PARIS NÃO É UMA FESTA*

por Fabiela Bigossi, doutorada em Antropologia Social, investigadora no Observatório Regional de Saúde de Île-de-France (Paris, França)


O isolamento social, medida privilegiada pela maioria dos países no combate à epidemia da COVID-19, reconfigurou a sociabilidade quotidiana. As tecnologias de informação e comunicação presentes na vida de grande parte da população mundial tomaram fôlego como a forma mais segura de continuarmos em contato. Para as gerações e classes que «nasceram conectadas» ao mundo virtual, a sociabilidade vivida através das redes sociais não é novidade. Importante salientar que o aumento das possibilidades de se conectar a sua rede de amigos, familiares e profissionais não contempla todas as pessoas. Seja pela falta de acesso a aparelhos e redes de conexão ou por não dominar o uso das tais tecnologias de comunicação e de informação.

(clique nas imagens para aumentar)

No contexto da epidemia, os críticos do uso exacerbado da tecnologia como mediadora das interações entre os humanos cederam espaço à proliferação de aplicativos e redes sociais virtuais. As críticas à efemeridade das relações e informações intermediadas pelas redes virtuais são substituídas nesses tempos pelo sentimento de partilha e solidificação dos laços que antes, às vezes, eram vivenciados pessoalmente.

Nosso pertencimento à cidade se transforma. A rua tornou-se sinônimo de contaminação, espaço em que o contato deve, a todo custo, ser evitado. O uso da máscara parece afastar ainda mais os transeuntes, que desde que se avistam ao longe, espalham-se pela rua de forma a respeitar uma distância de segurança. Distância esta nunca menor que um metro. Os grandes centros urbanos se transformaram pela ausência das pessoas. À noite, mesmo a Cidade Luz tomou ares de cidade interiorana.

Nessa temporalidade particular que vivemos, buscamos também o que permanece. O que possa nos unir uns aos outros. A rua continua um espaço de expressão. Nos espaços internos, os moradores confeccionam faixas com agradecimentos àquelas pessoas denominadas essenciais à manutenção da vida, que estão atuando nos hospitais, comércios e serviços públicos. Essas faixas são penduradas nas janelas e espaços externos das residências. Estão lá para mostrar a gratidão e  outras conexões, para além das virtuais. Na casa, no espaço privado, também se faz política.

Já a rua, essa é o espaço por excelência da expressão política. As reivindicações continuam presentes e através delas os habitantes da cidade. A solidariedade entre alguns grupos, materializada pelas manifestações nas ruas tão conhecidas da capital francesa, se constrói diferentemente nesse momento. Com as ruas vazias, ou quase, essa solidariedade se manifesta nas intervenções urbanas.

Essa experiência etnográfica é realizada dentro do perímetro de um quilometro a partir da minha residência. Deslocamento para «atividade física individual», autorizada pelo  artigo 3, do decreto de 23 de março de 2020, no contexto de urgência sanitária decretada pelo governo francês. Pelos diferentes caminhos que procuro variar nesse primeiro mês de confinamento, sigo os passos de alguém (ou grupo) que desconheço e que jamais vi. Suas frases contestadoras, retomando palavras dos discursos de Emmanuel Macron desde o início da urgência sanitária declarada na França, expõem também as reivindicações de profissionais que continuam em trabalho presencial.

Paris, 16 de abril 2020.

*Hemingway, Ernest. Paris est une fête. Paris: Gallimard, 1973.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.