As certezas humanas em quarentena

por Rijarda Aristóteles, doutoranda em História na Universidade Autónoma de Lisboa (UAL)


E o mundo parou. Em algum momento, entre Dezembro de 2019 e Fevereiro de 2020, foi iniciado um tipo de mudança forçada, na qual a humanidade, compulsoriamente se viu diante do maior desafio da contemporaneidade. A globalização rápida e inexorável de uma pandemia, que não permitiu a nenhuma nação preparar-se mesmo com todos os recursos financeiros disponíveis, coloca-nos todos numa democrática situação de incertezas.


No início, o medo, a ansiedade e a frustração se transformaram em xenofobia: hora de buscar culpados. De certo modo, esta prerrogativa, humana, alivia a incerteza e mitiga a impotência. Somos todos vulneráveis. Esta, talvez, seja a face mais dolorosa da arrogância do homem diante do Universo.

E, então, como será a vida pós pandemia? Um mundo melhor? Relações forçadas à convivência serão possivelmente ressignificadas. E o que virá como resultante? O cenário aponta para mudanças culturais advindas de novos comportamentos e tolerâncias, como sobrevivência. Deve-se voltar a aprender a conviver.

A sociedade, pós COVID-19, estará muito mais compatível com o digital? É provável que sim, e este facto poderá significar mudanças paradigmáticas e o início de um novo tempo. Estaremos, todos, mais afeitos às emoções que direcionam às mudanças, à flexibilidade e à empatia, resultantes do processo de voltarmos às casas, aos nossos e a nós mesmos.

No futuro próximo poderemos pensar que, por alguns meses, retornamos à era pré-industrial quando o trabalho e casa eram um só espaço. Um tipo de emoção perdida que alguns de nós estamos, de facto, a gostar imenso.

Campo Grande (Lisboa), 15 de abril 2020.



Citar este post
CRIA (2020, 22 Abril). As certezas humanas em quarentena. CONFINARIA. Recuperado em 27 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/n27v

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search