Já as paredes têm voz

por Luís Cunha (CRIA-UMinho)


Durante semanas a cidade enclausurou-se. Como no poema de Konstantíno Kaváfis, «À espera dos bárbaros», o invasor parecia ter ocupado praças e ruas mesmo antes de ter chegado. As vozes que sobravam acantonavam-se nas filas do supermercado e da farmácia, para além das que nos chegavam de amigos distantes ou próximos graças à tecnologia. O resto eram novas e velhas sonoridades que se destacavam no silêncio: o trinar dos pássaros ou o rodado de um carro singular em vias rápidas onde a circulação costumava ser constante. Os avisos de suspensão da vida comum enchiam montras comerciais, e esses cartazes, alguns banais e outros surpreendentes, hão de ser um dos sinais materiais que perdurarão desta pandemia, guardados em fotos, ou talvez na arca sem fundo de algum colecionador que se lembre de os recolher.

Subitamente algo começou a mudar. Há mais gente e mais vozes, basta sair de casa para o perceber. E não é apenas porque quem observa quer ver o que não vira antes. Há sinais de mudança evidentes, um percetível movimento de viragem e vozes pintadas que nos dizem que está decretado o fim do unanimismo acrítico e que é altura das vozes dissonantes voltarem à rua. Agora já não são apenas as montras dos estabelecimentos comerciais que têm algo para nos dizer sobre o vírus. As paredes começaram também a falar e a dar voz a outras vozes.

[clique nas imagens para aumentar]

Braga, 3 de maio 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.