Um lugar na Floresta (I)

por Ema Pires, Professora Auxiliar na Universidade de Évora e IHC.UÉvora, investigadora do CRIA-ISCTE


É a segunda vez, no século XXI, que a Mó está recluída sobre si mesma.

foto da autora

A primeira vez que aconteceu foi em agosto de 2003. Era início de um agosto quente, quando um incêndio queimou tudo o que a vista alcança. O fogo chegou de noite. Os moradores, auto-organizados, resistiram e defenderam a aldeia, salvando-a do fogo, com a entreajuda de todos, e a ajuda posterior dos bombeiros. Nessa altura o isolamento foi grande, porque o fogo queimou linhas telefónicas, postes de electricidade, e também fez arder a esperança das pessoas no futuro. Depois do fogo, e nos anos seguintes, a aldeia encolheu: várias pessoas migraram, outras morreram. Em 2020, dezassete anos passados, a Mó volta a estar recluída sobre si mesma. Mas, desta vez, a aldeia não encolheu, esticou: quatro casas da aldeia voltaram a ter gente. Gente que foge da cidade em busca das raízes e de um lugar seguro, na floresta de pinhais, para passar o tempo da emergencial da pandemia.

Ao longo das últimas seis semanas, aceder à internet é um desafio diário, que obriga os moradores da Mó a sair de casa para subir à montanha. Para trabalhar ou simplesmente para comunicar, as pessoas sobem (a pé e ou de carro) ao alto da Barreira, montanha localizada a noroeste da aldeia. Regularmente, ali acorrem várias pessoas: o Carlos (empresário), a Irene (funcionária pública reformada), o Paulo (professor), a Sandra (revisora oficial de contas), , o André (desempregado), a Leonor (reformada), a Maia e o Manuel (estudantes de ensino básico). E ainda eu (antropóloga).

Todos coexistimos neste espaço de encontro, onde intermitentemente nos cruzamos, à distância, em diferentes dias da semana e em diferentes horas do dia. Todos habitamos esta montanha, transformada agora em varanda de falar ao telefone e viajar até ao mundo virtual.

Mó, Proença-a-Nova, 29 de abril 2020.05



Citar este post
CRIA (2020, 5 Maio). Um lugar na Floresta (I). CONFINARIA. Recuperado em 27 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/n28k

2 comentários em “Um lugar na Floresta (I)”

  1. Ema querida,
    Eu gostei tanto.
    Eu fiquei a imaginar tanta coisa! A morfologia de Mó. O casario. O tipo de comida. A vida de cada um dos personagens. As caminhadas até à montanha. Fiquei pensando se fosse no alto inverno. Aguçou a minha imaginação.

  2. Suas palavras me conduziram até a Mó, onde me vi andando pelos caminhos estreitos, em meio a toda natureza que enriquece e valoriza o que é a Vida de Verdade!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search