Fugir à “peste”

por Cecília Menduni Luís, doutoranda em Antropologia (CRIA-ISCTE)


Da minha janela, meço o tempo, olhando para as árvores e observando como se cobriram de folhagem desde que estou em casa. Viemos todos, aceitando tacitamente as instruções que nos deram e sentindo-nos impelidos a viver com a normalidade possível o distanciamento social.

foto da autora

A nossa capacidade de adaptação a este novo modelo, que nos foi “oferecido” quase sem avisar, é a nossa resposta à manutenção de um equilíbrio emocional; mas é também o reflexo da fuga à “peste” já instalada e referida por Giorgio Agamben, na sua “Reflexão sobre a Peste”, para o Quodlibet;  de acordo com Agamben, “as condições de vida das pessoas tinham-se tornado tais que foi suficiente um sinal repentino para que estas surgissem pelo que eram – isto é, intoleráveis, como uma peste”.

Acrescentaria eu que, de acordo com esta perspetiva, mas não fazendo alusão às questões biopolíticas geradas pela pandemia  que têm sido abordadas pelo autor,  este não é apenas um confinamento provocado por um vírus, mas a procura de um outro modo de estar, de viver, de trabalhar, num tempo com outra velocidade, que se espera que permita a existência de espaço para  tudo aquilo que não cabia nos dias “normais”.

Saindo de um quotidiano que não queríamos viver e que tem vindo a ser adiado, temos agora tempo para rever os modelos instituídos, não só avaliando as nossas práticas, como a importância da falta delas lá fora, algo que só foi possível com a vinda de uma peste para combater a própria “peste”.

Lisboa, 30 de abril 2020.

Referência bibliográfica

AGAMBEN, Giorgio, Riflessioni sulla peste, in Quodlibet, 27/03/2020, Disponível em https://www.quodlibet.it/giorgio-agamben-riflessioni-sulla-peste.



Citar este post
CRIA (2020, 6 Maio). Fugir à “peste”. CONFINARIA. Recuperado em 27 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/n28l

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search