Portas fechadas

por Cristiana Vale Pires, investigadora no CRIA e no CEDH – Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica do Porto


“Os ricos ficam menos ricos e os pobres ficam mais pobres”, comenta banalmente um senhor de máscara no queixo para a colaborador de uma oficina no outro lado da rua. A verdade desta frase continua a ecoar na minha cabeça.

foto da autora

Ontem de tarde o meu vizinho do lado escreve-me a informar que o carro bege, estacionado em frente a nossa casa, foi assaltado durante a tarde. Informo o meu vizinho de baixo que me confirma que infelizmente foi o carro dele. “Partiram o vidro pequeno e remexeram”, em plena luz da tarde, em frente a casas ocupadas pelo isolamento social, mas não encontraram nada para levar.

Hoje de tarde, saio de casa com o meu filho de 3 anos pela mão. À minha frente, reparo num homem de meia idade. Uma garrafa de 1,5L de água espreita pela mochila velha e com o fecho estragado. Um guarda chuva pende de um dos lados da mochila. Uma gabardine gasta esconde o resto do seu corpo. Bens essenciais para quem não tem casa para se abrigar.

Levanto o dinheiro que preciso para ir comprar bens alimentares que não são fundamentais. Mas quero fazer um caldo asiático. Quando saio vejo um senhor cuja cor morena não esconde a dureza do sol da rua. Atravesso para o outro lado da rua para evitar o desconforto da interação. Ele atravessa também. Leva na mão 3 garrafões de 5L de água vazios. Entra num talho, sai logo a seguir indignado. “Nem água dão a uma pessoa”, protesta baixinho. Desta vez não evito a interação. “Moro na rua, não é para drogas nem para bebida”. Pede-me para ir ao Pingo Doce que está ao lado comprar-lhe leite. Não nego a ajuda, mas peço-lhe que vá ele porque estou com o pequeno. Continuo a andar e não deixo que a minha consciência se tranquilize por um gesto que não me faz diferença. Que o meu privilégio não me cegue.

Continuo a andar e chego à Avenida Brasil. A contrastar com as pessoas de fatos desportivos que aproveitam o jogging para sair de casa, reconheço um senhor com problemas de alcoolismo. Em tempos trabalhou na cantina onde o meu companheiro costumava ir enquanto era jovem. Agora vagueia pelas ruas ricas da cidade. Senta-se cabisbaixo no vão da porta fechada de uma loja. O meu filho corre animado à sua frente, mas ele não levanta os olhos.

Volto para casa, fecho a porta e retorno ao privilégio do meu isolamento. Na rua, continuam aqueles a quem as portas os fecham na solidão e na exclusão.

Sento-me e escrevo este texto.

Porto, 22 de Abril 2020


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.