relações.

Em um texto anterior[3] apontei como alguns interlocutores que não quiseram abrir mão de suas práticas sexuais, procuram formas de minimizar a exposição ao contágio e propagação do coronavírus. Como me explicam: “Já que a quarentena vai longe e essa situação, provavelmente, durará mais de ano e as pessoas tão surtando sem sexo, não é melhor pensar em jeitos de transar com minimização de danos?” Para isso, criam estratégias como: só encontrar parceiros sexuais já conhecidos e que estejam igualmente em isolamento, que não fazem parte do chamado “grupo de risco”, que não apresentem sintomas, que passem por todo um ritual de limpeza e higiene antes do ato sexual, dentre outros.

Até o presente momento a Covid-19 não é classificada como uma doença sexualmente transmissível. As informações com relação à presença do vírus em fluidos corporais como sêmen e secreções vaginais ainda não são exatas. A constatação da presença em fezes faz com que práticas como o sexo anal ou cunete (beijos e lambidas no ânus) se tornem possibilidades de contaminação. A preocupação maior recaindo nos beijos, troca de saliva e a própria proximidade corporal[4].

As respostas à pergunta que propus inicialmente, “Você furaria a quarentena para fazer sexo?”, portanto, não são livres de conflitos[5].

Por um lado, é importante se questionar qual o nosso papel em um acontecimento de grandes proporções, que nos afeta enquanto espécie e como devemos agir dentro de uma ética que privilegie o coletivo. Porém, por outro lado, também é válido entender, de forma pragmática e sem hipocrisia, que existem pessoas que desejam continuar com suas práticas sexuais (não querem e não vão deixar de fazê-lo) e, como cientista social, me parece pertinente analisar essas práticas, do ponto de vista de seus atores. Até para entender os desafios que esses discursos trazem às políticas de saúde e formas de prevenção (seja às ISTs ou ao coronavírus).

Uma das coisas que a terrível experiência da pandemia de hiv/aids ensinou é que o sucesso de políticas públicas é dependente de um diálogo próximo da realidade e daquilo que importa para as pessoas em suas práticas. Acompanhadas do estabelecimento de uma “ética solidária (e cidadã)”[6] que vá além da culpabilização e estigmatização.

O desafio aqui é de pensar juntos: como vamos estabelecer uma ética de troca de ações e informações nessa pandemia que não passe pelo julgamento moral?

Rio de Janeiro, 12 de maio 2020.


Referências:

[1] Fonte: http://www.panamarevista.com/no-se-si-estoy-caliente-o-aburrida/?fbclid=IwAR18lMXu5CbVytKCoy5pI4R_UfvDE_MXsyJK3nLeSyR65DYyd2jRpOKTVTY

[2] Fonte: https://www.uol.com.br/universa/noticias/redacao/2020/05/11/boy-lixo-de-quarentena-tem-homem-insistindo-para-crush-furar-isolamento.htm?utm_source=chrome&utm_medium=webalert&utm_campaign=universa&fbclid=IwAR3aAwTwo-WcjtMd-2U2-wIjrm8hqP6NjCFa9XjnXCTUwFvu0wFx51wcXOU

[3] https://www.antropologicas-epidemicas.com.br/post/pandemia-sexualidade-e-percepção-do-risco-algumas-notas-sobre-quarentena-e-desejo

[4] O Departamento de Saúde da prefeitura de Nova York lançou em março de 2020 uma espécie de cartilha com orientações específicas sobre práticas sexuais em tempos de pandemia. O documento incentiva primeiramente a prática da masturbação e do sexo virtual, além do ato com parceiros que estejam passando pelo isolamento no mesmo ambiente que você. Porém, em último caso, indica algumas formas de cuidado para interações com parceiros fora do seu isolamento. Disponível em: https://www1.nyc.gov/assets/doh/downloads/pdf/imm/covid-sex-guidance.pdf

[5] É importante apontar que “furar a quarentena” se tornou uma categoria de acusação nas redes sociais. O julgamento podendo ser agravado a depender do motivo. Ver, por exemplo, o caso emblemático no Brasil da influencer digital Gabriela Pugliesi. Famosa entre seus seguidores por propagandear um estilo de vida saudável e fitness, se viu perseguida após postar fotos de uma festa entre amigos em sua casa durante o período da quarentena. Mesmo após um vídeo com pedidos de desculpas, Gabriela teve vários contratos de trabalho com marcas rompidos e precisou desativar a sua conta devido ao volume de comentários e críticas recebidos.

[6] Fonte: http://abiaids.org.br/covid-19-e-hiv-aids-paralelos-e-licoes/33941



Citar este post
CRIA (2020, 15 Maio). A NOVA ÉTICA DO SEXO EM TEMPOS DE PANDEMIA. CONFINARIA. Recuperado em 21 de Abril de 2024, de https://doi.org/10.58079/n28v

7 comentários em “A NOVA ÉTICA DO SEXO EM TEMPOS DE PANDEMIA”

  1. O julgamento moral é que é a chave de tudo…porém na situação de pandemia, não seria o caso de prática solitária? Por um tempo???? Difícil não julgar… principalmente se estiver em cena a compulsão… de qualquer coisa…. sexo, drogas, álcool…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search