Por que os homens protagonizam os índices de mortalidade da COVID-19?

por Naiara Maria Santana, doutoranda em Antropologia na Universidade Federal da Bahia | Gira – Grupo de Estudos Feministas


Intuo que uma velha dicotomia, em certa medida ultrapassada, mas ainda com alguma validade para pensar a espacialização das relações de gênero, possa nos dar pistas. Falo da dicotomia entre espaço público e doméstico, afinal, por mais existam exceções, há, em geral, uma dinâmica de territorialização dos gêneros em que as mulheres estão mais circunscritas aos espaços domésticos e os homens aos espaços públicos. Considerando isto, o “fique em casa” tem impactos diferentes entre mulheres e homens.

foto da autora

Das poucas vezes que saí de casa após o pacto coletivo da quarentena como medida de saúde, não pude deixar de observar as novas dinâmicas das ruas – comércios, bares e restaurantes fechados; menor circulação de transporte público, quase nenhum vendedor ambulante nos lugares os quais estavam antes; pouquíssimas pessoas caminhando nas ruas, exceto alguns sujeitos preocupados em manter uma rotina de exercícios físicos ao ar livre; chamou-me atenção uma ocupação aparentemente maior de pessoas em situação de rua em locais antes não ocupados por estes sujeitos (pessoas reunidas, conversando, dormindo, comendo e fazendo fogueiras nas ruas da orla de Salvador – Bahia).


Contudo, enfatizo uma das dimensões por mim observadas – a genderização da ocupação das ruas neste período de confinamento, o que é uma boa alegoria da dinâmica social de gênero e espaço; em todo o trajeto que fiz observava que a maior parte das pessoas nas ruas era composta por homens (seja trabalhando, correndo,  pegando onda, batendo o baba, fazendo compras ou simplesmente perambulando). A desigualdade de gênero poderia ajudar a explicar uma maior exposição dos homens ao vírus? Um vírus ao quadrado? Das poucas mulheres que vi, algumas eram visivelmente trabalhadoras voltando para suas casas, caminhando ou sentadas nos pontos de ônibus, outras eram mulheres acompanhadas de outros homens, em geral praticando exercícios físicos, e havia um nítido recorte racial e de classe entre estes dois grupos de mulheres. Não podemos esquecer que as teóricas e ativistas negras sempre expuseram os limites de uma análise binária da ocupação dos espaços, uma vez que as mulheres negras já estavam ocupando as ruas de diversas formas, muito antes das feministas brancas denunciarem seu isolamento no ambiente doméstico.

 

Considero que a violência seja outra chave importante, afinal, mesmo com as ruas cheias de gente, no vaivém cotidiano, estamos sempre mais suscetíveis a diversas formas de violência de gênero tão bem expostas em dados estatísticos e relatos individuais. A nova dinâmica de (não) ocupação das ruas pode ser vista como um fator de risco a mais no quesito violências de gênero. O que não se limita aos espaços públicos, como vem sendo demonstrado por pesquisas atuais que afirmam o aumento da violência doméstica em vários contextos nacionais e internacionais. Aqui no Brasil, durante a quarentena, houve um aumento de 8,5% no número de ligações para o canal do governo federal que recebe denúncias de violência contra a mulher. O vírus vem transformando dimensões das nossas vidas, mas não tanto.

 

Salvador da Bahia (Brasil), 13 de abril 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.