JANELAS

por Elisabete Fragoso, licenciada em Antropologia pela NOVA-FCSH | produtora e gestora cultural


O confinamento é um convite à observação, ao reparo no detalhe de coisas até então vedadas mesmo a quem habitualmente está mais atento, talvez por nunca se terem mostrado motivo de reflexão. Passámos a olhar de forma diferente os espaços habitados. A casa passa a confiar-nos uma observação mais atenta do mundo que habitamos dentro das nossas próprias narrativas. Observo os hábitos dos vizinhos dos prédios que circundam o largo onde resido. No terceiro andar de um dos edifícios na parte sul do largo, uma rapariga que se exercita no terceiro andar. Nesse mesmo prédio, pontualmente, uma mulher no quinto andar, ri e fala alto. No prédio ao lado desse, um par de pessoas faz exercícios no terraço. No edifício em frente do meu, existe uma varanda com um par de cadeiras, onde de tempos a tempos, um rapaz fuma um cigarro ou dois deles bebem um copo. No terraço desse mesmo prédio, uma dupla salta à corda e faz exercícios em sequência. No meu prédio, os vizinhos abaixo do meu andar, fazem barulho daquilo que julgo ser o exercício regular. Uns dias, algumas destas coisas são simultâneas, mas na maioria dos dias são desfasadas.

foto da autora

Olhando para a rua, verifico que são muitas as pessoas que correm. Por ser um largo, é possível observar cruzamentos de pessoas de ténis e roupa desportiva que seguem um trajeto, que não sei se é premeditado. Quando não passam carros, consigo ouvir-lhes os passos.

Dentro de casa, observamos os interiores das casas dos amigos, dos colegas de trabalho e das pessoas que desconhecemos. Entramos pela casa de conhecidos e desconhecidos, com uma licença especial – estamos confinados, mas as relações necessitam de continuidade. Cada pessoa tem uma forma de se mostrar nesse contexto de videoconferência: os fundos da chamada permitem observar estantes com livros, posters, quadros, armários de cozinha e até família. Por vezes consigo ouvir crianças, talheres ou algo a cair.

Em confinamento tendemos à invasão pelo olhar e a audição apura-se, como uma espécie de expansão do nosso reduzido horizonte nos dias que correm. Aproveitamos todas as janelas e varandas ao nosso alcance.

Lisboa, 13 de Abril 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.