ETNOGRAFIAS DOS NOSSOS DIAS… ESTRANHOS (27) – na fila de espera… ou ‘a loucura da normalidade’

por Humberto Martins (CRIA-UMinho | UTAD)


Somos doze, doze pessoas em fila de espera para entrar na mercearia do Sr. João e da dona Fátima. Doze pessoas em suspenso, sem se falarem, distanciadas entre si cerca de metro e meio. Parece que nos olhamos desconfiados. Somos estranhos de e a nós mesmos, perdidos nas limitações que nos impõem os especialistas de saúde. Sacos debaixo do braço, três pessoas com máscara – cada qual de seu feitio. Também tenho a minha; utilizei ontem pela primeira vez e só a pretendo levar quando for a supermercados; na verdade, só vou a supermercados agora; bom, uma ou outra vez a um posto de abastecimento de gasolina, ao multibanco, ao talho.

foto do autor

Custa respirar com a máscara – embacia-me os óculos. Tiro os óculos, olho para o lado, para cima… o tempo de espera passa devagar. Todo o tempo passa devagar agora. Da janela do terceiro andar, mesmo por cima do supermercado, projecta-se um som de contentamento de vozes de crianças que não consigo ver. Parece que dançam alegremente. No outro lado da rua três ou quatro varandas exibem faixas com o arco-íris que nos informam que ‘vamos todos ficar bem’. Será? À porta da mercearia um painel informa – “devido à situação de contingência relativa ao COVID-19 apenas podem estar dentro do estabelecimento três pessoas de cada vez.”  Vou lá de três em três dias – buscar legumes, fruta, pão e um dia houve que consegui comprar sabão cor-de-rosa e branco da Clarim.

Está sol. Dia primaveril que apenas se torna diferente de outras primaveras porque vivemos esta espécie de ‘loucura da normalidade’ a que nos submetemos para nosso bem, para o bem de todos. Será? Deixámo-nos de falar, de conviver, de partilhar, de abraçar. Um homem que não conheço, mas que tenho encontrado naquela ‘espera’ várias vezes, chega e inicia uma conversa com um outro homem, seu conhecido, que está um pouco mais à frente na fila. Curiosa interacção – mantém a distância, fala do isolamento, de sua mãe que vive no Barreio e tosse três vezes para a mão esquerda; a mesma com a qual mexe no nariz e na boca, ajeita os óculos e que, seguramente, utilizará para escolher a fruta e os legumes. Despede-se com uma ‘Boa Páscoa’. Será?

Entretanto, avisto António, denomino-o assim, a um homem dos seus cinquentas anos que sempre anda por ali ao lixo e que canta em flamenco bem pronunciado enquanto retira os sacos de plástico e escolhe ‘no seu supermercado possível’ o que mais lhe aprovem. Vem como sempre, cantando, indiferente a quem está. Uma e outra vez baixa-se e apanha uma beata que logo coloca ao canto da boca, na esperança de ainda conseguir travar algum fumo. Segue o seu caminho como sempre faz; abre os contentores do lixo com as suas mãos sem luvas, mexe e remexe no lixo e também, como quase sempre, lá encontra um pacote de sumo ainda com um pouco de líquido que aproveita para beber. Volta a fechar o contentor e segue o seu caminho. Outra beata no chão, outra tragada ‘imaginada’, outro pequeno mas grande prazer possível. Para ele, e vejo-o tantas vezes, estes são tempos normais, iguais aos outros. A loucura da normalidade é agora a nossa, a de todos os outros que somos, aparentemente, normais. E relembro o tema Balada do Louco de Rita Lee, imortalizado por Ney Matogrosso:

“Eu juro que é melhor
Não ser o normal
Se eu posso pensar que Deus sou eu
Se eles têm três carros, eu posso voar
Se eles rezam muito, eu já estou no céu (…)”

Almada, 11 de abril 2020.


Um comentário em “ETNOGRAFIAS DOS NOSSOS DIAS… ESTRANHOS (27) – na fila de espera… ou ‘a loucura da normalidade’”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search