COVID-19 e o discurso científico

por Helmut Paulus Kleinsorgen, doutorando em Antropologia Social na UFRJ- PPGSA (Brasil)


A partir da classificação da epidemia do coronavirus como uma pandemia, as diferentes narrativas institucionais adotadas por cada país em resposta ao alerta da OMS agruparam um vasto espectro de convicções políticas regionais em dois grandes times mundiais: aqueles que privilegiam o discurso científico hegemônico simbolizado pela própria OMS e, do outro lado da arquibancada, todos os demais que se permitem apostar nas mais variadas suposições e fontes de informação.

fonte: shutterstock

Aos 41 anos, como imigrante carioca confinado em Málaga (na Espanha) com praticamente toda minha vida adulta direcionada às ciências humanas, tudo levava a crer que meu lugar de doutor em antropologia pelo IFCS-UFRJ era óbvio.

Acompanhando o noticiário internacional por horas e horas a fio pelo Facebook, minha ansiedade se agravou em definitivo quando me vi bombardeado por uma infinidade de publicações de minha rede de contatos propagandeando recomendações de cuidados contra o coronavirus tais como beber água de 15 em 15 minutos; ingerir chás quentes; limpar as fossas nasais frequentemente com solução salina; fazer gargarejo com vinagre; aumentar a imunidade através de uma série de alimentos; tomar vitamina C e etc.

De imediato desconsiderei essas publicações que grande parte das vezes partiam de pessoas com alto grau de escolaridade, identificadas com o time defensor da quarentena e das orientações da OMS.

Minha confiança no discurso científico hegemônico virou pó quando uma série de informações antagônicas de fontes consagradas criaram uma espécie de paradoxo da máscara facial de Schrodinger: máscaras caseiras devem e não devem ser utilizadas nas ruas por pessoas sem sintomas de coronavirus.

Enquanto na Ásia a máscara foi imediatamente adotada pelos transeuntes como prevenção ao contágio, no Ocidente elas se tornaram uma incógnita durante mais de um mês em pleno ápice da pandemia na Europa.

Depois do paradoxo da máscara facial, veio o paradoxo da lavagem de todas as embalagens trazidas das ruas, o paradoxo da lavagem das roupas usadas na rua, das solas dos sapatos, dos banhos após retornar ao lar, dos banhos de sol em casa … A cada dia a lista de precauções contra o contágio é atualizada.

Durante várias semanas, enquanto a OMS oficialmente desencorajava o uso de máscaras faciais por pessoas assintomáticas, fiz compras no supermercado mascarado até a altura dos olhos com minha gola de pescoço térmica. Poucos dias atrás as máscaras se tornaram mais e mais obrigatórias tanto na Espanha quanto no Rio de Janeiro. Por sua vez, a distância de risco de contágio entre duas pessoas continua sendo revista (primeiro de um metro, depois dois metros, já se fala em seis metros).

Entre as recomendações da OMS e os vacilantes discursos governamentais, precisamos de canais interdisciplinares mais próximos das redes dos indivíduos que ecoem e articulem os anseios, demandas e saberes dos diferentes grupos. Do contrário, ambos os times desse mundial perderão as próximas eliminatórias.

Málaga (Espanha), 22 de abril de 2020.



Citar este post
CRIA (2020, 24 Abril). COVID-19 e o discurso científico. CONFINARIA. Recuperado em 26 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/n281

4 comentários em “COVID-19 e o discurso científico”

  1. Gostei! Fez uma reflexão muito bem feita, e me deu uma luz, porque no fundo, eu sempre penso que é informação demais, que sempre deixa a gente em dúvida na hora de se comportar diante da pandemia!
    *Achei massa a ilustração dos mascarados. Muito boa!

    1. Também amei essa ilustração linda, foi escolhida pelos editores do blog (deixo meu agradecimento aqui). Nesses tempos turbulentos e confusos, mais do que nunca precisamos debater diferentes formas de participação e cooperação. De um lado, o discurso científico hegemônico não é onipotente e isto ficou bastante claro em meio a tantas mortes. De outro, as pessoas sentem a necessidade de se proteger e de interagir, mas o excesso de informações não parece encontrar filtros suficientes… Esse blog, por exemplo, é uma excelente alternativa.

    2. Gostei muito do seu texto e comungo completamente da mesma opinião.
      É muito inquietante perceber quando uma teoria vai sendo escrita enquanto a situação está se desenrolado.
      Ficam lacunas faltando as certezas que deveriam constar das mesmas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search