TEMPO

por Sara Silva, Licenciatura em Antropologia pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa


Dia X da quarentena. Já não sei a quantos vamos. Mais vale contar quantos faltam do que quantos passaram, dizem que o tempo passa mais rápido assim. A verdade é que não sabemos, ninguém sabe realmente. É díficil lidar com a incerteza, se tivessemos uma data no calendário para marcar seria tudo mais fácil. Para alguém como eu que não pode fazer nada, só esperar é lidar com os minutos e as horas. Tentar que sejam produtivos. O ser-humano precisa de um objectivo, de se sentir útil, de ter algo porque esperar. Especialmente para quem é ateu, o momento e as acções precisam de contar. Hoje falei com a minha avó, tem 86 anos, e pensei nisto. Está com medo de nunca mais poder ver isto os netos, pois todos os dias contam e a normalidade está longe de voltar.

foto da autora

Enfim, nada como ter demasiado tempo livre para nos por a pensar nele.

Penso que vamos todos sair disto diferentes, dar mais valor às coisas e ser melhores, aproveitar melhor o tempo, sair à rua, aproveitar mais tempo em família e tudo isso.  Mas também sabemos que o ser-humano não funciona assim. Voltamos quase sempre aos mesmos vícios e por muito que algo custe quando passa, a velocidade com que nos habituamos a essa ideia parece quase inversamente proporcional aquilo que  nos custou passar.  Esperemos voltar o mais rápido possível a ter essa liberdade. Resta esperar que tudo corra pelo melhor e nos voltemos a queixar de não ter tempo para estar em casa.

Lisboa, 12 de abril de 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search