Confinados, desconfiados, desafiados

por Ana Santos, PhD Sociologia, Professora do Departamento de Educação Ciências Sociais e Humanidades da FMH-UL, investigadora no CRIA-ISCTE


Confinados à secretária, à mesa da cozinha, a um canto da sala,
Nunca estamos sozinhos, apesar de presos, de faces iluminadas frente a ecrãs cheios de gente.
As janelas multiplicam-se, pior que o vírus, tanta é a tarefa que cada uma representa.
Os prazos estalam, são os dos projetos da FCT, os dos artigos de impact factor, os novos planeamentos de acompanhamentos à distância, as teses e relatórios para acabar de ler, os slides com design mais apelativo e, aconselham agora, com mais texto…

Photo by Guido Hofmann on Unsplash

Aqui somos três, todas de headphones, todas próximas do 5G, fonte de virtude, de suposta qualidade de comunicação.
No tempo de aula, têm de se pirar, porque continuo a falar para o fundo da sala, não quero que os da fila de trás deixem de me ouvir, de me escutar… do outro lado do ecrã estão os alunos a baixar o volume, coitados! São tantos os anos a projectar a voz que, emocionada esqueço que este é um outro tipo de aula. Toda a aldeia onde vivo fica a saber um pouco mais sobre Desporto e Mobilidade, caso não, fechem as janelas!
Os computadores também falam sozinhos às terças-feiras pelas 8 da manhã, lá está o senhor, ora na mesa ora em cima do sofá… Não fosse ter de caminhar e fazia-lhe companhia nessa aula magistral, em que o que conta é a presença dos ecrãs.
Martela a canção da Calcanhoto, vejo tudo enquadrado, remoto controle
Farta de tela, saudade das viagens de bicicleta e, pasme-se, até da janela do carro. Quem é ela? Quem é ela?

Desconfiados, olhamos para outros e novos desafios sobre a COVID
Não bastam as notícias, as pretensas ironias replicadas à exaustão nas redes sociais sobre a COVID
As revelações do tédio feitas em fastidiosas conversas telefónicas, que já não se aguentam, sobre a COVID
Apetece mesmo é injectar com lixívia, não só o Trump, mas toda a verborreia sobre a COVID
Matar de vez este vírus, esta pandemia, acabar com este surto de tanta ideia sobre a COVID
É pouco, dizer Basta! Já não posso mais ouvir falar sobre a COVID
Viva Brecht, venha a fraqueza da memória sobre a COVID

Desafiados, “não me obriguem a ir para a rua gritar!
Que é já tempo d’ embalar a trouxa e zarpar,
Venham mais cinco de uma assentada, do branco ou tinto, que eu pago já”.
São estes versos, estas músicas, sons de revoltas de uma era,
este ano lembrada e, por muitos, cantada à janela.
A cantoria surge agora também no fim dos noticiários, são concertos improvisados nas varandas e divulgados por vídeos de telemóveis, seguros por mãos trementes.
Frente ao computador, o som escutado tem eco metálico, parece que falamos todos por canos nas reuniões via zoom.
Da cozinha vem o desconcerto, a Bimby com som impaciente lembra mais um ingrediente numa sopa a fazer, no fogão a panela de pressão bufa e já cheira a moelas, o micro-ondas aquece o arroz de ontem em tom mais regular e pausado, gosto dele porque é o mais autónomo, nesta cacofonia escapa-me o fogão cujo silêncio quase queima o pão de banana.
É neste ambiente pulsante, electrónico, tecnológico, digital, cibernético,
Fruto da nossa modernidade, também ele suscetível a virulências e alvo de vigilâncias,
que nos pedem textos, narrativas auspiciosas, odisseias, com tantos capítulos quantos os dias de confinamento.
Récitas galantes, fantasias, devaneios peregrinos, à laia de Uma viagem à volta do quarto!
Esperem um pouco, tenho no telemóvel o meu pai a perguntar algo sobre o arame da máscara;
No tablet, as notificações caiem em cascata, é a nova série do Netflix, cai o ministro por Bolsonaro no Observador, e mais uma lembrança de reunião zoom…
O relógio aperta o pulso, a Apple precisa dos meus biodados, dos mapas da minha mobilidade, tenho de ir andar, de ir correr, já volto!

Hoje e sempre:
Navegar é preciso, viver não é preciso.

Charneca (aldeia perto do Guincho, Cascais), 28 de abril 2020.



Citar este post
CRIA (2020, 1 Maio). Confinados, desconfiados, desafiados. CONFINARIA. Recuperado em 27 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/n28d

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search