Sabe aquela sensação de quase perto?

por Normando José Queiroz Viana, Professor adjunto da Faculdade de Psicologia – FAPSI,  Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará – UNIFESSPA


Sabe aquela sensação de “quase perto”? Pronto. Esta é a nova experiência emocional que este tempo de pandemia tem me apresentado. Há poucos dias recebi a notícia que o pai de amigas muito queridas, que deixei em Recife, minha cidade natal, faleceu. Ao que tudo indica não se sabe ao certo, pois o resultado do exame saíra em alguns dias, devido às implicações do COVID-19.

Foto do autor

Este caso inaugurou outro tempo da minha relação com o isolamento social. Logo eu, que pensei que já havia passado por todos os momentos, pelo susto; o medo, de tanta coisa, não só do contágio, sempre constante, a mudar apenas a gradação; a busca incessante por informações, numa tentativa de tentar compreender tudo o que está a acontecer; a saudade, essa também sempre presente, do filho, irmão, tio, amigo que está longe…

Este caso também inaugurou outra forma de percepção e de experienciação de minha relação comigo mesmo e com os/as outros/as. É difícil passar ileso à concretude deste “quase perto”. É difícil não ser tocado por ela. Que este toque, pra já e pra depois, nos transforme em pessoas melhores, mais solidárias, mais sensíveis, mais cuidadosas… Que nos transforme em humanos mais humanos.

Fiquemos bem. Tudo isso vai passar! Vai passar!

Marabá, 14 de abril de 2020.



Citar este post
CRIA (2020, 17 Abril). Sabe aquela sensação de quase perto? CONFINARIA. Recuperado em 27 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/n27l

3 comentários em “Sabe aquela sensação de quase perto?”

  1. É também um momento difícil para estar longe da família, sem contato, sem um conforto de um abraço. Depois de sete dias sem o papai, só sei que tenho a agradecer, mas ainda dói muito.
    Obrigada pela reflexão!

  2. Um bom afago reflexivo para esses tempos, sem dúvida de sensações difíceis de afastamentos e cultura de cuidar e amar isolados a distância!

  3. Essa sensação do quase perto tem revelado o quão as distâncias são angustiantes e temerárias. Mas tudo irá passar em breve.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search