POR ONDE CAMINHAR?

por Eliberth Pinheiro dos Santos, estudante de Psicologia – Centro Universitário São Miguel (UNISÃOMIGUEL), Recife (Pernambuco, Brasil)


Ultimamente nossa maior dúvida consiste em saber por onde caminhar quando tudo o que buscamos se torna tão distante de nosso alcance, quando nossos esforços não são correspondidos devido à situação tão preocupante que vivemos.

Photo by Pop & Zebra on Unsplash

 

 

 

 

 

 

 

 

Às vezes acreditamos que é quase impossível repensar a forma de viver a vida, pois chegamos ao extremo de uma realidade que a cada dia tem se tornado ainda mais dura e palpável. Seria este, o momento de realinhar os nossos passos ou direção? Buscamos sempre nos adaptar ao que a vida propõe, mas chega uma hora que parece que a mesma vem na contramão de nossos ideais, e ficamos como crianças, lutando para satisfazer necessidade e desejos básicos e imprescindíveis. E aí surge à pergunta que não cala: por onde, e para onde estamos caminhando? Estamos na direção certa? Será que precisamos de um novo modelo de vida, pelo qual não precisaríamos nos sentir tão culpados pela tragédia atual? Então, bate uma angústia, uma ansiedade que dispara sentimentos de culpa, medo e solidão. As lágrimas insistem em cair, alimentando a desesperança, o que torna os dias ainda mais sombrios e obscuros.

Imprensa e mídias sociais tentam diariamente manipular nosso modo de ver e sentir a realidade, nossa forma de viver e de direcionar a caminhada de forma autônoma e consciente. Estamos em uma via de mão dupla, onde a conjuntura parece opor-se ao que sempre sonhamos. Em prol de seus próprios interesses, a indústria da informação faz com que reformulemos no nosso estilo de vida, nos fazendo sentir responsáveis por algo que não nos cabe.

Esta sensação de culpabilidade tem contribuído para aumentar o descontrole emocional e fragilizado a todos, independente de classe social, raça/etnia ou posicionamentos político e religioso. A mídia não parece realmente preocupada com os impactos colaterais do excesso de informações, muitas vezes contraditórias. A política não dá respostas concretas e parece chorar ao ver seus principais líderes abandonarem os princípios governamentais que regem direitos constitucionais dirigidos ao atendimento e a assistência do bem comum, em trocas por garantias eleitoreiras pautadas em ideologias excludentes e fascistas. O modelo político atual e o capitalismo selvagem e insano instauraram o caos, com consequências devastadoras, especialmente às minorias.

Por sua vez, religiosos pregam a crença em um poder sobrenatural, pelo qual alegam que tudo já estava previsto, e que é o resultado de nossas escolhas e da desobediência ao sagrado. A religião também não tem oferecido respostas palpáveis. Assim, o isolamento social promovido pela COVID-19 tem-nos levado a repensar incessantemente, inclusive, sobre possíveis culpados pela realidade vivida. Se é que existem culpados!

E neste contexto, confuso e conturbado, a grande questão parece residir unicamente no ato de decidir por quem se deixar influenciar. Mídia, Politica e Religião perderam a credibilidade diante do invisível e inevitável extermínio da vida humana? E se assim o for, para que servem então? Estas são dúvidas atuais, e que vão continuar exigindo reflexões e, consequentemente, tomadas de decisões sobre por onde devemos caminhar, e como construiremos uma nova existência futura, e mais humana e segura.

Recife (Pernambuco, Brasil), 3 de maio 2020.



Citar este post
CRIA (2020, 7 Maio). POR ONDE CAMINHAR? CONFINARIA. Recuperado em 27 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/n28m

Um comentário em “POR ONDE CAMINHAR?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search