A lição da Antropologia

por Bruno Urbano, Licenciado em Antropologia (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Antropologia Aplicada (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (Universidade Católica de Lisboa)


A utilização do singular no título deste texto parecerá redutor. Seria uma subtração querer condensar o conhecimento de toda uma disciplina académica, a história e o progresso intelectual que nela se concretizam numa única expressão. Uma teoria unificadora, que sintetizasse uma área do conhecimento, estaria em oposição com uma área do saber que é caracterizada pela contextualidade das suas investigações, que a tornam ainda mais plural e diversa. Mas será precisamente nesta diversidade e pluralidade que se encontraria a tese possível: A lição da antropologia é o relativismo do humano.

foto do autor

Com esta frase pretendo evidenciar algo que não é nem original nem disruptivo, existirão milhões de experiências subjectivas de um acontecimento global como é, por definição, uma pandemia. Mesmo quando se procura activamente uma comunidade na partilha desta experiência, qualquer afirmação sobre um fenómeno humano dificilmente conseguirá ser integral e absoluta. Será incompleta e situada. A afirmação será sempre resultante de uma série de circunstâncias que podemos tentar identificar, descrever as suas contingências e, destas tentativas de apresentação, resultarão novas parcialidades.

A obsessão com um ideal holístico, com uma visão de conjunto que a linguagem na sua sequencialidade parece ser desadequada para representar, mas será também sempre evasiva noutras formas de  reprodução, será em si mesma a manifestação de uma pretensão de encontrar uma versão definitiva da realidade. O anseio de um regresso ao normal.

Embora seja a um novo normal.  Uma normalidade que recupere memórias do passado recente, ainda que sejam recordações reinterpretadas pela violência da subtração à vivência criadora destas. Após o impacto da impossibilidade voltaremos ao habitual do possível.

Regressaremos à indertiminação, à incerteza, à mudança e ao fluxo, os qualificativos que usávamos,  frequentemente, para nos referirmos aos fenómenos de transição e mobilidade que eram caracterizadores da nossa realidade. Mas, se aplicarmos a lição da antropologia, estes fenómenos, de normalidade humana, são relativos e têm o seu contraponto em realidades de permanência, de recorrência, de regularidade, de previsibilidade e de fixação.

O conhecimento, que retiramos da lição, ensina-nos que as circunstâncias que nos limitam e impedem de compreender holisticamente, porque a nossa percepção, compreensão e até a imaginação resultam de contingências, que são as mesmas que nos dão a certeza da arbitrariedade e flexibilidade da existência humana. É por conhecermos diferentes formas de humanidade, no tempo e no espaço, que podemos afirmar que a condição humana é mutável, é o contrário da inevitabilidade. Não será no estudo do humano que nos depararemos com linearidades e simplicidades, com absolutos definitivos, sem excepções ou exemplos do contrário.

Isso não é, no entanto, impedimento de encontrarmos saberes e lições, nas perspectivas que se conseguirem continuar a observar. E o que nos é dado a testemunhar exprime a importância central de uma ritualidade quotidiana. Uma ordem que pode ser articulada e participada mas nem precisa de um funcionamento colectivo coordenado e harmonioso, basta-lhe ser minimamente previsível, para que nela se inscrevam convivências, como experiências subjectivas individualizadas que são a forma como cada um aprende a sua lição.

Monte Real, 5 de maio 2020.



Citar este post
CRIA (2020, 14 Maio). A lição da Antropologia. CONFINARIA. Recuperado em 21 de Abril de 2024, de https://doi.org/10.58079/n28t

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search