ATIVISMO CONFINADO

por Dora Rebelo, doutoranda em Antropologia (CRIA-ISCTE)


 

Migrar do agir interventivo da psicologia humanitária para um modo de estar mais reflexivo, no doutoramento em antropologia; até foi estimulante, no início. Mas, ao navegar complexidades estruturais, pessoais e sociais colocadas pelo projeto de investigação, pelas minhas próprias expetativas e pela estrutura académica, tão mais rígida do que aparentava ser, esbardalhei-me (utilizamos pouco este verbo transitivo e pronominal) um pouco.

Antes da COVID-19 (quando isto tudo passar haverá, seguramente, uma linha temporal a separar o antes de um depois), dediquei dois anos a dar “mergulhos” teóricos nas novas aprendizagens antropológicas, intercalando-os com exposições “solares” no terreno. No meu espaço de trabalho doméstico, as evidências desses “mergulhos” ainda me fazem tropeçar quando passo da sala para a cozinha. Continuo interessada em descobrir novos autores e perspetivas mas, para ser honesta, se não fosse a relação estabelecida com os meus interlocutores: refugiados, requerentes de asilo, ativistas e voluntários; ainda não tinha encontrado forma (ou a minha forma) de investigar. Não tem nada de inovador, mas para mim traduz-se numa urgência pessoal, cidadã e académica.  A da legitimação do ativismo. Ambiciono tornar visível a enorme força de atrito que vai, devagarinho, causando tensão e desconforto nas estruturas poderosíssimas que teimam em “instalar-se”.

Mas claro, o ativismo faz mais sentido quando se ESTÁ no terreno. Quando me auto-ingressei em quarentena, há já três semanas, comecei a fazer contas aos meses de prejuízo deste ano letivo. Pensei em reorganizar o espaço doméstico e em voltar a pegar nos livros que me fazem tropeçar entre a sala e a cozinha, mas “não-tenho-tempo”.

Primeiro, não tenho tempo mesmo, porque os vários afazeres externos à vida académica multiplicam-se (tenho mais trabalho freelance que nunca, e como boa freelance, tenho que aproveitar bem “a maré”). Mas a seguir… tenho que pôr aspas. “Não tenho tempo” porque a minha mente discorre diariamente entre mil coisas que quero fazer (como escrever a tese), sem que me consiga dedicar-me. “Não tenho tempo” porque me apetece mais que nunca colocar conversas em dia (aliás já nem é em dia, às vezes é em hora, porque não há nada de especial para dizer-nos). “Não tenho tempo” porque me ocorrem mil atividades inúteis para pôr em prática “agora, que tenho tempo”.

Mas, sobretudo (e aqui retiro convictamente as aspas), não tenho tido tempo porque agora, mais do que nunca, é tempo de agir. Os ativistas, mesmo confinados, já reinventaram o terreno. As redes de apoio solidário estão mais ativas que nunca, online e nas comunidades. Multiplicam-se iniciativas diárias de apoio direto, de protesto, de ação política e, sobretudo, de visibilização dos problemas. Graças a eles, conseguimos agora ver melhor, para lá das nossas janelas, a realidade de pessoas menos privilegiadas. Os campos na Grécia. As prisões. Os migrantes e requerentes de asilo (que sim, têm mais direitos “no papel’, mas ainda não conseguiram perceber como acedê-los). Diariamente vou sabendo notícias dos meus interlocutores, e quase sempre sou surpreendida. O campo continua! E a luta também! Já a tese…

Lisboa, 14 de abril 2020.



Citar este post
CRIA (2020, 21 Abril). ATIVISMO CONFINADO. CONFINARIA. Recuperado em 27 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/n27q

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search