UM OLHAR DO/PARA O QUILOMBO 

por Antonio Jeovane da Silva Ferreira, mestrando pelo Programa Associado de Pós-Graduação em Antropologia – Unilab/Universidade Federal do Ceará


Na tentativa de burlar as sensações estarrecedoras causadas pela pandemia do novo coronavírus e de certa forma criar meu próprio sentimento de normalidade frente aos já 41 dias de distanciamento social, decidi organizar em meu pequeno quarto um espaço para estudos – uma cadeira de madeira e uma mesinha emprestada pelo vizinho.

foto do autor

O local escolhido foi estratégico, pois pela fresta da janela consigo acompanhar diariamente a movimentação na rua e o ritmo, ainda acelerado, no quilombo. Há certa rotina. As rodas de conversa nas calçadas ou no meio da rua tem se estendido pela tarde e seguido noite adentro. Risadas altas, cheiro de álcool, vozes, trabalho…

– “Olha o picoleeeeé…” – grita pela rua um trabalhador informal (outsider).

Estas são cenas do cotidiano, repletas de vida e força. A liberdade que aqui tanto se usufrui foi conquistada à base de sangue, de luta e resistência. Todavia, os tempos mudaram e agora é hora de desacelerar a vida e atender às recomendações de distanciamento social diante da alta possibilidade de contágio e transmissão do coronavírus.

O celular vibra. Interrompo as leituras e visualizo a mensagem. Um caso confirmado ali, outro suspeito acolá. A sensação é de que o cerco está se fechando e que em breve chegará até nós também. Acesso o Facebook e de cara vejo uma postagem que me deixa atônito, era o último boletim epidemiológico em comunidades quilombolas atualizado pela CONAQ[1] sinalizando a já existência de 08 casos confirmados, 38 em monitoramento e 08 óbitos em diferentes quilombos e regiões do país[2]. O alerta soou forte. O coração descompassou em uma frenética arritmia. Sim, o novo coronavírus chegou aos quilombos.

O medo é um sentimento eminente. Mais ainda se pensar que este vírus poderá estar circulando aqui, pois isto poderá representar um verdadeiro caos principalmente para os guardiões da memória quilombola, os mais velhos. Eles possuem algo de preço inestimável: o conhecimento ancestral, as histórias de luta e resistência. Eles são fonte e base para a identidade de um povo que é construída desde África.

Uma estratégia que já faz parte dessa trajetória precisa ser evocada. O momento é de traçar novos caminhos, refazer rotinas, fechar porteiras e de proteger a todos, principalmente os griôs.

Horizonte (Quilombo de Alto Alegre), Ceará (Brasil), 28 de abril de 2020.

[1] Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas
[2] Acessar: http://conaq.org.br/noticias/conaq-publica-novas-cartilhas-com-orientacoes-relacionadas-a-covid-19-e-ao-auxilio-emergencial/



Citar este post
CRIA (2020, 5 Maio). UM OLHAR DO/PARA O QUILOMBO . CONFINARIA. Recuperado em 27 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/n28i

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search