Companhia Nacional de Bailado

por Maria José Fazenda, professora coordenadora na Escola Superior de Dança do Instituto Politécnico de Lisboa, investigadora integrada no CRIA-ISCTE.


Ao longo de um mês, do início de fevereiro ao início de março de 2020, foram remontadas nos estúdios do Teatro Camões, residência da Companhia Nacional de Bailado (CNB), duas importantes obras do património da dança teatral contemporânea, A Mesa Verde [Der grüne Tisch] (1932), do alemão Kurt Jooss, e Chronicle (1936), da norte-americana Martha Graham, sob a minuciosa condução de Jeanette Vondersaar e de Elizabeth Auclair, respetivamente. Criadas entreguerras, e ainda que estilisticamente diferentes, ambas as criações registam os efeitos do contexto histórico em que são produzidas — a devastação e o êxodo causados pela guerra, as trágicas consequências sociais da longa depressão económica, do desemprego e a ascensão das ideologias fascistas na Europa —, como dele participam emocional, criativa e criticamente.


foto da autora

Na qualidade de observadora, acompanhei a transmissão das coreografias e a sua incorporação por parte dos bailarinos e das bailarinas da CNB, processos assegurados por meticulosas demonstrações e indicações e laboriosas repetições. O programa seria o mais relevante da temporada da Companhia e os vários espetáculos previstos assegurariam que centenas de espetadores o pudessem ver. Porém, a chegada do novo coronavírus a Portugal instala a incerteza e o medo. O espetáculo ainda foi estreado, no dia 11 de março, perante uma reduzidíssima e contraída plateia. No dia seguinte, no quadro da ação política nacional de contenção da disseminação do vírus, as atividades da CNB foram suspensas e o Teatro Camões fechou as portas.

A pandemia de Covid-19 obrigou à supressão da condição sine qua non para que a dança teatral aconteça: a copresença de bailarinos e espetadores, num mesmo lugar, ao vivo. Na internet, a CNB, à semelhança do que fazem inúmeras Companhias suas congéneres pelo mundo, encontra um meio alternativo para manter uma ligação com o público, disponibilizando online[1] reproduções de obras coreográficas, entrevistas a vários dos seus profissionais, entre outros interessantes documentos, como os pequenos vídeos dos exercícios diários de aquecimento e de manutenção técnica que os bailarinos adaptam agora à inflexibilidade do chão de um apartamento ou ao espaço exíguo de um quarto, a que muitos de nós, espectadores-cibernautas, em partilhada situação de isolamento e de adaptação ao trabalho realizado a partir de casa, acedemos à velocidade de simples operações de computador.

Estes tempos propiciam a expansão da cultura do ciberespaço e a exploração das potencialidades comunicativas e poéticas do movimento do corpo em ambiente virtual. Todavia, é a experiência única da performance de dança, pela qual os sujeitos artísticos, em presença, nos convocam para refletir sobre o nosso nundo que realmente nos afeta ou instiga, nos transporta ou transforma, a que aspiramos.

Lisboa, 3 de maio 2020.

[1] V. https://instagram.com/cnbportugal?igshid=x50xj7xdf6h5



Citar este post
CRIA (2020, 8 Maio). Companhia Nacional de Bailado. CONFINARIA. Recuperado em 27 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/n28q

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search