Trocas em tempos de pandemia

por Micol Brazzabeni, PhD (Università di Firenze, Itália), investigadora sénior (CRIA-ISCTE)


Os dias seguem-se aparentemente iguais em tempos de “confinamento”.

As rotinas proporcionam alguma forma insólita de resistência.

Dentro da rotina, outras rotinas improvisam-se. Um colega e amigo desafia-me a fotografar, sem tema específico, todos os dias. Todos os dias, uma rotina para resistir, pensei eu. Uma “ideia para adiar o fim do mundo” (Krenak, 2019).

[ clique nas imagens para aumentar ]

Ao princípio senti aperto. A sensação claustrofóbica de uma espécie de autorretrato, de monologo monocórdico. O que fotografar dentro de casa ou nos metros disponíveis fora das suas paredes? Pensei que tinha que praticar malabarismo do olhar.

O meu olhar do mundo, dentro e fora das paredes duma casa, que agora nos dizem ser o lugar mais seguro em relação a um exterior inseguro e poluído por algo invisível, terá mudado ou mudará ao longo dos dias?

Construir uma narrativa de vida em condições de restrição espacial e mental é o apelo para a (re)construção de um elo, para um acesso privilegiado ao quotidiano do outro na sua ausência: pensar, imaginar e oferecer um recorte de mais um pedaço de vida para manter a relação viva, aberta – quando as portas físicas estão fechadas – e expectante.

As imagens que criamos e escolhemos são mais um recorte do que imaginamos agora o que será a nossa memória individual: “isto é importante, e esta é a história de como aconteceu, com as fotos que aprisionam a história em nossa mente” (Sontag, 2003).

Mas fiquei a pensar – e, entretanto, aparece-me o texto de Achille Mbembe “O direito universal à respiração” (2020) – se olhar e oferecer este olhar, não possa ser agora um convite para “respirar”. Um ato involuntário, tornado consciente e partilhado. Natural, quanto natural é viver e continuar.

Não quero luxo nem lixo, quero saúde para gozar no final.
Luxo nem lixo, meu sonho é ser imortal.
(Para além do Achille Mbembe enquanto escrevo, toca essa música)

Lisboa, 18 de abril 2020

Referências

Krenak, Ailton, 2019, Ideias para adiar o fim do mundo, São Paulo, Companhia das Letras Mbembe, Achille, 2020, O direito universal à  respiração https://n1edicoes.org/020?fbclid=IwAR0J55CxJHW2FDCN87siCS3aYRy0Nn8K3MZdR9uPCsHEJWWX-Ff8fLIbBo
Sontag, Susan, 2003, Diante da Dor dos Outros, São Paulo, Companhia das Letras


Um comentário em “Trocas em tempos de pandemia”

  1. Li o seu texto e fiquei pensando no quanto as milhares de selfies hedonistas que caracterizam parte do Instagram não perderam um pouco seu poder de atrair a atenção durante um confinamento que transforma nossa relação com nossos corpos e com a vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.