DERIVA COTIDIANA | Vida de Apartamento

por Rafael F. A. Bezzon, doutorando em Ciências Sociais  da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Brasil


O antropólogo francês Michel Agier defende em um de seus livros (Encontros Etnográficos – contexto, interação, comparação, 2015), e concordo com ele, que “Não existe etnólogo sem uma partida, sem sair de casa e ir olhar o mundo […]”. Em tempos de circulação controlada de pessoas, coisas e mercadorias, esse movimento de pesquisa, orientado por princípios como o de “Olhar, Ouvir e Escrever” – para lembrar os ensinamentos do antropólogo Roberto Cardoso de Oliveira -, se mostra um tanto quanto complicado.

Pequeno experimento etnográfico sonoro: “Um itinerário na Vida de Apartamento”

A atual imobilização, que não condiz com as temporalidades impostas pelo capitalismo contemporâneo, o confinamento age diretamente nos corpos, transformando a vida cotidiana. Além disso, ele é exercido pela linguagem e se torna palavra de ordem – “confinamento”, “isolamento social” – (re)orientando nossa realidade.

E, como tal, gera efeitos imediatos em nossa percepção: ante os espaços em que vivemos, nossos hábitos diários, as coisas e objetos com o qual nos relacionamos, nossos pequenos trajetos e hábitos cotidianos. Para entendermos o que se passa, seus afetos e efeitos na vida cotidiana, penso que é necessário (re)adaptar nossa percepção para as pequenas – às vezes imensas – temporalidades diárias da escala diminuta deste tempo novo.

Como lembra Roberto Cardoso de Oliveira, o trabalho de pesquisa de qualquer antropólogo é construído por atos cognitivos que são “domesticados” através das teorias e das experiências vividas que os (re)orientam. Neste momento, a percepção – que pode ser entendida de maneira simples como a forma pela qual traduzimos as experiências em conhecimentos – se mostra uma aliada importante enquanto instrumento do conhecimento para pensarmos as vivências polifônicas do cotidiano.

Se o que se passa é uma transformação nas escalas das partidas, nos voltamos para nossas rotinas, suas imagens, seus sons e silêncios, seus movimentos e pausas. Da infância a vida adulta, a maior parte do tempo experienciei uma vida de apartamento – apenas por uns anos, durante a graduação, morei em casas. Que há diferenças (de escala) nas formas de habitar, isso é visível nas nossas cidades, mas uma vida de apartamento tem suas próprias características.

Planta de Apartamento”, imagem retirada da galeria de imagens do site archdaily.com 

A realização de pequenos trajetos, do quarto ao banheiro, de lá para a cozinha. Dali para a sala, uma espiada na varanda e de lá para a mesa de trabalho. De volta para a cozinha, depois idas ao banheiro, de volta para a sala. E, assim, segue o dia. Uma diferença interessante na vida de apartamento é a extensão da nossa visão. Daqui, se vê pelas janelas e varanda os vizinhos do prédio à frente, o acender e apagar das luzes, os banhos de sol nas varandas, os sons de suas rotinas: o tilintar de panelas, as músicas e as conversas.

As ruas estão escondidas. Os sons que vêm de lá nos permitem imaginar o que se passa. Há pássaros cantando, ou piando, não sei bem o que fazem. A popular “vapi” – lavadora de alta pressão – também canta. Há martelos, furadeiras, estampido de metais e as serras, que também ressoam nas construções. As motos, carros, ônibus e aviões – estamos próximos a um aeroporto – bastante populares na região, não se escutam.

 

São Paulo, 16 de abril 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.