AS SOMBRAS DOS MEUS ALUNOS

por Carlos Nuno, Escola Superior de Comunicação Social / IPL


Esta experiência – para mim inédita – de tele-aulas questionou algumas ideias feitas que tinha sobre os meus alunos, pelo menos acerca da sua relação íntima com um mundo recheado de imagens e de auto-exposições em que me habituara a situá-los.

foto do autor

Agora, ao ligar no computador as plataformas a que me vejo obrigado para continuar as aulas, fico a olhar para uma colecção de pequenos rectângulos negros, etiquetados com os nomes listados nas pautas, limitando-me a acreditar que atrás dessas sombras estarão os rapazes e as raparigas que costumava encontrar na Escola.

Às minhas primeiras perguntas de estranheza, as respostas foram ligeiras e vagas, “quando for preciso eu ligo a câmara”, “não vale a pena”, “estou assim vestida mais à vontade”… Depois de alguma insistência, alguns lá foram vencendo a relutância e confessando o que era mais ou menos óbvio, a possibilidade de uma ausência temporária, a dispersão da atenção, o receio de intrusões inesperadas de um irmão pequeno ou de um avô desorientado, a escusa da preparação de um cenário “apresentável”.

Nesta ampliação distorcida da cenografia das aulas expositivas, em que o professor é o centro da geometria e do discurso mas a turma não fica exposta individualmente ao seu olhar, aparecia, afinal, uma resistência surda à submissão a esta espécie de um novo panóptico multiplicado. Mesmo que de modo provisório, aqueles véus escuros ainda lhes dão algum resguardo – ou ilusão de controle – das situações em que cada um ficaria debaixo do foco das pequenas câmaras que os vigiam e expõem, não só ao professor mas também a cada um dos outros, permitindo verificar o cumprimento de comportamentos normativos e, além disso, a composição dos seus ambientes pessoais.

Lisboa, 30 abril 2020.



Citar este post
CRIA (2020, 8 Maio). AS SOMBRAS DOS MEUS ALUNOS. CONFINARIA. Recuperado em 27 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/n28o

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search