NOVAS JANELAS URBANAS?

por Epitacio Nunes de Souza Neto, Doutorado em Psicologia  pela Universidad del Salvador–USAL (Buenos Aires, Argentina), Professor de Psicologia na Faculdade de Integração do Sertão – FIS (Pernambuco, Brasil)


As janelas já não revelam cidades, apenas suas partes. Realidades sufocadas em paredes opressoras, enquadradas por molduras metálicas ou madeira velha, enubladas em vidraças sujas. A convivência contida, tal como as emoções diante de algo invisível e funesto. A suposta superioridade do homem, rotulada de racionalidade, está à prova em pleno século das tecnologias avançadas. Suas debilidades e fraquezas estão expostas em vazados de concreto que se acendem e apagam, revelando nuanças, tons, sutilezas e particularidades das vidas privadas, cotidianos antes sem importância ou valor. Como os semáforos, suas cores e luzes já não indicam movimentos. Estes foram cessados sem aviso prévio. Não se vai ou se vem. Não se corre mais porque não há pressa das cidades.

foto Daniel Fazio

E assim também está o Recife, inerte em sua existência e nova experiência. Tudo calmo, quieto e apático demais, compondo um cenário inexpressivo para uma metrópole que corre a velocidade dos rios que a banham. Uma urbe que vibra ao som do comércio ambulante, que ferve em disputas de classes, violências e escândalos políticos; e que, faz da loucura um estilo próprio de (com)vivência social. À frente, uma colcha de retalho disforme e monótona, que parece mais um conjunto de pequenas fotografias onde o fundo se sobrepõe e apaga sujeitos e suas personalidades. São centenas de corpos sem rostos – um rapaz discute na sala vazia; a moça sai nua do banho, desatenta às cortinas; outra chora ao celular em um sofá envelhecido; a senhora varre o quarto em lamento; o garoto olha a rua paralisada e esquecida. Silhuetas que observo sem entusiasmos. Uma ambulância voa pela avenida e todos vão às janelas, inclusive eu. O vermelho de suas lanternas parece pintar as faixadas dos prédios de sangue. Outra vida segue asfixiada pela incerteza da perenidade, enquanto o silêncio volta a sufocar os anônimos voyeurs de fenestras. Uns balançam a cabeça com penar ou aflição; outros, desolados, enxugam lágrimas involuntárias. A cena se repete duas ou três vezes ao dia e todos entoam uma espécie de cumplicidade coletiva e inconsciente. O sorriso estridente de um “morador de rua” vara a noite, e novas poses assustadas reaparecem. E como se esperassem algo medonho, o inoportuno ruído se transforma em agouro, espécie de presságio para os espectadores passivos que se mantém em alerta. É ansiedade que se chama, não é? Aquele medo que nos invade e fragiliza; que nos mantém a espreita, a espera de algo que não se sabe o que; de onde vem ou quando chega. Algo desconhecido, mas que aperta o peito e se traduz na certeza da fatalidade. Então, penso como essa pandemia nos tornou igual, sem garantias de um breve retorno à vida “normal” (?). A morte é nossa atual fonte de ansiedade, e apavora especialmente por sua incerteza e crueldade. Dizem que a espera mata! Será? Prefiro acreditar que ela salva. Este é um momento novo, porém não sendo inédito aos humanos, e que exige sabedoria e calma já que ninguém está imune. E é neste contexto que a possibilidade de morte tem gerado um medo que se estende agora ao menor contato, à aproximação involuntária no supermercado, na padaria, no banco ou mesmo no elevador do prédio. Um pânico que tem motivado olhares incertos e desconfiados em direção ao outro, evidenciando o desejo concreto e legítimo de não se tornar a próxima vítima. Relembro que os de minha geração, quando crianças, temiam o carro do papafigo – um personagem folclórico ou lendário que capturava crianças desobedientes. Agora tememos ambulâncias, representadas no senso comum como sepulcrais. Além disso, a obediência já não é uma decisão individual e voluntária, mas dependente de um coletivo, que ao contrário do que deveria se mostra resistente ao isolamento social. E lógico, já não nos cabe julgar os motivos pessoais, pois que perpassam questões socioeconômicas, religiosas, políticas e de educação. Nos sobra apenas tempo. Tempo para analisar e lamentar os contextos de riscos: o incerto se tornou o presente, e o imprevisto o futuro. E esse não tem sido apenas o meu cotidiano, mas também o das janelas urbanas que me encharcam as vistas a exatamente trinta dias de confinamento. E assim seguimos, diariamente esperando que nos batam a porta, e torcendo para que seja apenas a sorte!

Recife (Brasil), 21 de abril 2020.



Citar este post
CRIA (2020, 24 Abril). NOVAS JANELAS URBANAS? CONFINARIA. Recuperado em 27 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/n282

6 comentários em “NOVAS JANELAS URBANAS?”

  1. O texto é muito interessante, reflete bem a situação atual, porém através dessas janelas também seríamos capazes de ver algo mais, não somente o que o texto diz. Mediante a essa pandemia entendemos que a falta desse afeto nos afeta de uma forma concreta, esse distanciamento social nos deixa distantes de nós mesmos.

  2. Amei esse trecho: “Algo desconhecido, mas que aperta o peito e se traduz na certeza da fatalidade. Então, penso como essa pandemia nos tornou igual, sem garantias de um breve retorno à vida “normal” (?)”

  3. Olha! Sinceramente, meu professor descreveu o cotidiano, dia-a-dia, a vida, a cada casa, a cada indivíduo, a cada família, nesse TEXTÃO maravilhoso e verídico!
    Parabéns Professor!

  4. Uau! Muito bom… Nos faz refletir como tudo se transformou em tão pouco e afetou a todos. Vivemos a mercê do futuro não mais planejado. Cada frases nos faz refletir o quão ainda somos diferentes diante da mesma situação, apesar de sentir basicamente o mesmo sentimento, medo, ansiedade, cada um sente a sua maneira, cada um com a sua subjetividade, cada um sabendo como de fato isso tem afetado em todos os aspectos ou não. E mesmo com as singularidades, todos dependemos uns dos outros, por questão de vida.
    Gostaria de enfatizar essa parte que muito descreveu meus pensamentos:
    “Além disso, a obediência já não é uma decisão individual e voluntária, mas dependente de um coletivo, que ao contrário do que deveria se mostra resistente ao isolamento social. E lógico, já não nos cabe julgar os motivos pessoais, pois que perpassam questões socioeconômicas, religiosas, políticas e de educação. Nos sobra apenas tempo. Tempo para analisar e lamentar os contextos de riscos: o incerto se tornou o presente, e o imprevisto o futuro”.
    Muito bom!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search